Cajueiro de Pirangi promove exposição de rosas do deserto, cactos e suculentas na Grande Natal

Cajueiro fica na praia de Pirangi do Norte, em Parnamirim — Foto: Idema-RN
Cajueiro fica na praia de Pirangi do Norte, em Parnamirim — Foto: Idema-RN

O Cajueiro de Pirangi promove durante este mês de setembro uma exposição de rosas do deserto, cactos e suculentas durante o Festival da Primavera. A exposição tem diversas espécies das plantas e acontece na área da recepção do cajueiro, logo após a entrada principal.

O expositor das rosas do deserto, cactos e suculentas é também um dos seguranças do espaço. Leonardo Carlos Silva, conhecido com Kel, começou cuidando das plantas como um hobby há oito anos, e recentemente passou a levar o então lazer mais a sério. Agora, ele expõe as plantas pela primeira vez.

“Essa é a primeira vez que exponho minhas plantas e estou realmente muito feliz em participar dessa atividade. Sempre cultivei pelo fato de achá-las bonitas, mas vi que posso inspirar outras pessoas a se dedicarem a algo que gostam, ao mesmo tempo em que também tenho um complemento na renda”, disse Leonardo.

Durante a exposição, Leonardo Silva também irá tirar dúvidas sobre o cultivo, adubação, floração, enxertos, polinização e alguns cuidados específicos de cada planta, que estarão à venda. Entre as espécies expostas de rosas do deserto, estão a Golden Faith, Branca Mesclada, Barbie Girl, Magic Elf, Índigo Glaze, Aurora, Double Blue Boy e Afrodite, Sindy.

Leonardo Silva é o expositor das flores no cajueiro — Foto: Assecom/Idema
Leonardo Silva é o expositor das flores no cajueiro — Foto: Assecom/Idema

Contar com um dos funcionários como expositor faz parte de uma das vertentes do projeto. “O local é destino de turistas, mas o foco também é fomentar o cajueiro através de sua gente, do trabalho da equipe, da comunidade e de quem quer valorizar o local”, explicou Marígia Madge, gestora do cajueiro.

Ela comentou ainda que visa realizar projetos culturais todo mês no local . “Estamos organizando um cronograma de atividades com literatura de cordel, economia solidária, gastronomia, artes plásticas, exposições, um espaço para apresentar a cultura potiguar como um todo”, disse.

Segundo Marígia, a proposta é que as exposições sejam quinzenais, dando oportunidade para diversas pessoas, entre os funcionários do cajueiro e artistas locais. “Nosso objetivo não pode e nem deve se limitar na recepção de turistas para conhecer a árvore, mas pensar em maneiras de desenvolvermos um lado bastante forte da existência do Cajueiro, que é pôr em prática o conceito socioambiental”, finaliza a gestora.

Para outubro, a organização do cajueiro planeja uma nova edição do festival, com exposição de orquídeas.

Fonte: https://g1.globo.com/

Leave a Comment