Archive for setembro 30th, 2017

Em primeira entrevista, Eduardo Cunha diz estar pronto para falar e detona Moro

Eduardo Cunha foi o responsável pela abertura do processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff
Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) afirma em sua primeira entrevista desde que foi preso que está pronto para revelar tudo o que sabe para a nova procuradora-geral, Raquel Dodge. Cunha ainda inocenta Michel Temer e critica o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jata em Curitiba.

A entrevista de Eduardo Cunha foi publicada no site da revista “Época” na noite desta sexta-feira (29). Nela, o ex-presidente da Câmara garante ter provas, datas, fatos e testemunhas que comprovam tudo o que ele sabe. “Tenho histórias quilométricas para contar, desde que haja boa-fé na negociação.”

Cunha acredita que Rodrigo Janot, ex-procurador-geral, não queria a verdade, “só queria derrubar Michel Temer”, e, por isso, sua delação premiada não deu certo. “Tenho muito a contar, mas não vou admitir o que não fiz. Não recebi qualquer pagamento do Joesley  para manter silêncio sobre qualquer coisa. Janot queria que eu colocasse mentiras na delação para derrubar o Michel Temer. Se vão derrubar ou não o Michel Temer, se ele fez algo de errado ou não, é outra história. Mas não vão me usar para confirmar algo que não fiz, para atender aos interesses políticos do Janot.”

O responsável pela abertura do processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff garante que Janot operou politicamente o processo de delações. Para ele, o ex-procurador geral viu em um possível afastamento de Temer a oportunidade de colocar Nicolao Dino, seu vice, como seu sucessor na PGR. “É nesse contexto que aparece aquela delação absurda da JBS.”

 

Veja mais no link: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-09-30/eduardo-cunha-entrevista.html

PEN reúne correligionários para discutir projeto para eleições 2018

O diretório estadual do PEN realizou nesta sexta-feira (29) uma reunião com correligionários para dar continuidade às discussões em torno do projeto do partido para as eleições de 2018.
De acordo com o presidente do PEN, Luiz Gomes, a reunião foi produtiva porque manteve a expectativa do partido conseguir ocupar uma das cadeiras da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte e ainda de ajudar a construir um projeto também para outros cargos eletivos.
“Nossa reunião foi excelente e muito tranquila com a participação de todos nos debates e nas opiniões. Mantivemos a unidade para construção do projeto 2018 para elegermos nosso deputado estadual e, quem sabe, nosso federal. O importante é construir um projeto sólido na base do diálogo com todos”, enfatizou.
Luiz Gomes lembrou que nas eleições de 2012 o partido não elegeu um vereador sequer em Natal e que, em 2016, com um projeto semelhante, foi possível eleger dois parlamentares na capital potiguar.

Bolsonaro lidera intenção de votos para 2018, sem Lula no páreo

Resultado de imagem para Bolsonaro
Foto: Ailton de Freitas/Agência O Globo 

O deputado federal Jair Bolsonaro está liderando as pesquisas de intenções de votos, caso Lula fique fora das eleições de 2018. Faltando quase um ano para acontecer as eleições, a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ainda é um incógnita, se vai ou não disputar a presidência do país. Tudo depende do Tribunal Regional da 4ª região, que julgará recurso impetrado pelos advogados de Lula, contra uma condenação deferida pelo juiz Sérgio Moro – Curitiba/PR.

Com saída de Lula, Marina Silva da REDE é a maior beneficiada, já que fica em segundo lugar; estando na frente o deputado Jair Bolsonaro.

VEJA, AGORA, O DESEMPENHO DOS CANDIDATOS:
Sem Lula e com Doria
Candidato Intenção de voto Bolsonaro 19,6%

Marina Silva (Rede) 15,4%

Doria (PSDB) 13,5%

Joaquim Barbosa 8,9%

Ciro Gomes (PDT) 7,4%

Álvaro Dias (Podemos) 4,4%

Fernando Haddad (PT) 3,4%

Henrique Meirelles 2,3%

Nenhum 21,3%

Não sabe 4%

Sem Lula e com Alckmin
Candidato Intenção de voto Bolsonaro 20,9%

Marina Silva (Rede) 15,3%

Geraldo Alckmin (PSDB) 9,7%

Joaquim Barbosa 8,9%

Ciro Gomes (PDT) 7,4%

Álvaro Dias (Podemos) 4,6%

Fernando Haddad (PT) 4%

Henrique Meirelles 2,2%

Nenhum 22,5%

Não sabe 3,7%

Com Lula e com Doria
Candidato Intenção de voto Lula 26,6%

Bolsonaro 18,5%

Marina Silva (Rede) 9,7%

Doria (PSDB) 11,5%

Joaquim Barbosa 7,5%

Ciro Gomes (PDT) 4,3%

Álvaro Dias (Podemos) 3,8%

Henrique Meirelles 1,5%

Nenhum 13,6%

Não sabe 2,9%

Com Lula e Alckmin
Candidato Intenção de voto Lula 26,5%

Bolsonaro 20%

Marina Silva (Rede) 9,8%

Geraldo Alckmin (PSDB) 8,4%

Joaquim Barbosa 8,3%

Ciro Gomes (PDT) 4,5%

Álvaro Dias (Podemos) 3,9%

Henrique Meirelles 1,6%

Nenhum 14,2%

Não sabe 2,8%

STF julgará dia 11 sobre afastamento de parlamentares que dividiu opiniões entre os órgãos do Estado

Resultado de imagem para Carmem Lúcia
Foto: Internet

Marcado para o dia onze  de outubro, o julgamento do plenário da Suprema Corte, em que definirão se o afastamento de parlamentares poderão ser determinado pelo Supremo Tribunal Federal, sem a aprovação da Câmara Federal ou do Senado.

O caso tomou essa dimensão quando a primeira turma do Supremo Tribunal Federal votaram a favor de medidas cautelares contra o senador Aécio Neves (PSDB- MG) para que fosse afastado do mandato, provisoriamente, e ele ficasse retido em casa à noite, sem poder se comunicar com outros que estejam sob investigação.

Aécio foi acusado de ter recebido R$ 2 milhões, de propina, do grupo JSB, dito isso pelos delatores em depoimento na PGR.

No calor da discussão entre os maiores poderes do país, estão opiniões divididas. Entre os que são a favor de respeitar as decisões tomadas pelo STF, está o poder Executivo, representado pela Advocacia Geral da União – AGU – Que deu seu parecer favorável a decisão do Supremo.

“É possível identificar que as normas possuem o sentido de garantir a satisfação estatal do ‘ius puniendi’ [anseio de punir] por meio de medidas acautelatórias, a exemplo da prisão preventiva e do comparecimento periódico em juízo”, diz o parecer.

A AGU, por sua vez, diz que o afastamento do mandato não se equipara à prisão do parlamentar, que necessita de aval do Legislativo. A suspensão assim, sendo uma medida menos grave, não precisaria da mesma autorização e caminha no sentido da “progressiva redução e eliminação dos círculos de imunidade de poder”.

De igual modo a Procuradoria Geral da República – PGR – não ver a necessidade de autorização por parte da Câmara Federal ou do Senado para que a justiça maior do país venha tomar simples decisões.

“Submeter medidas cautelares do sistema processual penal a crivo da casa legislativa, quando deferidas contra membros do Congresso Nacional, malferiria o princípio da inafastabilidade da jurisdição, ofenderia o princípio da isonomia e fragilizaria indevidamente a persecução criminal. Importaria, ao fim e ao cabo, ampliação indevida do alcance das imunidades parlamentares”, diz o parecer, enviado em dezembro de 2016 pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Por outro lado a Câmara Federal e o Senado estão contra as medidas tomadas pelo STF. Pretendem fazer retaliação ao poder judiciário caso a decisão do STF permaneça.

O povo brasileiro deve está atento às afrontas feitas da parte dos parlamentares contra o Supremo Tribunal Federal. Os objetivos são de cercear o poder da Suprema Corte com objetivos de continuarem manipulando os crimes de corrupção contra o povo do Brasil. Antes dos poderes dado pela a Constituição aos senhores parlamentares, a mesma consagra que todo o poder real do Estado emana do povo. O povo está do lado do STF.

 

Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/afastamento-de-parlamentares-pelo-stf-divide-governo-congresso-e-mpf-entenda-posicao-de-cada-orgao.ghtml

Prefeitura de Extremoz planeja roteiro turístico histórico com Sindbuggy e Singtur

A Prefeitura de Extremoz, em parceria com os sindicatos dos Bugueiros Profissionais (Sindbuggy) e dos Guias Turísticos (Singtur) e com agências de turismo, está desenvolvendo um roteiro turístico histórico para ser explorado no município. Esta semana, a pedido do prefeito Joaz de Oliveira, uma visita técnica foi realizada às localidades que serão exploradas como atrativos turísticos para bugueiros, guias e vereadores do município.
O presidente do Sindbuggy, Luiz Thiago Manoel, acredita que essa iniciativa realizada em parceria vai impulsionar ainda mais o turismo na região. “Agora os turistas que visitam o litoral Norte terão mais um atrativo turístico durante os passeios de buggy. Além das dunas, eles terão oportunidade de conhecer um pouco da história do município e ainda conhecer locais diferentes. Isso ajuda a desenvolver até o turismo interno, porque muita gente não conhece essas áreas”, analisou.
O presidente do Singtur, Júnior Lima, se colocou à disposição da Prefeitura para auxiliar na construção do novo roteiro turístico para o fomento do turismo local. “O importante é construirmos algo em parceria porque todos ganham. E essa parceria entre Prefeitura, Câmara Municipal, Sindbuggy e Singtur vai trazer muitos frutos para Extremoz”, previu.
Roteiro
O tour passou por uma minitrilha com resquícios de mata atlântica em Pitangui, onde existe a gameleira, popularmente conhecida como árvore do amor. Em cima dela a Casa Caipora, que é uma casa construída de madeira. O passeio também foi pelas dunas de Genipabu, opção turística tradicional e consolidada no município. Por fim o grupo passou pelas ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo, no Centro Histórico da cidade, Lagoa de Extremoz e Fundação de Cultura Aldeia do Guajiru.

“Se eu tivesse deixado o DEM sair com o PSDB, o Michel tinha caído”, diz Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, agiu para que o PSDB e o DEM não deixassem a base do governo
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, agiu para que o PSDB e o DEM não deixassem a base do governo / Marcos Corrêa/PR – 4.9.17

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), afirmou ser “nem contra, nem a favor” da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) , que tramita na Casa. Em entrevista ao jornal Valor Econômico , o deputado do Rio de Janeiro afirmou que “denúncia não é campanha para assumir Presidência”.

“Não fiz com eles o que eles fizeram com a Dilma. Talvez, por isso, essas mentiras criadas, para tentar criar um ambiente em que eu era o que não prestava e eles eram os que prestavam”, afirma. “Como eles fizeram desse jeito com a Dilma, talvez imaginassem que o padrão fosse esse. O meu padrão não é o mesmo daqueles que, em torno do presidente, comandaram o impeachment da presidente Dilma”, explicou Rodrigo Maia .

Em relação à primeira denúncia – que não foi aprovada pela Câmara – Maia agiu para que o PSDB e o DEM não deixassem a base. “Vou dizer claramente, sem nenhuma vaidade: se eu tivesse deixado o DEM sair com o PSDB, o Michel tinha caído”. O deputado afirmou ainda que “esse papel [de conspirador], que alguns gostariam que eu tivesse exercido, não tinha condição de exercer nem na primeira, nem terei na segunda”.

 

 

Leia mais no link abaixo.

Fonte: Último Segundo – iG @ http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-09-29/rodrigo-maia.html