Arthur Lira sinaliza que não vai contrariar STF em caso de Daniel Silveira

Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, se manifestou sobre o caso em seu perfil no Twitter na manhã desta 5ª feira (18.fev.2021)/ Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), sinalizou nesta 5ª feira (18.fev.2021) que não deve contrariar o STF (Supremo Tribunal Federal) no caso da prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). Em uma publicação no Twitter, Lira afirmou que todos, na vida pública, são transitórios, ao contrário das instituições.

As instituições são permanentes. As instituições ficarão. Nesse sentido, não haverá nunca crise entre as instituições, sobretudo quando há a exata compreensão de que elas são maiores do que qualquer indivíduo“, afirmou. “Como na frase célebre de Churchill, a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais.”

Lira tem uma reunião nesta 5ª feira (18.fev) com os líderes da Câmara para discutir a prisão de Daniel Silveira. O deputado do PSL foi detido por ordem do STF depois de ter feito um vídeo com xingamentos e ameaças a magistrados da Corte.

Ainda não foi decidido se uma sessão do plenário será ou não convocada imediatamente para deliberar sobre o caso. Como noticiou o Poder360 nesta 4ª feira (17.fev), os deputados querem esperar a realização da audiência de custódia de Silveira para discutirem a prisão na Casa.

A audiência está marcada para esta 5ª feira (18.fev) na sede da Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro. O responsável pela análise da prisão em flagrante do deputado será o juiz instrutor Aírton Vieira.

Se for preciso votar sobre a liberdade do deputado, é possível que a Câmara convoque a sessão ainda nesta 5ª (18.fev), depois da audiência. Se decidirem pela liberdade, Silveira ainda pode ser alvo de um processo no Conselho de Ética da Casa. Se a liberdade for negada, o deputado permanece preso e o processo judicial contra ele segue de acordo com as decisões do STF.

O deputado tem ainda um outro processo no Conselho de Ética. A Mesa Diretora da Câmara entrou com uma  representação por quebra de decoro na 4ª (17.fev).

Poder 360