IEADERN: virou mania, pois o presidente fez mais um documento falsificado

Na ânsia de fazer o registro de sua presidência no 2º Ofício de Notas o Pr. Martim Alves da Silva aproveitou-se do senil, Pr. Zé Neco, para assinar no lugar do Pr. José Wellington Bezerra da Costa um documento apócrifo, isto é, mais um documento falsificado, já que aquela reunião não aconteceu.

Calma! Explico.

No documento falsificado com o titulo de “Termo de Posse” diz em seu texto que no dia 10 de março de 2012, às 20:30 horas o Pr. José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleia de Deus no Brasil, CGADB, se fez presente na sede da IEADERN, e presidiu a posse do pastor Martim, em um culto, na presença de muitos membros e pastores, em um evento na Central. Fato esse que não aconteceu.

Todos devem lembrar que na data e hora que diz o tal documento estávamos congregados no Ginásio Nélio Dias, na Zona Norte de Natal em uma festa de posse do referido Pr. Martim Alves. Posse ilegal, dita por alguns, inclusive por este que aqui vos escreve.

Naquele mesmo dia, 10/03/2012, não houve nenhum evento na sede da IEADERN, haja vista, todos os pastores e os demais membros estavam no Ginásio, em um evento que durou das 17:00 até as 22:00 horas. Ninguém sabe o porquê de tal documento mentiroso ter sido produzido.

Vejam a que ponto chegou a Diretoria da IEADERN e da CEMADERN. Pois não dá para acreditar que os pastores queiram ficar mais uma vez em silêncio pelo medo de ser punido por um presidente que já está totalmente desajustado.

Pois há formas sensatas de se fazer com que a justiça de Deus esteja dentro da IEADERN e esta venha prevalecer. A justiça de Deus deve começar por dentro de sua casa, reza as Escrituras Sagradas.

A Assembleia Ministerial da IEADERN tem como punir o seu presidente como manda o Estatuto, em caso de falta grave, como é o caso deste fato aqui exposto, pois em seu Art. 25, incisos IX e X diz que a AM pode instaurar procedimento disciplinar contra o seu presidente, e até afastá-lo do cargo, caso seja verdadeiro os fatos contra ele apresentado.

Mas o que fez o senhor presidente, Martim Alves, com o intento de acobertar os seus pecados contra a sociedade cristã que ali se congrega. Ele excluiu sem provas o Pr. Eliseu Moreira quando este já havia se desligado da IEADERN; simulou a exclusão deste diácono, Laurivan de Sousa por este ter enfrentado os erros que ele praticava; (ele que me colocou primeiro na justiça criminal); mandou dispensar os serviços do Pr. Ilmar Ferreira, por telefone, quando este havia pastoreado, sem remuneração, dezenas de igrejas da IEADERN na Capital; fez os procedimentos disciplinares contra os pastores Marco Aurélio, Misael Dantas e Ivan Gonçalves, com o intuito de fazer calar os que lhes contrariam.

O Pr. Martim Alves só não disciplinou o Pr. Hilton Andrade porque fui chamado por um presbítero para dá auxilio ao pastor que estava sendo perseguido, o que fiz com muita satisfação, embora tenha discordado de algumas atitudes do Pr. Hilton. Mas, se não fosse aquele processo ter sido reaberto com a causa de discussão da ATA falsificada de 23 de dezembro de 2011, o Pr. Hilton já estaria excluído da IEADERN, já que o presidente não precisa de que haja pecado para ele aplicar suas disciplinas.

Até quando a IEADERN vai ficar acuada? Reproduzo a fala do Mestre Jesus: IEADERN, “Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste.”

Perdoe-me por parafrasear o grande Mestre. Mas há muito clamo por este meio de comunicação de que os senhores podem enfrentar esses erros e salvarem a IEADERN.

VEJA O DOCUMENTO FALSIFICADO:

DOCUMENTO FALSIFICADO

 

ESTE ABAIXO É UMA  AMPLIAÇÃO DO DOCUMENTO ACIMA