Archive for março 8th, 2019

Dnit declara situação de emergência na Ponte de Igapó, em Natal

Há 29 anos sem manutenção, Ponte de Igapó foi avaliada por técnicos do Crea em 2018 — Foto: Reprodução/Flávio Muniz/Inter TV Cabugi

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit) declarou situação de emergência na Ponte Presidente Costa e Silva, mais conhecida como Ponte de Igapó, que passa sobre o Rio Potengi ligando as zonas Norte e Oeste de Natal. O ato foi publicado nesta sexta-feira (8) no Diário Oficial da União, apesar de ter sido assinado no dia 1º de março. Mesmo com a declaração, a ponte continua com tráfego aberto aos veículos.

No documento, o superintendente regional substituto do Dnit no Rio Grande do Norte, Danyel Flávio Lopes de Paiva ratificou uma declaração da situação de emergência feita pela coordenação de engenharia do órgão.

Os técnicos constataram comprometimento estrutural de pilares e vigas da estrutura. Do lado direito da ponte, foram notificados problemas em pelo menos 11 pilares, além de trechos de 1 metro das vigas entre os pilares P3 e P4, entre os pilares P4 e P5 e entre o pilar P16 e o encontro E2.

Do lado esquerdo da ponte, chamaram atenção dos técnicos trechos de 2 metros das vigas longitudinais de extremidade do tabuleiro ferroviário, “nos pontos próximos aos apoios entre os pilares P9 e P10, entre os pilares P10 e P11, entre os pilares P11 e P12, entre os pilares P12 e P13 e entre os pilares P13 e P14”.

G1 procurou o Dnit nesta sexta-feira (8). Segundo a assessoria do órgão, a situação de emergência será explicada em uma nota que será divulgada ao longo do dia.

Em fevereiro, o órgão informou que a situação da ponte estava sendo tratada com a mais alta prioridade e as intervenções de recuperação e reforço da estrutura ocorreriam com a maior brevidade possível.

Ainda de acordo com a nota da, o Dnit estava realizando uma adequação do projeto e orçamento necessários para realização de uma licitação que seria lançada neste mês. Ainda de acordo com a nota emitida naquela ocasião, a ponte havia passado por inspeção e concluiu-se que a estrutura não corria risco de ruir.

Em maio do ano passado, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) constatou problemas estruturais na ponte. O Crea realizou uma vistoria e identificou a corrosão das vigas de sustentação da estrutura, e uma ferrugem acentuada, mas considerou que não era possível dizer se a estrutura tinha risco de desabamento.

Com 606 metros de extensão e 12 metros e meio de largura, a Ponte de Igapó recebe, diariamente, cerca de 80 mil veículos, 37 linhas de ônibus e 13 viagens de VLT. A última manutenção na Ponte de Igapó foi realizada em 1990. De lá pra cá, os moradores não têm conhecimento de nenhum reparo feito na estrutura.

Fonte: https://g1.globo.com

Defesa dos direitos da mulher é bandeira da bancada feminina na Assembleia

O Dia Internacional da Mulher, celebrado neste 8 de março, marca a luta das mulheres por igualdade e melhores condições de vida e trabalho. Nesse contexto, a nova bancada feminina da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, representada pelas deputadas Cristiane Dantas (PPL), Isolda Dantas (PT) e Eudiane Macedo (PTC), renova o tema como bandeira de atuação parlamentar na Casa Legislativa.

Prova disso é a renovação, por mais quatro anos, da Frente Parlamentar da Mulher, presidida por Cristiane, e que passa a contar agora com as atuais parlamentares da bancada feminina. A Frente foi criada em agosto de 2017 com o objetivo de fortalecer a luta pelos direitos da mulher através da união de esforços do parlamento estadual, órgãos públicos, entidades e movimentos sociais para a execução de políticas públicas que tenham a mulher como beneficiada.

“Estamos em uma nova legislatura e a Frente Parlamentar da Mulher vai retomar as atividades com a presença das novas deputadas, que aceitaram prontamente o convite e estão dispostas a colaborar com as ações que iremos realizar”, destaca Cristiane Dantas.

Na Casa Legislativa, a deputada é autora da lei que institui as patrulhas policiais denominadas “Patrulha Maria da Penha”, buscando prevenir e combater a violência doméstica contra a mulher. É dela também a lei que formaliza o “Programa Maria da Penha vai às Escolas”, propondo o ensinamento de noções básicas sobre a Lei Maria da Penha no âmbito da rede pública de ensino. Outra proposta de sua autoria incluiu no Calendário Oficial do Estado o “Mês de Proteção à Mulher”, atribuindo a agosto o período para a promoção de campanhas e ações voltadas às temáticas femininas.

Igualmente comprometida com a causa, a deputada Isolda Dantas apresentou projetos de lei na Assembleia para subsidiar o enfrentamento da violência contra a mulher no Estado, ao mesmo tempo em que articula a realização de uma audiência pública, na próxima segunda-feira (11), às 14h, para debater os impactos da reforma da previdência na vida das mulheres.

Dentre as matérias propostas pela parlamentar, consta a criação de um mecanismo de sistematização e divulgação de todos os dados da violência doméstica e familiar contra a mulher no RN, buscando subsidiar a construção de políticas de enfrentamento. O projeto carrega o nome de “Marielle Franco”, por ter inspirado a propositura e pelo marco de um ano de seu assassinato.

Uma segunda proposta é a criação da Procuradoria Especial da Mulher como um órgão da Assembleia para atender demandas internas e externas de acompanhamento de denúncias, fiscalização de execução de programas que visem a promoção da igualdade de gênero, autonomia, empoderamento e enfrentamento à violência contra mulheres e jovens, campanhas educativas e articulação de políticas transversais de gênero.

A parlamentar afirma que sempre fez parte da luta das mulheres nos movimentos sociais. “Aqui no parlamento estadual não poderia ser diferente. A política é ferramenta de transformação da vida das pessoas. Ecoando as vozes das ruas e roçados, o nosso mandato feminista e popular seguirá fazendo a luta por igualdade”, explica Isolda.

A defesa da mulher também marca a trajetória política da deputada Eudiane Macedo, que enquanto vereadora de Natal, foi pioneira na criação da primeira frente legislativa no Estado em torno da temática. No Legislativo Estadual, a parlamentar defende a promoção de um trabalho na base da formação escolar dos jovens. “Enquanto Frente Parlamentar da Mulher, iremos às escolas, conversar com meninas e meninos, mostrar aos adolescentes como precisamos avançar e não reproduzir comportamentos machistas que ferem na alma e podem ferir no corpo também”, alerta ela.

Eudiane defende também maior visibilidade às mulheres idosas que, segundo ela, muitas vezes são esquecidas pela sociedade e se tornam vítimas de familiares que se apropriam de suas aposentadorias, a chamada violência patrimonial. Nesse contexto, a parlamentar promove nesta sexta-feira (8), em alusão ao Dia Internacional da Mulher, uma ação com idosas do Juvino Barreto. “Vamos levar uma tarde de carinho e de atenção para essas mulheres que tanto se dedicaram a suas famílias”, acrescenta a deputada.

Assessoria

Coronel Azevedo requer retomada do serviço de exames no Hospital Walfredo Gurgel

O deputado Coronel Azevedo (PSL) solicitou ao Governo do Estado a retomada dos serviços de realização de exames de rotina e demais procedimentos indispensáveis ao pleno funcionamento do Hospital Walfredo Gurgel.

De acordo com o deputado, os serviços estão suspensos a quase um mês. “A realização de exames laboratoriais no Hospital Walfredo Gurgel está suspensa desde o último dia 05. O Estado alega que a falta de suprimentos e o déficit de pessoal ocasionaram a interrupção do serviço, contudo, a paralisação prejudica, consideravelmente, os pacientes, principalmente, os internados na Unidade de Terapia Intensiva”, afirmou Azevedo.

Para solicitar a retomada dos procedimentos, o deputado argumentou que os exames fazem parte do acompanhamento médico/clínico dos pacientes e a ausência dos serviços impede a realização do tratamento necessário para a plena recuperação.

 

Assessoria

Com explosivos, quadrilhas atacam quatro bancos e agência dos Correios no interior do RN

Banco do Brasil foi uma das agências bancárias atacada em São José de Mipibu — Foto: Redes Sociais

Quadrilhas atacaram quatro bancos e uma agência dos Correios na madrugada desta sexta-feira (8) em duas cidades do Rio Grande do Norte. Em São José do Mipibu, na Grande Natal, os alvos foram om Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Já em Marcelino Vieira, na região Oeste, os criminosos atacaram o Bradesco e a agência dos Correios da cidade.

Segundo a Polícia Militar, o primeiro ataque aconteceu em Marcelino Vieira, por volta de 2 horas. Lá, a base da PM também foi alvo de disparos. Pouco tempo depois, ocorreram as explosões nas agências de em São José de Mipibu. Ainda não se sabe os valores levados nas duas cidades. Ninguém foi preso.

Ainda de acordo com a PM, pelo menos três carros foram usados pela quadrilha que agiu em São José de Mipibu. Os bandidos promoveram um intenso tiroteio pelas ruas da cidade, também atiraram contra a companhia da PM e ainda atearam fogo em dois carros e espalharam grampos na estrada durante a fuga para impedir a ação da polícia.

Fonte: https://g1.globo.com

 

Casos de violência doméstica aumentam no RN; ‘desmaiei de tanta dor’, diz mulher que teve o couro cabeludo arrancado à faca

Dona de casa ainda se recupera da agressão que sofreu. Ela teve quase que a metade de todo o couro cabeludo arrancado à faca — Foto: Ediana Miralha/Inter TV Cabugi

“Ele me tirou de casa à força, me puxou pelo braço e me levou para o mato. Eu não queria falar com ele. Levei um soco no olho e ele mandou eu abaixar a cabeça. Eu não queria, mas ele me pegou pelo braço e me forçou. Então, com uma faca, ele cortou meu couro cabeludo. Eu achava que iria morrer, chorava bastante. Implorei para ele não fazer aquilo comigo, mas ele não deu ouvidos. Desmaiei de tanto sangue, de tanta dor. Depois, não lembro mais de nada”.

As palavras acima foram difíceis de falar. Houve pausa, silêncio, lágrimas. Houve indignação, revolta e medo… muito medo. O nome ela prefere não revelar, mas a dor vem com detalhes. São de uma jovem dona de casa de 24 anos. Os últimos 9 foram ao lado dele, do agressor, e boa parte vivida em meio à violência doméstica – uma violência que preocupa cada vez mais.

No Rio Grande do Norte, apesar de os casos de assassinatos de mulheres mostrarem uma redução de 37,5% nos últimos dois anos (veja mais números abaixo), os números de denúncias de ameaças e agressões físicas registrados pela Coordenadoria de Defesa das Mulheres e das Minorias (Codimm) – órgão vinculado à Secretaria de Segurança e Defesa Social (Sesed) aumentaram 5,4% neste mesmo período.

O escalpelamento

O escalpelamento aconteceu no dia 25 de janeiro, na zona rural de Ceará-Mirim, cidade da Grande Natal. Segundo a jovem, inconformado com o fim da relação, o companheiro da vítima invadiu a casa onde ela estava, junto com familiares, e a arrastou pelo braço para dentro de um matagal. Lá, com uma faca, o homem arrancou o couro cabeludo da mulher. De tanta dor, ela diz ter desmaiado, e só lembra de já ter acordado no hospital. O agressor foi preso poucos dias depois, e deve ser indiciado por tentativa de feminicídio.

A dona de casa ainda se recupera. Sem metade do couro cabeludo, ela precisou passar por cirurgia. Pele de uma das coxas foi retirada pra fazer enxerto. Foram 24 dias internada, dois deles na UTI. E ela sabe que o cabelo arrancado não vai mais crescer.

“Depois que eu disse para ele que não dava mais certo a gente ficar juntos, eu já comecei a me esconder na casa de parentes. O medo de morrer era grande. Até que ele me achou. Eu gostava bastante do meu cabelo, mas ainda não parei para pensar como vai ser sem ele. Dói bastante. Não consigo nem falar”, disse ela.

Mas, ainda segundo a própria jovem, a falta do cabelo é o de menos. A preocupação dela é com o futuro, em se manter viva, e com a família. “O mais importante é que eu tô viva e tenho meus filhos ao meu lado. Só os meus filhos me dão força de vencer e de ser uma outra mulher. Tenho vontade de ir para longe e de começar outra vida, mas não tenho condições”, acrescentou.

Ainda sobre o ex-companheiro, a jovem contou à polícia que ele chegava em casa quase sempre agressivo e que batia nela. “Ele bebia e usava drogas. Muitas vezes me batia na frente das crianças. Eu não gostava mais dele. Dei queixa dele, mas ele não foi preso. Agora, vivo com medo de soltarem ele e ele me procurar e me matar. Ele disse que onde eu estiver vai me achar e me matar aos poucos. Não me sinto segura com a medida protetiva. Isso não vai manter ele longe de mim. Ele não respeita nada”, disse.

Fonte: https://g1.globo.com