Archive for maio 24th, 2019

Potiguar vira modelo plus size em Israel e luta contra preconceitos e padrões de beleza

Hannah Hebron é modelo em Tel Aviv — Foto: Clara Hebron 

A potiguar Hannah Hebron, de 27 anos, tem vivido algumas transformações desde 2018. No último mês de janeiro, ela, que é judia, deixou o Brasil para fixar residência na cidade Tel Aviv, em Israel, país onde já havia morado em anos anteriores. Jornalista por formação e apaixonada por moda, direcionou seu futuro a outros mercados após vivenciar o universo das passarelas em experiências profissionais no Rio de Janeiro e entendê-lo muitas vezes como excludente e elitizado. Eis que, nessa fase de transição, ela recebeu um convite especial: posar para uma campanha plus size de uma marca israelense chamada Retema. E aceitou – o que representou o início de uma nova carreira.

O convite aconteceu em agosto do ano passado, quando Hannah, que foi apresentada à empresa pela modelo israelense Ray Saveg, se preparava para escrever algo sobre a marca e a representatividade dela nas campanhas, na confecção e produção de roupas. “Ao mesmo tempo que eu estava repensando toda minha relação com a moda, com o consumo, e problematizando isso, pela primeira vez eu vi uma marca que estava criando roupa que está na tendência, que as mulheres querem, que está na tevê, nos filmes e nas passarelas dando um interpretação própria pra isso, trazendo isso pras ‘araras’ em um número que essas mulheres possam consumir”, contou Hannah.

A potiguar entendeu o tamanho da posição que passou a ocupar contra os estereótipos e contra o preconceito após a campanha ser publicada. “A resposta que eu tive de meninas que eu nem conhecia me agradecendo por enxergarem em mim algo que elas queriam ser, numa coisa de libertação, de se libertar de uma pressão estética, social, do ser igual e ser magra e ser perfeita. Eu fiquei muito feliz e decidi que ia abraçar isso e seguir com essa coisa e essa carreira maluca”, contou.

Em março deste ano, Hannah Hebron se viu dando um passo, literalmente, ainda mais ousado ao desfilar na Tel Aviv Fashion Week de biquíni. Apresentar a moda que defende em cima de uma passarela, expondo o próprio corpo, foi uma experiência nova, mas que representou muito.

Hannah Hebron nos bastidores do desfile na Tel Aviv Fashion Week — Foto: Rotem Leb 

A reaproximação com o mercado da moda aconteceu após ela perceber a luta de pessoas e empresas para que esse universo seja mais inclusivo. “Enquanto eu estava na página dois problematizando o consumo desenfreado, tem mulher que nunca pode comprar porque nunca existiu pra ela uma roupa desejável, uma roupa com uma comunicação legal. Então eu decidi que eu ia começar a me interessar, mergulhar mais nesse mundo, me aceitar como eu sou”, falou Hannah.

Relação com o próprio corpo

A aceitação do próprio corpo não foi e nem é – porque segue como algo contínuo – um processo fácil, explica Hannah Hebron. “Levou muita terapia, não foi só um estalo, levou processo de autoconhecimento”, contou.

A potiguar conta que sempre carregou consigo uma imagem padrão que deveria ter. “Eu imaginava que pra ter uma vida boa eu tinha que ser magra. Eu tinha uma imagem na minha cabeça do que era esse corpo e eu não levava em consideração a minha própria morfologia. Eu sou baixinha, nunca vou ser alta e super esguia. Então eu apenas pegava aquela imagem e botava aquilo como um objetivo inalcançável, que me machucava muito mais”, explicou.

Hanna Hebron explicou que, com o tempo, passou a respeitar mais o próprio corpo e “que tipo de magreza poderia ter”. “Esse foi o meu primeiro passo, que ainda assim era muito problemático”, falou.

Fazendo dietas em busca do “corpo perfeito”, ela sofreu com distúrbio alimentar, distúrbio de imagem e passou a perceber vários problemas em todo esse processo. “Pouco a pouco eu fui entendendo. E aí tudo foi muito de ficar maluca com essas coisas. De sentir uma culpa, porque, sei lá, eu não fui malhar um dia, que isso tomava tanto tempo do meu dia, do meu emocional e da minha saúde mental que eu fiquei meio chocada”.

Esse momento representou uma transformação. “Pouco a pouco eu fui vendo quão ridícula era essa obsessão. Fui dando unfollow em rede social em musa fitness, fui me desligando de revista. Pouco a pouco eu fui tentando me desvencilhar disso”, lembrou.

Em meio à essa mudança, Hannah conta que sofreu um “efeito rebote” quando parou cultivar essa cultura da busca pelo corpo perfeito. Assim, passou por um momento completamente invertido em que comia de tudo. “Da mesma forma que essa pessoa obcecada em emagrecer não sou eu, essa pessoa que come tudo que vê pela frente compulsivamente também não sou eu. Eu sou essa pessoa aqui”, disse.

Hannah Hebron em sua primeira campanha profissional em Israel — Foto: Sherban Lupu

Fincar bandeira nas passarelas

Mesmo sem ter a intenção de trabalhar novamente com moda quando foi para Israel, a potiguar manteve os estudos no tema, por se tratar de um interesse que tem desde que era criança, por influência da família. Apesar de já conhecer o universo plus size, foi neste momento em que passou a ter mais referências no tema.

“Eu comecei a ler muito sobre feminismo interseccional e de ouvir meninas, ver muitos vídeos, conversar com muitas pessoas, meninas que passaram por situações muito bizarras por serem gordas, por serem diferentes do que o padrão que a gente vê nas revistas”, relatou. “Meninas que estavam dando o cara a tapa, indo trabalhar com moda, com imagem e enfim fincando uma bandeira num território que antes não era nosso, não era delas, não era de pessoas fora desse padrão magro e branco”, completou.

Diante do padrão imposto historicamente no mundo das passarelas e da conquista de um novo cenário pelas modelos plus size, Hannah Hebron avalia que é importante não criar um novo padrão. “Se a gente entra na lógica da indústria, a gente vai ser mais um padrão de corpo, que é um corpo para os padrões gordos aceitável pela sociedade. Então a gente tem que ter muito cuidado com isso”, pontua. “O mundo plus size ele não pode ser um novo mundo problemático. Ele tem que ser um mundo que a ajude a gente a quebrar padrões e não pra criar novos”, exaltou.

Fonte: https://g1.globo.com

Bolsonaro chega ao Nordeste nesta sexta-feira

O presidente Jair Bolsonaro fará nesta sexta-feira (23) sua primeira viagem desde a posse, no último 1º de janeiro, a um estado do Nordeste. A estreia do presidente na região será em Pernambuco, com agendas nas cidades de Recife e Petrolina.

Na quarta-feira (21) passada, Bolsonaro recebeu deputados e senadores da bancada nordestina em um café da manhã no Palácio do Planalto. O encontro serviu de prévia para a viagem. Na ocasião, o presidente afirmou aos parlamentares que gostaria de ouvi-los, já que eles conhecem os problemas da população na região.

Participação de Rui

No início da semana, o governador da Bahia, Rui Costa, confirmou presença no encontro.

“Estarei presente. Ele [presidente] vai participar de um Fórum na sexta e eu vou estar lá. Acho importante que o presidente venha para o Nordeste ouvir o pleito dos governadores”, disse o petista.

Agenda

Oficialmente, a viagem de Bolsonaro marcará o lançamento do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), elaborado pela primeira vez, no âmbito da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).

O presidente vai se reunir, no Instituto Ricardo Brennand, complexo cultural da capital pernambucana, com 11 governadores. Além de Rui, todos da região confirmaram presença – Alagoas,Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

 

Fonte: https://noticiasdopassaro.com.br

Produtor do RN vai disputar competição mundial de queijos na França

Lucenildo Firmino é dono de queijeira em Tenente Laurentino Cruz — Foto: João Vital/Governo do RN

O potiguar Lucenildo Firmino, de 40 anos, vai deixar por alguns dias a pequena cidade de Tenente Laurentino Cruz, que tem cerca de 6 mil habitantes na Região Seridó do Rio Grande do Norte, para ganhar o mundo. O produtor teve o seu queijo selecionado para disputar a 4ª edição do “Mondial Du Fromage – Et Des Produits Laitiers”, competição mundial que reúne representantes de 38 países e acontece na cidade de Tours, na França, entre os dias 2 a 4 de junho.

Essa será a primeira vez que um queijo artesanal produzido no Rio Grande do Norte será exposto e avaliado na competição. “É muito emocionante. Isso é fruto de um trabalho plantado lá atrás que está sendo colhido agora. Estou levando o nome do Seridó, de toda a cadeia produtiva de queijo da região. Só de participar, já estou muito feliz”, conta Lucenildo.

O trabalho plantado “lá atrás” citado por Lucenildo Firmino, que é conhecido como “Galego da Queijeira” na sua cidade, começou em 2011, quando ele deixou a cidade de Jucurutu, de onde é natural, para trabalhar na queijeira Serra de Santana, que pertencia ao irmão, em Tenente Laurentino Cruz. Ele já tinha experiência na área por ter trabalhado em função semelhante no final da década de 1990.

Em 2016, o irmão abriu mão do negócio, que foi adquirido por “Galego”. Ele investiu em cursos, em equipamentos, melhorou a produção e passou a ganhar prêmios já no ano seguinte. “Expomos na Festa do Boi e depois passamos a frequentar concursos nacionais”, conta ele.

Ao todo, Lucenildo Firmino e sua queijeira acumulam nove premiações nacionais e regionais. As principais foram a medalha de ouro com o queijo de coalho numa mostra nacional promovida pelo Sebrae em 2017, uma prata com o queijo de manteiga e um bronze com o queijo de coalho no Encontro Nordestino de Laticínios (2018), além de uma medalha de prata para o queijo de manteiga num concurso nacional em São Paulo.

Essa será a primeira vez que o produtor deixa o Brasil para uma viagem internacional. Atualmente, ele produz queijos de manteiga, do sertão (o queijo de garrafa) e de coalho, que é o que competirá na França.

O queijo que sairá da zona rural de Tenente Laurentino Cruz pelas mãos de Lucenildo Firmino para ser degustado na França é fruto do trabalho dele, da mulher e de outros dois funcionários. A queijeira Serra de Santana produz em média 160 quilos de queijo por dia.

Fonte: https://g1.globo.com

Veja como deputados do RN votaram sobre comando do Coaf

Bancada do RN (Fotomontagem BSV)

Na votação nessa quarta-feira (22) na Cãmara Federal, que tirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) do Ministério da Justiça, comandado pelo ministro Sérgio Moro, e o levou para o Ministério da Economia de Paulo Guedes, os oito deputados federais do RN se posicionaram da seguinte forma:

Beto Rosado (PP) e Natália Bonavides (PT) votaram para tirar o Coaf de Moro.

Já Generão Girão (PSL), Benes Leocádio (PRB) e Walter Alves (MDB) votaram para que o Coaf ficasse nas mãos do ex-juiz.

Fábio Faria (PSD), João Maia (PR) e Rafael Motta (PSB) não votaram.

No total, Moro perdeu o Coaf por 228 votos a 210, na votação ocorrida ontem (22), no plenário da Câmara dos Deputados. A votação representou uma derrota para Moro e para o Palácio do Planalto.

O texto segue agora para o Senado, antes de ser enviado para sanção do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

 

Fonte: http://blogcarlossantos.com.br

Assembleia presta homenageou a agentes penitenciários do RN

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte homenageou, na tarde desta quinta-feira (23), os profissionais que atuam no Sistema Prisional potiguar. Por proposição do deputado Kelps Lima (SDD), o Legislativo realizou uma Sessão Solene em alusão ao Dia do Agente Penitenciário, que é comemorado anualmente no dia 22 de maio. Para o parlamentar, é fundamental que a sociedade valorize a função e saiba da importância que os profissionais têm na segurança pública.

Contando com a participação de representantes do Poder Público e órgãos de segurança, a solenidade também reuniu centenas de profissionais e familiares, homenageando especificamente 35 profissionais pelos relevantes serviços prestados ao Rio Grande do Norte, com a entrega de placas e certificados. Para Kelps Lima, é necessário que a população tenha a real dimensão sobre a importância da atividade.

“É fundamental que a sociedade compreenda o papel do agente. Onde ele está no ciclo da segurança, no ciclo da violência. Não adianta lembrar só quando tem rebelião no presídio, ou fuga, ou ônibus queimados, ou presos assassinados. É importante que se valorize sempre e saibamos do quão fundamental eles são para o estado”, explicou Kelps Lima, que agradeceu pela oportunidade de homenagear os profissionais e agradecer pelo trabalho desenvolvido.

Presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do RN (Sindasp), Vilma Batista, comemorou o reconhecimento por parte da Assembleia, que propôs, através da ex-deputada Márcia Maia, a criação de uma data para homenagear a categoria. No entendimento da sindicalista, a data é simbólica, mas é um justo reconhecimento aos profissionais que há 17 anos atuam no Rio Grande do Norte para garantir a ordem no sistema prisional.

“Ser agente penitenciário não é pra qualquer um. Estamos aqui comemorando, primeiramente, a vida. Estarmos vivos é sempre uma vitória. Temos uma profissão estressante e arriscada, com colegas que faleceram pela violência e também pelo desgaste causado pelo trabalho. Estamos lutando sempre contra assédio e perseguições e assim mantemos o sistema está de pé. Hoje, todos se orgulham para colocar em propaganda política a situação do sistema, mas só está assim por cada suor e abdicação dos agentes e de suas famílias, que dão o suporte. O sistema é bruto e desgasta. Nós nos tornamos brutos pela vida porque é exigido, mas é uma brutalidade que nos trás a felicidade de proporcionar segurança aos outros”, disse Vilma Batista.

No entendimento da presidente do sindicato e de Kelps Lima, é necessário que o Poder Público mantenha o foco em melhorar as condições do sistema prisional, valorizando os profissionais e garantindo que o caos que ocorreu em anos anteriores não se repita.

“Sistema teve melhora, mas não podemos passar a impressão de que está tudo resolvido. Não podemos cair no comodismo para deixar de dar prioridade. Não vamos esperar a próxima crise para convocar os novos agentes. Que sejam convocados logo, que as vagas sejam preenchidas logo. Isso pode evitar uma crise externa que, inclusive, fere a economia do Rio Grande do Norte”, disse Kelps Lima. “O crime organizado não tem vez e nem voz no nosso sistema prisional. Quem manda é o estado, mas garantindo os direitos e cumprindo a lei de execução penal. Hoje dizemos ao Governo e ao Brasil que nós somos os profissionais do sistema penitenciário. Somos nós que conhecemos o sistema. Seguimos a passos largos para que possamos ser referência no Brasil e no mundo através da Polícia Penitenciária”, disse Vilma Batista.

Assessoria

Servidor da Justiça e advogado são presos no RN suspeitos de tentar sacar dinheiro com assinatura falsa de juiz

Uma operação do Ministério Público prendeu um advogado e um servidor do Poder Judiciário potiguar nesta quinta-feira (23) na cidade de Goianinha, na Grande Natal. O advogado foi preso em flagrante no momento em que tentava sacar R$ 107.485,00 de uma conta judicial em uma agência bancária da cidade. Detalhe: a assinatura do juiz havia sido falsificada.

Após a prisão, o MP apurou que o golpe estava sendo cometido em conluio com o servidor do Poder Judiciário. Os dois estão presos preventivamente.

O servidor preso é concursado da Prefeitura de Tibau do Sul, e estava cedido ao Poder Judicário, prestando serviço no fórum da cidade. Pelo que foi apurado, o advogado, de posse de um alvará judicial, tentou sacar os mais de R$ 100 mil da conta bancária. O golpe não foi aplicado porque o gerente do banco suspeitou da assinatura do juiz, que constava no documento.

O bancário telefonou para o fórum da cidade. Quem atendeu o telefonema foi o servidor, que ainda confirmou que o documento era verdadeiro. Mesmo assim, o gerente continuou suspeitando da assinatura e foi pessoalmente ao Fórum, confirmando com o juiz local que a assinatura que constava no documento era falsa. A Polícia Civil foi acionada e prendeu o advogado em flagrante.

O MP foi acionado e conseguiu comprovar que o golpe foi planejado e executado pelos envolvidos. O servidor chegou a fugir. Diante das provas levantadas, o MP, com apoio policial, cumpriu mandados de busca e apreensão nas casas dos dois, no escritório de advocacia e no Fórum de Goianinha. O MP prendeu o servidor em atendimento ao mandado de prisão preventiva expedido contra ele.

A investigação agora apura se outros golpes semelhantes foram aplicados anteriormente, e se há envolvimento de outros agentes públicos.

O MPRN conta com o Disque Denúncia 127 para recebimento de informações sobre cometimento de crimes. Basta o cidadão ligar gratuitamente. A identidade da fonte será preservada. Além do telefone, as denúncias também podem ser encaminhadas por Whatsapp para o número (84) 98863-4585 ou e-mail para denuncia@mprn.mp.br. Os cidadãos podem encaminhar informações em geral que possam levar à prisão de criminosos, denunciar atos de corrupção e crimes de qualquer natureza. No Whatsapp, são aceitos textos, fotos, áudios e vídeos que possam comprovar as informações oferecidas.

Fonte: https://g1.globo.com