Doméstica baleada juntamente com o irmão morre em hospital de Mossoró

Antônia Edinete de Oliveira tinha 37 anos (Foto: Arquivo Pessoal)
Antônia Edinete de Oliveira tinha 37 anos
(Foto: Arquivo Pessoal)

G1 – A empregada doméstica Antônia Edinete de Oliveira, de 37 anos, que foi baleada na última quarta-feira (17) em Governador Dix-Sept Rosado, cidade da região Oeste potiguar, não resistiu aos ferimentos e morreu na madrugada deste sábado (20). A mulher estava internada no Hospital Regional Tarcísio Maia, em Mossoró. O irmão dela, que tem 35 anos, também foi alvo dos disparos. Ele continua hospitalizado. A polícia ainda não tem pista dos criminosos.

Edinete e o irmão foram baleados quando chegavam em casa, no Sítio Ipueira, zona rural de Governador Dix-Sept Rosado. A cidade é vizinha a Mossoró. Os assassinos são dois homens que chegaram à comunidade de moto, obrigaram as vítimas a ficarem de costas e atiraram. Segundo a Polícia Militar, não houve anúncio de assalto.

Os irmãos receberam os primeiros atendimentos médicos em uma unidade de saúde do município. Em razão da gravidade dos ferimentos, foram transferidos para Mossoró.

Sete mulheres mortas em 10 dias
A violência contra a mulher tem marcado os últimos dias no Rio Grande do Norte. Contando com a morte registrada neste sábado, sete mulheres foram assassinadas nos últimos 10 dias no estado. A maioria, vítimas de feminicídio – que é quando uma pessoa é morta pela condição de ser do sexo feminino.

No primeiro caso, a vítima foi a técnica em enfermagem Ana D’Ávila Gomes de Oliveira, de 47 anos, esfaqueada dentro de casa. O crime aconteceu no dia 10. Ela trabalhava como socorrista do Samu. Ana ainda foi socorrida, mas morreu ao chegar ao hospital. Apontado como responsável pelo crime, o ex-companheiro dela fugiu. Porém, misteriosamente, apareceu morto dois dias depois. O corpo de Josinaldo Gomes da Silva, mais conhecido como ‘Vaqueiro’, foi encontrado na zona rural de Lajes Pintadas, a 130 quilômetros da capital. De acordo com o delegado Silva Júnior, o cadáver tinha marcas de dois tiros no peito. Uma pistola foi encontrada ao lado do corpo. O delegado solicitou perícia, mas afirmou que existem indícios de suicídio. A polícia acredita que Josinaldo matou a ex-companheira porque ela não aceitava retomar o relacionamento.