Inflação na Argentina acumula alta de 41,8% no ano

Lideram o <i>ranking</i> das maiores altas em outubro: vestuário e calçados (5,1%) e saúde (4,7%)
Lideram o ranking das maiores altas em outubro: vestuário e calçados (5,1%) e saúde (4,7%) | Foto: Divulgação/Twitter/Alberto Fernández /

Apesar da política de congelamento de produtos da cesta básica na Argentina, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou 3,5% em outubro, na comparação com o mês anterior. A inflação do país já acumula alta de 41,8% neste ano — em 12 meses, chegou a 52,1%. Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos, na quinta-feira 11.

Com a mais recente alta, a inflação está perto de superar outra meta estabelecida pelo ministro da Economia, Martín Guzmán. Inicialmente, ele havia projetado que o IPC ficaria em 29% neste ano. No Orçamento para 2022, a previsão foi ajustada para 41,5%. Analistas ouvidos pelo Banco Central da Argentina esperam que o índice fechará 2021 entre 50% e 51%.

Lideram o ranking das maiores altas em outubro: vestuário e calçados (5,1%) e saúde (4,7%), segundo o Indec. Embora o governo esteja controlando preços, os alimentos e bebidas não alcoólicas ficaram 3,4% mais caros no mês passado.

Revista Oeste

Leave a Comment