Archive for novembro 27th, 2018

Aprovada lei que reduz em 50% tarifa para motocicletas em estacionamentos privados do RN

Resultado de imagem para Moto em estacionamento privado
Foto: da Internet

G1RN – O plenário da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte aprovou nesta terça-feira (27), à unanimidade, o projeto de lei que estabelece a cobrança de tarifa reduzida para motocicletas em estacionamentos privados do estado. A matéria, que agora segue para sanção do governador Robinson Faria, é de autoria do deputado Gustavo Carvalho (PSDB) e fixa a taxa para motocicletas em 50% do valor cobrado aos automóveis.

De acordo com a matéria aprovada, os estabelecimentos que infringirem a lei serão notificados e, caso não se regularizem no prazo estabelecido, sofrerão a aplicação de multas no valor de R$ 3 mil, podendo inclusive ter o Alvará de Funcionamento cassado caso continue descumprindo a lei.

“O projeto visa fazer justiça à categoria. A falta de estacionamentos públicos passou a ser um grave problema de mobilidade urbana. Considerando que a moto ocupa cerca de um quinto do espaço utilizado por um carro comum, a tarifa do estacionamento para motos deve ser reduzida em relação ao valor cobrado por carros, para que seja mantida a proporcionalidade entre o serviço fornecido e o preço por ele cobrado”, justificou Gustavo.

Alunos do Winston Churchill redescobrem o RN através de iniciativa da Assembleia

Descobrir a importância da localização geográfica do Rio Grande do Norte como estratégia militar na época da Segunda Guerra Mundial e a relevância de nomes como Augusto Severo para a história da aviação, foi uma surpresa que agradou o estudante secundarista Gutierre Pinheiro, 16.

“Foi bom, mas ao mesmo tempo eu percebi que não conheço a história do meu estado. Saber de fatos importantes da nossa história é muito importante e não podemos deixar isso morrer”, disse o estudante do segundo ano da Escola Estadual Winston Churchill.

A descoberta ocorreu na manhã desta terça-feira (27), durante a palestra “Jerimunlândia Beligerante – a segunda guerra e o RN”. A palestra foi uma ação do Memorial da Cultura e do Legislativo Potiguar e integra o Projeto: “Memória Itinerante”, no qual alunos da rede pública de ensino têm sido beneficiados com lições do passado e do presente.

“É muito importante essa aproximação pois as alunos do ensino médio não estudam mais o assunto e, por isso, ficam muito alheios a história. História é identidade”, destacou a diretora da Escola Estadual Winston Churchill, ​Claudia Cartaxo.

O professor de história João Batista destacou a importância da colaboração entre instituições públicas na preservação da história estadual. “O acesso a esse acervo nos traz um novo olhar sobre nosso estado. Iniciativas como essa são fundamentais para preservar a memória e manter a cultura estadual”, disse.

Um grupo formado por estudantes das primeira e segunda série do ensino médio assistiu a aula ministrada pelo historiador Plínio Anderson. A aula de 70 minutos em slide show, com destaque para a relevância do Rio Grande do Norte na história do Brasil e da América do Sul foi precedida por um passeio pelo centro histórico de Natal. “Os alunos ficaram encantados. Eles passam por aqui diariamente e não conhecem a história desse espaço e prédios”, disse Claudia Cartaxo.

Plano de enfrentamento da violência contra a mulher é destacado por Márcia Maia

O lançamento do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Doméstica Contra a Mulher, que ocorre nesta tarde no Palácio do Planalto, em Brasília, balizou o pronunciamento da deputada Márcia Maia (PSDB) na sessão plenária desta terça-feira (27) na Assembleia Legislativa.
A parlamentar destacou que a iniciativa ocorre no período que considera importante que é o ativismo de 16 dias pelo fim, da violência contra a mulher, que começou no dia 25 último e que promove debate e denuncia as várias formas de violência contra as mulheres.
“A Campanha começou em 1991, a partir da reunião de mulheres de diferentes países no Centro de Liderança Global de Mulheres. Cerca de 150 países participam da campanha. No Brasil, ocorre desde 2003. A mobilização termina no dia 10 de dezembro, no Dia Internacional dos Direitos Humanos”, destacou Márcia Maia.
A deputada disse que as datas relacionadas ao combate à violência e desigualdade não são apenas números no calendário, mas momentos de impulso à reflexão, debate, luta e defesa de direitos em todo o País e no mundo.
“Em pouco mais de 12 anos da Lei Maria da Penha, no Brasil, houve um aumento das denúncias de casos de violação de direitos. Segundo o Ministério dos Direitos Humanos, que administra a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, o Ligue 180, foram registradas no primeiro semestre deste ano quase 73 mil denúncias. O resultado é bem maior do que o registrado – 12 mil – em 2006, primeiro ano do  funcionamento  da Central e de vigência da Lei”, ressaltou Márcia.
A parlamentar frisou que se se avançou muito nas leis, nas estruturas, mas ainda há muito por fazer, inclusive no Rio Grande do Norte, onde, segundo ela, precisa de mais delegacias de atendimento especializado à mulher. De acordo com Márcia, o Estado precisa de mais delegacias de atendimento especializado à mulher.

Sessão na Assembleia Legislativa homenageia campanha Lenço Solidário

Os participantes da campanha “Lenço Solidário” foram homenageados durante sessão solene na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (27). Por iniciativa do deputado Kelps Lima (Solidariedade), a solenidade destacou os mais de 2 mil lenços arrecadados durante a edição deste ano.

“Eu vejo a campanha por dentro e consigo enxergar o bem que ela faz a todos nós. Sei quantos laços de amizades eternos foram criados entre os homens e mulheres que participam da campanha Lenço Solidário. Não apenas quem recebe os lenços, mas também quem doa é beneficiado. Só construiremos uma sociedade melhor se tivermos de mãos dadas”, disse Kelps, destacando ainda que a campanha foi realizada no período eleitoral, mas em nenhum momento ganhou conotação política.

O Lenço Solidário é uma campanha de arrecadação de lenços para serem doados às mulheres que perderam os cabelos na luta contra o câncer e é realizada em outubro, mês de combate e conscientização sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama.

Em 2016, primeiro ano da campanha, o Solidariedade Mulher conseguiu a doação de quase 300 lenços através de postos de coletas e doações individuais. Este ano foram arrecadados mais de 2 mil lenços. Durante a solene, foram entregues 500 lenços arrecadados à Rede Feminina Contra o Câncer e mais 500 ao Grupo Reviver.

A coordenadora da campanha Lenço Solidário e presidente do Solidariedade Mulher, Luciana Bezerra, falou em nome dos homenageados. “A campanha esse ano teve muitos desafios. Iniciamos a campanha no dia 10 de outubro e dois dias depois nós perdemos Ana Maria, a grande incentivadora do nosso grupo. Foi ela quem promoveu a primeira campanha em 2016. Sentimos profundamente a perda dela, mas conseguimos realizar a campanha em homenagem à ela”.

Luciana Bezerra destacou ainda que esse foi o ano que mais se arrecadou lenços, mas que “a campanha é importante não só pela quantidade de lenços arrecadados, mas também por tocar o outro e chegar mais perto das mulheres que sofrem com a doença”.

Ainda durante a solenidade, que contou também com a presença do deputado Hermano Morais (MDB) e da deputada Cristiane Dantas (PPL), se chamou a atenção para necessidade de fazer o exame de prevenção, uma vez que o câncer de mama é o que mais mata mulheres no mundo, mas quando diagnosticado precocemente a chance de cura é de 95%.

Homenageados

Ana Carla da Silva Freire, Ana Maria de Godoy Novaes (In Memoriam), Alexandre Magno Batista, Eritam Érico Fernandes Leite, Francisca Margarida Dantas, Gerlúcia Maria de Moura Silva, João Maria dos Santos, Maria da Conceição de Medeiros Costa, Márcio Ricelli Batista da Silva, Vitória Chris Pereira Siqueira, Adriana Vidal De Negreiros Nunes, Alice Xavier de Oliveira, Ana Kelly Carvalho dos Santos Galvão, Arlene Dantas Bezerra, Brenda Emilly Barbosa de Almeida, Célia Maria Lins de Melo, Charleane Vaneska Estevam, Christianne Lins de Almeida Galvão, Damiana Cássia da Silva, Danielle Lacerda de Medeiros, Débora Larissa Silva de Souza, Elisângela Iva de Souza, Izabely Luz, Fabia Cristhiane de Freitas, Francisca das Chagas Barbosa, Francisca Victor da Silva, Hellen Cristiny Da Silva Mourão, Janaína Freire de Melo Silva, Jainara Moreira Fernandes Figueiredo, Janieli Silva Dantas, José Alexandre dos Santos, Kesia Gabriela Araújo Maia, Larissa Carla de Alcântara Ferreira, Layane Carla Ferreira, Leilane Heloise Carvalho De Freitas, Lúcia Maria Serafim Pereira, Lúcia Ferreira Martins, Luciana da Silveira Bezerra, Luzia Josilandia da Silva, Magnólia Silva, Márcia Araújo Guimarães, Maria Aldenora Bezerra, Maria Bethânia de Lima Barros Correia, Maria da Conceição Nunes de Oliveira, Maria das Graças Viana Góes Menezes, Maria de Fátima Medeiros de Jesus, Maria Elizângela Barreto, Maria Expedita de Alcântara, Maria Márcia Alces Ferraz Ferreira, Maria Rita Farias Soares, Marliene Cavalcanti Farias, Maryone Silva Sales, Micarla Maria de Góis Araújo, Michelle Pedrosa e Silva, Nemora Martins Tavares, Niedna Mama Teliciano de Araújo, Núbia Barbosa dos Santos Câmara, Paula Luciana Tavares de Lira, Rosângela Rochele Santana, Rosenaide de Souza Avelino, Rosileide Maria de Morais, Sônia Maria Tenório, Sueny Maria da Rocha Lima, Suzete Trigueiro, Valdecy Francelino de Moura e Vera Lúcia Malveira de Brito Albuquerque.

Na Casa Branca, Eduardo Bolsonaro defende congelamento de bens de Cuba e da Venezuela

Resultado de imagem para Eduardo Bolsonaro
Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados

Segundo o GLOBO, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Messias Bolsoanro, defende que Cuba e Venezuela tenham seus bens congelados, e assim possa desconstruir as duas ditaduras ao mesmo tempo.

— Existem diversos instrumentos que o Brasil por anos, de maneira proposital, não levou a sério. São instrumentos que estão à mão. O juiz Sérgio Moro sabe melhor do que ninguém sobre lavagem de capitais, combate ao crime organizado, Convenção de Palermo. E junto com a equipe do embaixador Ernesto Araújo, tem muita coisa nessa área. Se você for congelar tudo aquilo que remete e passa pelas ditaduras cubana e venezuelana, pode dar um calote muito grande nesses ditadores — disse ele.

O Objetivo da fala do filho do novo presidente é criar uma forma junto ao governo americano para acabar com as ditadura na America Latina.

A declaração do deputado foi dita quando caminhava diante da Casa Branca, EUA, na ocasião de uma reunião com assessores do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca.