Educadores da rede pública de Natal assinam manifesto preocupados com possível volta às aulas: ‘Escolas despreparadas’

Escola Municipal Professor Ulisses de Góis — Foto: Quézia Oliveira/Inter TV Cabugi
Escola Municipal Professor Ulisses de Góis — Foto: Quézia Oliveira/Inter TV Cabugi

Educadores da rede pública de Natal assinaram e enviaram nesta sexta-feira (24) um manifesto à Secretaria Municipal de Educação (SME) preocupados com a possibilidade de retorno das aulas. Os gestores e professores apontam no documento que as escolas e CMEIs não se prepararam ou readequaram para a volta das atividades com as medidas sanitárias necessárias.

Ainda não há, no entanto, prazo determinado pela Prefeitura de Natal para a volta às aulas. As escolas fecharam no dia 18 de março e desde então não tiveram mais atividades presenciais.

Para o manifesto, foram entrevistados mais de 1.500 profissionais da educação – 77% deles não concordam com o retorno das aulas em 2020 e 89% não veem as escolas com estruturas físicas adequadas para o atual momento de enfrentamento à Covid-19.

“Todos sabemos das grandes deficiências estruturais e materiais que as unidades de ensino público de toda a rede municipal já de há muito apresentam e que, caso não sejam devidamente recuperadas e readequadas às necessidades sanitárias exigidas, importarão em graves riscos de contaminação para a comunidade escolar, colocando em perigo vidas humanas que importam e têm preço”, cita um trecho do manifesto.

“Há mais de 100 dias estamos sem nenhuma ação efetiva de melhoria, reforma ou readequação desses espaços físicos, bem como seus equipamentos”.

Os profissionais pedem, dessa forma, que algumas medidas fundamentais sejam adotadas antes do retorno. Eles pedem que a SME determine um prazo para que a equipe de engenharia visite todas as escolas e CMEIs para que haja um relatório de problemas físicos e estruturais e quais serão as medidas de readequação dos espaços “considerando ambientação, limpeza, ventilação e número de alunos permitidos em sala de aula por metro quadrado”.

G1RN

Leave a Comment