Category: Notícias

STF suspende lei que libera o uso da “pílula do câncer

A quem interessa a paralisação desse suplemento destinado aos pacientes com câncer? A justificativa são sobre o desconhecimentos dos efeitos colaterais. Mas se estamos com dor, debilitados, e quase a morte por causa do câncer, como nos importar com os efeitos colaterais. A Universidade que investiu e testou esse produto não tem a devida capacidade de comprovar sua eficácia? Apresentem a população uma comprovação científica de que esse suplemento, a fosfoetanolamina, tem prejudicado os que sofrem com o câncer. Mas justificar a suspensão com base  na ineficiência da ANVISA, não acho uma boa decisão.

Vejam notícia da Exame sobre a suspensão da pílula do câncer.

Pílula: a lei foi sancionada pela então presidente da República Dilma Rousseff, às vésperas de seu afastamento pelo Senado
Pílula: a lei foi sancionada pela então presidente da República Dilma Rousseff, às vésperas de seu afastamento pelo Senado

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quinta-feira, 19, por cinco votos a quatro, suspender provisoriamente a lei federal que liberou o porte, o uso, a distribuição e a fabricação da fosfoetanolamina sintética, conhecida como “pílula do câncer“.

O caso ainda não se encerrou e deverá voltar ao plenário quando os ministros decidirem sobre o mérito da questão, que questiona a constitucionalidade da norma.

A lei foi sancionada pela então presidente da República Dilma Rousseff, às vésperas de seu afastamento pelo Senado com a instauração do processo do impeachment.

A regra foi questionada ao STF pela Associação Médica Brasileira (AMB), por permitir que pacientes diagnosticados com câncer usem, por escolha livre, o medicamento que ainda não tem eficácia comprovada.

O relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello, balizou o julgamento ao votar para suspender integralmente a lei.

Ele considerou haver potencial dano em liberar a substância sem a realização de estudos científicos e registro do medicamento junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A tese foi acompanhada por Luis Roberto Barroso, Teori Zavascki, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

“O direito à saúde não será plenamente concretizado sem que o Estado cumpra a obrigação de assegurar a qualidade das drogas distribuídas aos indivíduos mediante rigoroso crivo científico, apto a afastar desenganos, charlatanismos e efeitos prejudiciais ao ser humano”, defendeu Marco Aurélio.

“Sequer há, pela lei, a necessidade de apresentação de prescrição médica”, apontou Barroso.

O Advogado da AMB, Carlos Magno Reis, defendeu, em plenário, que a entidade não luta contra as associações que defendem o direito dos pacientes com câncer, mas combate o uso de uma substância sem garantia de ser benéfica para o tratamento.

O magistrado alegou que o uso do medicamento sem respaldo pode aumentar o número de mortes pela doença.

“A reboque de aprovar uma lei, falamos muito dos efeitos positivos. E os efeitos colaterais negativos? Nós não podemos permitir que uma substância aplicada somente em experiências com animais seja usada em pacientes de forma desconhecida e torne chance de cura perdida”, sustentou.

Reis também alertou que a comunidade internacional condenou a aprovação da lei no Brasil.

Pacientes terminais

O ministro Edson Fachin divergiu de Marco Aurélio e dividiu a Corte ao votar pela liberação da substância apenas para pacientes em caso terminal.

Ele alegou que o Estado não pode interferir em uma decisão reservada ao âmbito privado do próprio paciente. A tese foi acompanhada por Rosa Weber, Dias Toffoli e Gilmar Mendes, mas acabou vencida. O ministro Celso de Mello não estava presente na sessão desta quinta-feira.

O ministro Barroso lembrou que uma resolução da Anvisa já autoriza o uso de substâncias não regulamentadas por pacientes terminais, e que a suspensão da norma não se aplica à previsão da Anvisa.

A agência autoriza pacientes a utilizarem medicamentos sem eficácia comprovada com base na gravidade e estágio da doença, ausência de alternativa terapêutica satisfatória no País, entre outros.

A fosfoetanolamina sintética foi desenvolvida pela Universidade de São Paulo (USP) e supostamente seria capaz de curar diferentes tipos de câncer.

Os primeiros testes oficiais não confirmaram essa condição, mas pacientes em estado avançado da doença que usaram as pílulas garantem que elas dão resultado.

No mês passado, o presidente da Corte, ministro Lewandowski, já havia suspendido a distribuição do medicamento pela USP e determinou que a instituição forneça as cápsulas de fosfoetanolamina sintética apenas até o fim dos estoques disponíveis.

Deputado pede renúncia; Cunha nega fazer dossiês contra parlamentares

20141020113322_Lp_-_Proposta_obriga_o_alerta_sobre_a_presença_de_lactose_em_rótulo_de_alimentos

G1 -O deputado Nelson Marchezan Jr. (PSDB-RS) defendeu a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) durante sessão desta quinta-feira (19) do Conselho de Ética que ouviu depoimento do presidente afastado da Câmara.

Cunha responde a um processo por quebra de decoro pela suspeita de ter mentido sobre a existência de contas bancárias. Nesta quinta, Cunha voltou a negar ter contas bancárias no exterior e apontou “nulidades” no processo que enfrenta no Conselho de Ética. O peemedebista também pediu a substituição do atual relator do caso, deputado Marcos Rogério (DEM-RO).

Afastado pelo Supremo sob a acusação de que estaria usando o cargo para atrapalhar investigações contra ele, Cunha compareceu à sessão do colegiado para apresentar a sua defesa.

Na sessão, Marchezan Jr. citou o poder que o peemedebista tem sobre outros parlamentares e disse que, mesmo afastado, se ele continuasse a exercer essa influência, o Supremo Tribunal Federal (STF) poderia pedir a sua prisão.

Ao pedir a renúncia de Cunha, o deputado tucano argumentou que o deputado faz “um mal” à Casa, ao governo e ao país.

“A permanecer na presidência, mesmo que suspenso, está fazendo um mal a esta Casa, está fazendo um mal ao governo, está fazendo um mal à nação brasileira”, disse Marchezan.

“Seria oportuno que vossa excelência renunciasse até porque, se continuar a exercer influências e com o seu poder sobre o seu grupo parlamentar nessa Casa, vai chegar o momento em que o STF vai entender pela sua prisão. Então, pelo bem de todos, renuncie à presidência da Câmara dos Deputados”, apelou Marchezan.

O tucano ainda indagou Cunha sobre informações publicadas na imprensa de que ele usaria dossiês contra parlamentares como forma de pressionar colegas.

Cunha não respondeu sobre o pedido de renúncia, mas negou ameaçar os demais deputados e afirmou que Marchezan havia se baseado em “fofocas” da imprensa.

“Eu não preciso vir ao Conselho de Ética se eu tiver alguma denúncia para formular contra quem quer que seja. Eu posso fazê-lo a qualquer momento, de qualquer forma. Eu não tenho nada… nem vossa excelência, ou qualquer parlamentar desse conselho, se sinta constrangido ou acuado sobre qualquer ameaça da minha parte. Eu vim aqui para responder no momento processual da minha oitiva na fase de instrução probatória”, respondeu Cunha.

E completou: “Então, não tem da minha boca nenhuma declaração de ameaçar quem quer que seja. Pode ficar tranquilo que, quando eu tiver alguma coisa contra qualquer um, no momento que eu quiser fazê-lo eu o farei sem precisar do palco do Conselho de Ética para isso”.

‘Derrotada’, diz mulher de engenheiro paranaense morto em Mossoró

Cleilton Cirino Coelho da Silva e Jordânia Santos moravam juntos há três anos (Foto: Arquivo Pessoal)
Cleilton Cirino Coelho da Silva e Jordânia Santos moravam juntos há três anos (Foto: Arquivo Pessoal)

G1 -“Estou me sentido derrotada. Ainda não acredito que ele morreu”. As palavras são da técnica em enfermagem Jordânia Santos, de 21 anos, companheira do engenheiro agrônomo paranaense Cleilton Cirino Coelho da Silva, de 24, vítima de uma bala perdida na noite desta quarta-feira (18) em um espetinho na cidade de Mossoró, na região Oeste potiguar.

Com exclusividade, e ainda bastante abalada, Jordânia conversou com o G1 na manhã desta quinta-feira (19). Ela contou que um irmão de Cleilton vem ao Rio Grande do Norte para buscar o corpo. “Nós vamos levá-lo para o Paraná, onde ele será velado e sepultado”, afirmou.

“Como pode isso? Jamais imaginei passar por uma dor desse tamanho. Quero forças. Preciso superar, isso vai me destruindo aos poucos. É muito difícil saber que a cada segundo que passa eu fico me sentindo mais distante dele. Queria acordar desse pesadelo. Só estou fisicamente aqui, mais meu pensamento está muito distante”, disse Jordânia.

Ainda de acordo com Jordânia, ela e Cleilton não eram casados, mas viviam juntos há 3 anos emBaraúna, cidade vizinha a Mossoró. “Tempo suficiente para descobrir o quanto era admirável. Um homem honesto, trabalhador, que vai nos fazer uma falta enorme”, relatou.

Jordânia, que tem uma menina de 4 anos de um outro relacionamento, disse que Cleilton tratava a criança como se fosse sua própria filha. “Ele a amava. E nós o amávamos também”, acrescentou.

O crime
Cleilton Cirino estava em um espetinho no bairro Aeroporto quando dois homens se aproximaram já atirando. Segundo a Polícia Militar, o alvo dos bandidos seria o churrasqueiro, que acabou atingido. Os tiros também acertaram um outro homem que estava no local. O engenheiro morreu na hora. Os outros dois baleados foram socorridos ao Hospital Regional Tarcísio Maia, onde permanecem internados.

Cleilton, que era natural de Alto Paraná, no Paraná, trabalhava em uma empresa agrícola na cidade de Baraúna. A mulher dele contou que eles pretendiam se mudar para Mossoró nesta quinta-feira.

Governo interino será rápido nas concessões, diz Jucá

Romero Jucá: para ele, a promessa de um Estado mínimo em momento de recessão aguda e crise fiscal ainda comporta a presença das empresas públicas e estatais
Romero Jucá: para ele, a promessa de um Estado mínimo em momento de recessão aguda e crise fiscal ainda comporta a presença das empresas públicas e estatais

Exame – Rio de Janeiro – O governo pretende iniciar o mais rápido possível o processo deconcessão de ativos à iniciativa privada, mas conta com as empresas públicas para tirar o Brasil do fundo do poço e para a retomada do crescimento, disse nesta terça-feira o ministro do Planejamento, Romero Jucá.

Para ele, a promessa de um Estado mínimo em momento de recessão aguda e crise fiscal ainda comporta a presença das empresas públicas e estatais, que, em parte, são corresponsáveis pelas contas negativas do governo.

Com o novo governo falando em concessões, privatizações e parcerias público-privadas, Jucá disse que há espaço para estatais e empresas públicas nesse novo modelo de gestão voltado para o mercado e de menor intervenção do Estado na economia.

“A ideia é que os ativos do governo federal possam ter efeito multiplicador na atividade econômica e possam alavancar investimentos sem tem que ser vendidos ou impactar gasto primário”, resumiu o ministro a jornalistas em um evento nessa terça-feira na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Na segunda-feira, o governo anunciou a troca no comando do banco de fomento do país, com Maria Sílvia Bastos para substituir o atual presidente, Luciano COutinho.

Maria Sílvia já comandou a CSN e foi diretora do BNDES, onde teve um papel importante no processo de privatização de empresas estatais na década de 1990. A própria venda de ativos do BNDES, que pertencem ao braço financeiro BNDESpar, está no foco do novo governo.

“Tem sido importante o papel das concessões e queremos que seja ainda mais e queremos ampliar as PPPs”, disse Jucá. “Vamos discutir ainda (venda da carteira BNDESpar), mas a idéia é que os ativos do governo federal possam ter efeito multiplicador na atividade econômica e possam alavancar investimentos sem ter que ser vendidos ou impactar gasto primário.”

DÉFICIT PÚBLICO

Jucá voltou a dizer que os cálculos do déficit público para este ano serão finalizados nesta semana e que a nova estimativa será maior que os 96 bilhões de reais projetados pelo governo Dilma Rousseff.

Segundo ele, há dois pontos importantes a serem analisados e estudados, que podem impactar as contas do governo: pagamento antecipado de títulos da Eletrobrás negociados na Bolsa de Nova Iorque e renegociação da dívida dos Estados com a União.

Na semana passada, os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT) e Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), se reuniram no Rio de Janeiro com o governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles (PP), e com o licenciado Luiz Fernando Pezão (PMDB) para tratar das dívidas dos Estados com a União.

Uma das propostas era a decretação da moratória dos juros da dívida com a União por pelo menos dois anos.

Jucá descartou a possibilidade de moratória, mas reconheceu que esse pode ser outro problema a ter que ser computado nas projeções de déficit deste ano.

“Vamos falar números consistentes em momento apropriado. Temos negociação com Estados que impacta receita, queda da receita, a questão da Eletrobrás; há variáveis de grande monta que precisam ser levadas em conta“, disse.

CREDIBILIDADE

No evento, Jucá destacou a necessidade de o Brasil recuperar a credibilidade para se renovar e proporcionar previsibilidade econômica.

“Para que cada agenda possa cumprir seu projeto

Ministro do Turismo recebe proposta de parceria da UFRN para projeto de Avião Regional

c4533574-e8d4-4d9f-8df1-02ac9ee6d998

A reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Ângela Cruz, propôs ao ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, apoio da equipe de inovação tecnológica da UFRN para o Programa de Avião Regional que promete alavancar a interiorização do turismo brasileiro com a inclusão de 240 pequenos aeroportos na malha aérea regional, entre eles Mossoró e Caicó. A Universidade de Brasília também participa do projeto da Secretaria de Aviação Civil.

O ministro elogiou o trabalhou das universidades no desenvolvimento do Rio Grande do Norte e regional. A UFRN, por exemplo, já é reconhecida internacionalmente pelo programa inovador de educação continuada à distância, junto ao Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto, que foi desenvolvido pela equipe que acompanhou a reitora, com recursos do Ministério da Saúde e apoio do ministro Henrique Alves, recentemente foi apresentado na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e será expandido para outros países pela Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), com sede em Washington (USA).

Ângela Cruz, que também é vice-presidente da Associação Nacional das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), ainda pediu o apoio do ministro para continuação do diálogo entre as universidades públicas e a equipe do novo governo, principalmente junto ao Ministério da Educação. Além dos programas da Educação e da Saúde, a UFRN também tem projetos em outras pastas como a do Esporte.

Mais violência no RN: Engenheiro agrônomo morre vítima de bala perdida

Cleilton Cirino Coelho da Silva (Foto: Arquivo Pessoal)
Cleilton Cirino Coelho da Silva
(Foto: Arquivo Pessoal)

Um engenheiro agrônomo de 24 anos foi morto a tiros na noite desta quarta-feira (18) em um espetinho na cidade de Mossoró, no Oeste potiguar. Segundo a Polícia Militar, o alvo dos bandidos seria o churrasqueiro do estabelecimento, que acabou baleado. Um outro homem também foi atingido pelos disparos.

O crime aconteceu no bairro Aeroporto. De acordo com a PM, Cleilton Cirino Coelho da Silva estava no local quando dois criminosos chegaram atirando. Ele morreu no local. O churrasqueiro e o outro homem foram socorridos para o hospital.

Cleiton trabalhava em uma empresa agrícola.

G1

José Dirceu é condenado a 23 anos de prisão na Lava Jato

José Dirceu (C): o ex-chefe da Casa Civil foi condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa
José Dirceu (C): o ex-chefe da Casa Civil foi condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Exame – São Paulo – O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu foi condenado nesta quarta-feira (18) a 23 anos e três meses de prisão em regime fechado no âmbito da Operação Lava Jato. O juiz federal Sergio Moro divulgou a sentença pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Dirceu está preso em Curitiba desde agosto de 2015, na 17ª fase da Lava Jato, chamada Pixuleco.

Sobre o crime de corrupção passaiva, Dirceu foi considerado culpado pelo recebimento sozinho de cerca de R$ 15 milhões em propinas, incluindo recursos provenientes de superfaturamento de contratos com os quais a Petrobras teve que arcar com prejuízo.

Somaram-se aí 10 anos de pena, pelo registro de cinco crimes de corrupção, continuidade delitiva e majoração de 1/2. Moro considera que o fato merece “reprovação especial” por se tratarem de desvios nos cofres públicos.

“O mais perturbador, porém, em relação a José Dirceu de Oliveira e Silva consiste no fato de que recebeu propina inclusive enquanto estava sendo julgado pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal a Ação Penal 470 [mensalão], havendo registro de recebimentos pelo menos até 13 de novembro de 2013”, diz o texto de Moro.

“Nem o julgamento condenatório pela mais Alta Corte do País representou fator inibidor da reiteração criminosa, embora em outro esquema ilícito.”

Pelo crime de lavagem de mais de R$ 10 milhões, Moro fixou pena de nove anos e dois meses de reclusão. Foi reconhecida mais uma vez a continuidade delitiva em pelo menos oito crimes, elevando a pena do ato mais grave em 2/3.

O juiz federal diz ainda que a lavagem envolveu, neste caso, “especial sofisticação”, já que contou com transações escusas e simulação de prestação de serviços com diversos contratos e notas fiscais falsas, tudo para pagamento de vantagens indevidas.

“Valores de propina ainda foram ocultados em reformas de imóveis realizadas no interesse do condenado, mas que sequer estavam em seu nome”, afirma Moro. “Consequências devem ser valoradas negativamente. (…) A lavagem de significativa quantidade de dinheiro merece reprovação a título de consequências.”

Para organização criminosa, o juiz federal considera que não houve estrutura hierarquizada nos episódios constatados, não se tratando, portanto, de “tipo mafioso”.

“Não reconheço José Dirceu de Oliveira e Silva como o comandante do grupo criminoso, pelo menos considerando-o em toda a sua integralidade (empresários, intermediários, agentes públicos e políticos)”, diz. Como não houve agravante, além da cooptação de Renato Duque e Pedro Barusco, o juiz utiliza a pena mais branda de quatro anos e um mês.

Outros nove acusados receberam penas na sentença: Fernando Antônio Guimarães Hourneaux de Moura (lobista), Gerson de Mello Almada (ex-vice-presidente da Engevix), João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT), José Adolfo Pascowitch (irmão do operador), Júlio Cesar dos Santos (ex-sócio da JD Consultoria, empresa de Dirceu), Luiz Eduardo de Oliveira e Silva (irmão de Dirceu), Milton Pascowitch (operador do esquema), Pedro Barusco (ex-gerente da Petrobras) e Renato Duque (ex-diretor da Petrobras).

Escola na Grande Natal tem disparo de arma dentro de sala de aula

G1 – Um disparo de arma de fogo foi efetuado na manhã desta quarta-feira (18) dentro de uma sala de aula na Escola Estadual Élia de Barros, em São Gonçalo do Amarante, cidade da Grande Natal. O tiro aconteceu durante uma briga envolvendo dois alunos. O disparo atingiu a parede da sala.

Segundo a Polícia Militar, o tiro aconteceu de forma acidental, após a arma cair no chão. Já a Polícia Civil, afirma que um dos alunos envolvidos na briga apontou a arma e atirou contra o desafeto.

Em contato com o G1, o capitão Ailton Trindade, que é o comandante da PM no município, disse que esteve na escola. “Houve a briga e a arma caiu no chão. Na queda, ela disparou. Um dos alunos, um rapaz de 22 anos, levou uma queda, bateu com a testa numa cadeira e levou um corte no supercílio. O ferimento foi tão pequeno que nem precisamos levar o aluno para o posto de saúde”, ressaltou.

Ainda de acordo com o comandante, o aluno que estava armado é um adolescente envolvido com o tráfico de drogas. “Ele já foi apreendido outras vezes. Sabemos onde ele mora e vamos atrás dele para pegarmos a arma”, revelou Trindade.

Erivaldo Matias, chefe de investigações da Delegacia de São Gonçalo do Amarante, tem uma versão que difere um pouco da história do capitão. O policial civil conta que a arma não disparou por acidente. “A arma não caiu no chão. Ela disparou porque o aluno atirou. A bala atingiu a parede e o rapaz fugiu em seguida”, afirmou.

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706

Ministro revoga recursos para categoria do Minha Casa, Minha Vida

bruno

G1 -O novo ministro das Cidades, Bruno Araújo – que tomou posse na sexta-feira (13) –, revogou nesta terça-feira (17) duas portarias que haviam sido publicadas na semana passada pelo governo Dilma Rousseff ampliando recursos para categorias beneficiadas pelo programa Minha Casa, Minha Vida.

Uma das portarias (nº 173) estabelecia a liberação de recursos para a categoria “entidades” é direcionada para o financiamento ao público de baixa renda ligado a cooperativas ou entidades sem fins lucrativos.

O ministério informou em nota que a decisão de revogar as portarias que habilitam a contratação de unidades habitacionais “representa 1,5% de todo programa” e é “uma medida de cautela, pois foram assinadas e publicadas nos últimos dias do governo anterior e sem os recursos necessários para o atendimento”.

Segundo o comunicado, a partir de agora “as equipes técnicas da Secretaria Nacional de Habitação do Ministério das Cidades vão analisar e discutir o modelo de habilitação na modalidade Entidades”. O ministério informou ainda que o programa está mantido e “será aperfeiçoado”.

A outra portaria (nº 178) dispunha sobre as condições para habilitação e requalificação de entidades privadas sem fins lucrativos, no âmbito Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) do Minha Casa, Minha Vida (PMCMV).

Estados querem suspender pagamento de dívidas com União

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706Globo “1 Hora” – Os governadores de Alagoas, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, o Secretário da Fazenda de São Paulo,  além do  governador em exercício do Rio de Janeiro, dividiram a mesma preocupação.

Francisco Dornelles, o governador em exercício do RJ, afirmou que o déficit do estado em 2016 vai ser de 19 bilhões de reais, principalmente por causa dos altos juros da dívida dos estados com o Governo Federal. Foi ele quem propôs a moratória: que os estados deixem de pagar os juros da dívida com a União por 12 meses: “Acho que não tem outro jeito. Os estados hoje estão impedidos de fazer qualquer  investimento na área social, de segurança, educação, saúde. Estão arrecadando pra pagar juros”.

Mais cedo, o Ministro do Planejamento Romero Jucá chegou a dizer que o Governo Federal conhecia as dificuldades dos estados mas não previa a possibilidade de moratória: “é muito importante dar condição de funcionamento aos estados. As políticas públicas estaduais impactam diretamente a sociedade brasileira, e portanto nós estamos tentando construir uma solução que amenize uma grave crise e que aponta uma saída a médio prazo”.

O ministro disse ainda que a moratória não é uma possibilidade e que o Ministério da Fazenda está preparando uma proposta de renegociação, que deve ser apresentada aos estados até o fim do mês de maio.

No mês passado, o STF suspendeu por 60 dias o julgamento de mandados de segurança que discutem os juros das dívidas dos estados com a União.  O Tribunal entendeu que é preciso fazer ajustes nos termos das dívidas

Temer ainda não escolheu líder do governo na Câmara, diz Geddel

Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil
images

O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, disse hoje (17) que o presidente interino Michel Temer ainda não escolheu o líder do governo na Câmara dos Deputados.

“O presidente [Temer] ainda não definiu essa questão. Nós estamos conversando. Essa é uma prerrogativa do presidente da República, mas vamos conversar com os líderes da base aliada para que saia uma solução que nos unifique, que não crie problemas. Esse tipo de questão só tem uma forma de resolver: dialogando com franqueza, e isso está sendo feito no decorrer da semana, para que nós tenhamos também essa questão resolvida o mais rápido possível”, afirmou Geddel, após a primeira reunião de Temer como presidente interino com líderes da base aliada na Câmara.

Mais cedo, o líder do PHS, Givaldo Carimbão (AL), confirmou o apoio de 300 deputados ao nome de André Moura (PSC-SE) para assumir a liderança do governo na Câmara dos Deputados.

O grupo representa o chamado Centrão e defendeu a indicação nesta primeira reunião de líderes da base com Temer. A reunião na Câmara foi feita no fim da manhã de hoje (17), envolvendo lideranças do PEN, PP, PR, PSL, PSD, PRB, PTN, PSC, PHS, PROS, PMDB e o Solidariedade

O apoio a André Moura não inclui parlamentares do PSDB, DEM e PPS, que defendem a indicação de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a função.

Diálogo com Congresso

Geddel informou que as medidas que serão elaboradas pela equipe econômica, antes de serem encaminhadas ao Congresso Nacional serão apresentadas aos partidos políticos para que eles possam analisar. “Eles serão copartícipes e corresponsáveis pela elaboração das medidas que os agentes de governo haverão de implementar”.

Segundo o ministro da Secretaria de Governo, Temer manifestou seu desejo de “governar de mãos dadas com o Congresso Nacional”. “Pediu também que os líderes agilizassem a votação das medidas provisórias que estão trancando a pauta, até porque, no decorrer desses dias, teremos que apreciar algo de extrema importância, que é a revisão da meta fiscal. Dos líderes, o presidente recebeu solidariedade, no sentido de que o Congresso haverá de mostrar ao país que está trabalhando”, disse Geddel.

Entre os líderes presentes na reunião, no Planalto, estavam Antônio Imbassahy (PSDB-BA), Pauderney Avelino (DEM-AM), Rubens Bueno (PPS-PR), Leonardo Quintão (PMDB- MG), Márcio Marinho (PRB-BA) e Givaldo Carimbão (PHS-AL). Também participaram da reunião Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Jovair Arantes (PTB-GO), Rogério Rosso (PSD-DF), Aelton Freitas (PR-MG), Paulo Foletto (PSB-ES), Genecias Noronha (SD-CE), Renata Abreu (PTN-SP), Evandro Gussi (PV-SP), Ronaldo Fonseca (Pros-DF), André Moura (PSC-SE) e Alfredo Kaefer (PSL-PR).

Segurança do STF acha escuta no gabinete do ministro Barroso

Ministro Luís Roberto Barroso: o equipamento estava desativado e foi encontrado há cerca de duas semanas durante uma varredura de rotina nos gabinetes dos togados
Ministro Luís Roberto Barroso: o equipamento estava desativado e foi encontrado há cerca de duas semanas durante uma varredura de rotina nos gabinetes dos togados

Exame – Brasília – A segurança do Supremo Tribunal Federal (STF) identificou uma escuta telefônica no gabinete do ministro Luís Roberto Barroso.

O equipamento estava desativado e foi encontrado há cerca de duas semanas durante uma varredura de rotina nos gabinetes dos togados.

O dispositivo estava instalado em uma caixa de tomada embutida no chão, logo abaixo da mesa do ministro. Ainda não foi possível identificar quando a escuta foi implantada e se ela chegou a ser ativada em algum momento. Um procedimento interno foi aberto para investigar o caso.

Recentemente, o ministro assumiu a relatoria da ação que definiu o rito de impeachment da presidente da República afastada Dilma Rousseff. Segundo interlocutores, o ministro ficou surpreso ao saber da escuta em seu gabinete, mas não esboçou maior preocupação.

Barroso ocupa o gabinete número 429, no quarto andar de um prédio dos anexos do STF, em Brasília, desde 2013, quando assumiu o cargo de ministro na Suprema Corte.

Antes, a sala era usada por Joaquim Barbosa, então presidente do Supremo, que anunciou aposentadoria antecipada pouco tempo depois do julgamento do mensalão.

WhatsApp testa chamadas por vídeo

Um novo recurso de chamada por vídeo parece estar sendo testado pelo WhatsApp, pois, de acordo com o site The Verge, alguns usuários da versão beta Android pelo mundo já estão conseguindo visualizar o botão no aplicativo. No ano passado as chamadas por voz foram introduzidas gradualmente, porém um seleto grupo de usuários teve acesso ao recurso semanas antes de ser disponibilizado ao público em geral. Segundo o FoneArena, o botão apareceu para alguns usuários ao tentar realizar uma chamada, mesmo assim para muitos ainda está inativo como mostra a imagem abaixo.

WhatsApp-video-calling

 

Cauby Peixoto: veja a repercussão da morte do cantor

G1 – Artistas e amigos lamentaram nas redes sociais a morte do cantor Cauby Peixoto. Ele morreu em São Paulo na noite deste domingo (15) aos 85 anos.

O artista estava internado devido a uma pneumonia, desde o dia 9 de maio, no Hospital Sancta Maggiore, no Itaim Bibi, na Zona Sul de São Paulo.

cauby3

Leia a repercussão:

Nelson Hoineff, diretor do documentário “Cauby – Começaria tudo outra vez”, no Facebook
“O maior cantor brasileiro de todos os tempos acaba de nos deixar. A emoção da perda de um artista único, como jamais iremos conhecer igual, soma-se oi indescritível prazer de ter trabalhado com ele durante três anos no filme sobre sua obra. Cada segundo com Cauby foi eterno – e quero agradecer aqui ao empenho de Nancy Lara e Thiago Marques Luiz, ambos imprescindíveis para que conseguissemos filmar este gênio ainda em vida. Ficamos todos mais pobres sem Cauby. Podemos esperar cem anos, mil anos, mas não voltaremos a ver um interprete brasileiro como ele. Que lá de cima Cauby cuide de nossa orfandade.”

Elymar Santos, no Facebook
O cantor Elymar Santos expressou seus sentimentos ao amigo de profissão em sua página no Facebook: “O Brasil acaba de perder um de seus maiores ídolos, meu padrinho Cauby Peixoto. Que Nossa Senhora receba em seus bralços, e que ele descanse em paz”. Obrigado Cauby, em nome da Música Popular Brasileira”.

Paula Lavigne, no Facebook
A produtora musical Paula Lavigne também se manifestou em  seu Facebook com uma foto do cantor e frase.: “Um triste boa noite! #caubypeixoto #RIR”

Patricia Pilar, no Facebook
“Os brilhos, os blazers, o cavalheirismo, o rosto desenhado, a doçura, o camarim, o gin, a Conceição, A VOZ! Que inspiração arrebatadora, que artista! Cauby, obrigado por ter sido tanto nas minhas escolhas. Vou te ver e ouvir pra sempre, cada vez mais! Que noite triste”.

Daniela Mercury, no Instagram
“Uma canção e um beijo muito carinhoso é minha última homenagem ao querido Cauby Peixoto, que com sua voz inconfundível, linda, grave, doce e poderosa enfeitou nossa vida por tantas décadas. Se vai um querido amigo e vitorioso artista e galã de multidões”. #caubypeixoto #saudade

Maria Rita, no Instagram
“Arrasada com essa notícia… não ta facil não hein…”. #qued’usothem #emierriesuaturma #caubypeixoto

Adryana Ribeiro, no Instagram
“Notícia muito triste, perdemos #CaubyPeixoto”.

Rogério Flausino, no Instagram
… #CaubyPeixoto, a voz. Obrigado mestre. #RipCauby ❤️

Beth Guzzo, no Instagram
“O céu hoje está em festa com a chegada dessa estrela e nós aqui ficamos agradecidos por tudo que fez, representou e vai continuar representando na música brasileira, uma das mais bela vozes do nosso país. Descance em paz Cauby Peixoto” #Rip #caubypeixoto

Nany People, no Instagram
“Obrigada #Professor … A MPB perdeu um Grande Mestre!”

JC Sampa Crew, no Instagram
“Um artista na essência da palavra. Cantou até os 85 anos de vida e estava sempre ao vivo com a mesma elegância e voz impecavelmente afinada no bar Brahma. Um dos últimos que não precisou jamais de recursos de computado pra afinar voz nas gravações fonográficas”.

“Descanse em paz, Cauby Peixoto. Agora ao lado de Dalva de Oliveira, Nelson Gonçalves, Altemar Dutra, Lupicínio Rodrigues e tantos outros de um tempo que música tinha qualidade, sentimento e essência. Esse sim um tempo bom que não volta nunca mais”.

Luiz Thunderbird, no Twitter
“Perdemos Cauby Peixoto. Um dos maiores cantores do Brasil”. #RipCaubyPeixoto

Ivo Meirelles, no Twitter
“Seu nome brilhará eternamente!”

Rita Cadillac, no Facebook
“Nosso saudoso Cauby Peixoto está chegando ao céu agora e sera bem recebido por Deus”.

Paulah Gass, no Instagram
“Foi uma honra ter te conhecido professor! Que o Senhor te receba de braços abertos, Cauby! Minha gratidão. Meu respeito. Minha admiração. R.I.P.” ❤

Centrais e Fiesp já pressionam equipe econômica de Temer

Eliseu Padilha, Michel Temer e Henrique Meirelles: governo interino já sofre pressão de representantes de patrões e empregados contra medidas econômicas.
Eliseu Padilha, Michel Temer e Henrique Meirelles: governo interino já sofre pressão de representantes de patrões e empregados contra medidas econômicas.

Exame – Brasília – Apenas quatro dias após terem tomado posse, o presidente da República em exercício, Michel Temer, e seu ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, iniciam a semana sob pressão das centrais sindicais e também dosempresários em relação ao pacote de medidas que a equipe econômica planeja colocar em prática nos próximos dias.

A pressão parte, principalmente, de personagens importantes que estiveram ao lado de Temer na batalha do impeachment: o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, e o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), da Força Sindical.

Em reunião agendada para as 15 horas no Palácio do Planalto, ao menos quatro das maiores centrais do País – Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Sindicatos Brasileiros e Nova Central Sindical de Trabalhadores – pressionarão Temer, Meirelles, Eliseu Padilha (Casa Civil) e o novo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, a rever alguns pontos anunciados por Meirelles em entrevista coletiva na última sexta-feira, 13.

Do lado dos empresários, o presidente da Fiesp se reuniu na noite deste domingo, 15, com Temer, em São Paulo. A pauta foi a proposta de recriação da CPMF ou de outro imposto transitório, ideia que não é descartada por Henrique Meirelles.

“O pato está a postos e tem como prioridade dizer não ao aumento”, afirmou Skaf no sábado em entrevista à Rádio Gaúcha, numa referência ao pato inflável da campanha da entidade contra impostos.

O primeiro grupo rejeita fortemente a recriação da CPMF, ainda que temporária, e o segundo teme os rumos da reforma da Previdência. Geddel Vieira Lima, ministro da Secretaria de Governo, se diz, pessoalmente, contra a recriação da CPMF.

“Sou pessoalmente contra a criação da CPMF, mas vou adotar a postura do governo”, disse Geddel em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, Meirelles disse que o ideal é que se consiga equilibrar o orçamento apenas com o corte de despesas e, assim, não seja necessária a volta do imposto.

Sindicatos

As centrais são contra a reforma da Previdência, em especial em relação à idade mínima e ao aumento do tempo de contribuição. Outro ponto que elas querem discutir hoje com o novo governo é a revisão da legislação trabalhista.

Na sexta, Meirelles disse que a proposta de reforma da Previdência deve respeitar os direitos adquiridos. Mas ressaltou que esse conceito é “impreciso”.

Afirmou ainda que sua equipe trabalha em cima de revisão da legislação trabalhista. Também para o Fantástico, ele afirmou que o assunto tem de ser debatido com a opinião pública e o Congresso.

Temer quer convencer as centrais de que algumas medidas são necessárias, apesar de duras. Dirá que a proposta de reforma da Previdência tem por objetivo conter os gastos públicos e que as leis trabalhistas precisam ser modernizadas.

Conforme antecipou neste domingo, 15, no estadão.com a Coluna do Estadão, na reunião desta segunda com as centrais sindicais, Michel Temer e Henrique Meirelles serão claros na conversa.

Ambos dirão aos representantes dos sindicalistas que o governo vai apresentar uma proposta de reforma da Previdência Social para o Congresso como forma de conter os gastos enormes que o setor hoje representa.

Projeções feitas por técnicos do governo indicam que o sistema previdenciário poderá entrar em crise a partir de 2020, se os gastos não forem contidos por algum tipo de reforma.

Reações

Além de conseguir apoio, o encontro visa debelar uma possível rebelião das centrais sindicais. As entidades ainda não falam em ações práticas, mas informaram que, quando as negociações começarem efetivamente, vão levar as propostas para os trabalhadores para estudar a reação mais adequada, caso medidas mais duras prosperem.

Para o presidente em exercício, esse cenário é ruim, pois ele já não detém o apoio das centrais ligadas ao PT, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a maior do País, e a Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil. Ambas foram convidadas para a reunião, mas, até o início da noite de domingo, nenhuma havia confirmado presença.