Archive for janeiro 17th, 2022

PANDEMIA: Uns morrem, outros ficam trilionários; Fortuna dos 10 homens mais ricos do mundo mais que dobrou durante pandemia

Foto: Joe Raedle / AFP

Desde que a pandemia eclodiu em março de 2020, um novo bilionário surgiu quase todos os dias. As fortunas dos 10 homens mais ricos do mundo – incluindo Elon Musk, Jeff Bezos e Bill Gates – mais que dobraram para US$ 1,5 trilhão, tornando-os seis vezes mais ricos do que os 3,1 bilhões de pessoas mais pobres do mundo, disse a Oxfam em relatório para embasar discussões online de líderes políticos e empresariais do Fórum Econômico Mundial.

Enquanto isso, mais 160 milhões de pessoas foram empurradas para a pobreza durante a pandemia, disse a instituição, citando números da lista dos bilionários da Forbes de 2021, do Global Wealth Databook do Credit Suisse e do Banco Mundial.

“A pandemia tem sido uma bonança bilionária”, disse a diretora executiva da Oxfam Internacional, Gabriela Bucher, em entrevista. “Quando os governos fizeram os pacotes de resgate e injetaram trilhões na economia e nos mercados financeiros para apoiar a economia para todos, o que aconteceu é que muito disso foi para os bolsos dos bilionários”.

O desenvolvimento de vacinas tem sido uma das histórias de sucesso da pandemia, mas Bucher disse que foram “acumuladas pelos países ricos” que buscam proteger os monopólios farmacêuticos.

Um imposto único de 99% sobre os 10 homens mais ricos da pandemia poderia render mais de US$ 800 bilhões e ser usado para financiar esse esforço e outros gastos sociais progressivos, disse o grupo.

O dinheiro “poderia pagar vacinas para todo o mundo, ter sistemas de saúde para todos”, disse Bucher. “Também seríamos capazes de compensar os danos das mudanças climáticas e ter políticas que abordem a violência de gênero”, deixando os 10 bilionários US$ 8 bilhões mais ricos do que eram no início da pandemia, acrescentou.

A Oxfam pediu que os países ricos abram mão das regras de propriedade intelectual sobre as vacinas contra a covid-19, em um esforço para expandir sua produção.

Mas a organização observou que os Estados Unidos e a China, as duas maiores economias do mundo, estão começando a considerar políticas destinadas a combater a desigualdade, como aumentar as taxas de impostos sobre os ricos e tomar medidas contra os monopólios corporativos. “A questão é que a desigualdade extrema não é inevitável e é por isso que nos traz esperança”, disse Bucher.

Estadão Conteúdo / BG

Lei prevê multa de até R$ 50 mil entre punições para donos de postos que fraudarem bombas de combustíveis no RN

Foto: Divulgação / Ipem

O governo do Rio Grande do Norte sancionou uma lei que pune proprietários de postos de combustíveis que fraudarem bombas de combustível com perda de inscrição estadual e multa de até R$ 50 mil. A norma foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) do último sábado (15) e já está em vigor.

O Projeto de Lei apresentado pelo deputado estadual Hermano Morais (MDB) foi aprovado em dezembro pela Assembleia Legislativa e virou a Lei 11.057/2022, sancionada pela governadora Fátima Bezerra (PT).

De acordo com o texto, os infratores podem sofrer aplicação de penalidades, como multa e suspensão temporária de funcionamento do estabelecimento. Além disso, podem ter a inscrição no cadastro de contribuinte do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços – cassada por fraude metrológica na revenda varejista de combustíveis.

O valor da multa pode variar de R$ 5 mil e R$ 50 mil e será estipulada de acordo com a gravidade da infração, a vantagem conseguida, a condição econômica do infrator e seus antecedentes. Os infratores podem sofrer ainda sanções de natureza civil ou penal.

A lei determina que a cassação se estenderá aos sócios do estabelecimento penalizado, pessoas físicas ou jurídicas, punidas com o impedimento de exercerem o mesmo ramo de atividade, mesmo que em estabelecimento distinto daquele, pelo prazo de cinco anos.

As infrações deverão ser apuradas pela Secretaria de Estado da Tributação e comprovadas por meio de laudo elaborado pelo Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem/RN).

g1 RN/BG

Cerca de 22% dos médicos que trabalharam no início da pandemia apresentaram sintomas de depressão

Entre os motivos que adoecem os médicos, estão a preocupação de infectar familiares e mudanças regulares no processo de trabalho / Banco de imagens/Freepik

Uma pesquisa analisou a saúde mental de profissionais da saúde de 11 países da América Latina. O relatório aponta que entre 14% e  22% dos entrevistados em 2020, primeiro ano da pandemia do coronavírus, apresentaram sintomas consistentes de depressão e que 15% admitiram ter pensado em suicídio. Segundo o departamento de Doenças Não Transmissíveis e Saúde Mental da Organização Pan-Americana de Saúde, com o aumento da carga de trabalho e o colapso do sistema de saúde, os trabalhadores não suportaram e tiveram um grande impacto na saúde mental. Foram entrevistados 14.502 profissionais. À frente desses estudos estavam acadêmicos e pesquisadores de diversas instituições dos 11 países. Eles conseguiram identificar os principais motivos que adoecem esses profissionais. E entre esses fatores estão: preocupação com infecção dos próprios parentes, os conflitos com familiares dos pacientes que estão sob os seus cuidados e as mudanças regulares no processo de trabalho.

Outras condições foram mencionadas: condução das instituições de saúde e dos governos no combate à Covid-19, o apoio dos colegas e questões espirituais e religiosas. Quando os médicos ficavam frustrados com a situação, a saúde mental deles sofria e, então, surgia o estresse, a ansiedade e a depressão. Essas observações também são feitas por psiquiatras brasileiros, como explica o médico Primo Paganini. “Os profissionais da mais da área da saúde apresentam um aumento de depressão, ansiedade, medo, frustração, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno obsessivo compulsivo, irritabilidade, insônia e abuso de substâncias, principalmente álcool e tabagismo”, aponta Paganini.

O especialista também faz um alerta sobre a rejeição por tratamentos, o que ele chama de psicofobia, o medo por buscar ajuda profissional. Paganini reforça a importância de o paciente receber o tratamento adequado. “No caso de um profissional da área de saúde que perceba que não está bem, ele deve perder a ‘psicofobia’, que é o medo de buscar ajuda com um psicólogo e com um psiquiatra. Então este profissional da área de saúde deve realizar a psicoterapia com o psicólogo, com o psicanalista e, em casos bem indicados, deve procurar o psiquiatra para utilização de medicamentos psicotrópicos, os chamados psicofármacos”. explica Paganini. O estudo feito pela OPAS ressalta que a pandemia ainda não acabou e que por isso é urgente desenvolver políticas e ações específicas que possam proteger a saúde mental dos profissionais da saúde: modificar um ambiente de trabalho, salários descentes, condições contratuais e espaços onde a equipe possa desabafar e se engajar com práticas de autocuidado.

*Com informações da repórter Yasmim Costa / Jovem Pan

Jovem Pan News é vencedora do prêmio ‘Veículos de Comunicação’

Jovem Pan News foi a vencedora na Categoria Rádio Nacional do 35º Prêmio Veículos de Comunicação / Reprodução/Youtube/Jovem Pan

O jornalismo de credibilidade do Grupo Jovem Pan foi reconhecido mais uma vez com a conquista do prêmio “Veículos de Comunicação” na categoria “Rádio Nacional” realizado pela Revista Propaganda. Os profissionais de mídia e CEOs das principais agências de publicidade do país indicaram espontaneamente os veículos que mais se destacaram no ano em cada uma das categorias. Esta foi a 35ª edição da premiação e, em toda a sua história, a Jovem Pan conquistou mais da metade dos troféus. Este foi o 18º. Armando Ferrentini diz que a expansão desta nova fase com a TV Jovem Pan News é uma extensão do trabalho já bem sucedido do grupo, que alia a informação de qualidade com opinião, prestação de serviço e entretenimento.

“A Jovem Pan tem velocidade. Uma velocidade de fazer com que isso aconteça muito rapidamente e, com isso, ela não perde audiência, pelo contrário, ganha cada vez mais audiência. Acima de audiência, ganha mais simpatia”, apontou o presidente da Revista Propaganda. Um dos principais pontos levados em consideração pelos jurados na maior premiação do país nesta área foi a agilidade do veículo de comunicação, que se antecipou ao futuro. A rádio que virou TV e que se transforma a todo instante se adiantando às novas tendências. O grupo Jovem Pan tem como foco levar um conteúdo de qualidade em multiplataforma, sempre priorizando seus ouvintes, internautas e telespectadores em um trabalho incansável, 24 horas por dia, sete dias por semana.

“Já esperávamos por isso há muito tempo. Por quê? Porque o bom sempre procura fazer com quem o seu bom produto atinja outros canais que ele possui dentro do conglomerado. Então, melhorando um, forçosamente tem que melhorar outro, e assim por diante. O primeiro teste, que é o do primeiro produto, já passou pelo público. O público aplaudiu. Ora, se o público aplaudiu, é evidente que jogando isso para um segundo estágio, para um segundo produto, o público aplaudirá também”, explica Ferrentini. O entendimento publicitário é que não é nada fácil se manter no topo ao longo de décadas. A visão é que o protagonismo por tanto tempo do grupo Jovem Pan só é possível pelos constantes investimentos em equipamentos de última geração e estúdios de alta tecnologia que são colocados à disposição dos profissionais que levam ao ar a programação que vai para o público, seja no carro, no celular, na casa ou no trabalho. Porque, no final das contas, ninguém faz sucesso sozinho.

*Com informações do repórter Daniel Lian

Maduro pensa em erradicar a pobreza na Venezuela até 2025; matando?

Foto da internet

Neste sábado (15), Nicolás Maduro, prometeu erradicar até 2025 a extrema pobreza na Venezuela, situação que, de acordo com a Pesquisa sobre Condições de Vida (Encovi) da Universidade Católica Andrés Bello (UCAB), corresponde a 76,6% da população.

Maduro garantiu ao Parlamento que, em 2021, a extrema pobreza no país, “medida com esta metodologia das Nações Unidas”, era de 4,1% da população.

– Propusemos, para 2025, extrema pobreza zero. Vai ser difícil, mas tem que ser a meta – declarou.

Ele disse também que houve uma melhora “substancial” nos indicadores de pobreza “geral”, de 18,4% para 17,7% em 2021, “em meio à recuperação econômica milagrosa”.

Em setembro de 2021, a UCAB informou que, segundo a Encovi, 94,5% dos venezuelanos vivem abaixo da faixa de pobreza, caso seja medida pela renda.

A pesquisa também mostrou que 76,6% dos venezuelanos vivem abaixo da linha de extrema pobreza, o que representa 8,9 pontos percentuais a mais do que no relatório anterior, de 2019/2020.

Na apresentação do relatório, Luis Pedro España, pesquisador e professor da UCAB, explicou que o crescimento da pobreza atingiu “o que pode ser o teto” e disse duvidar que cresça ainda mais.

O estudo mostrou que em 2019/2020 a taxa de extrema pobreza era de 67,7%, enquanto em 2018 era de 76,5% da sociedade.

EFE