Mesmo com Exército nas ruas, ônibus circulam com frota reduzida em Natal

Militares começaram a ocupar ruas de Natal nesta quarta (3) (Foto: Canindé Soares/G1)
Militares começaram a ocupar ruas de Natal nesta quarta (3) (Foto: Canindé Soares/G1)

G1 – Mesmo com homens do Exército, da Marinha e da Aeronáutica já integrando as forças de segurança do Rio Grande do Norte, os ônibus irão circular com frota reduzida nesta quinta-feira (4). Segundo a diretoria do Sindicato dos Rodoviários (Sintro), 70% dos ônibus vão às ruas – frota equivalente a uma escala de sábado. De acordo com o Sindicato das Empresas de Ônibus (Seturn), toda a frota irá circular normalmente nesta quinta. Os militares, que chegaram ao RN na manhã desta quarta (3), começaram a ocupar as ruas de Natal à noite.

Às 5h30, os ônibus começaram a deixar as garagens das empresas. “Vou trabalhar hoje esperando um pouco mais de tranquilidade por causa dos militares. Mas confesso que ainda estou com medo. Caso seja preciso, vamos voltar a recolher os ônibus”, disse um motorista, que pediu para não ser identificado.

Ônibus começaram a deixar as garagens às 5h30 desta quinta (4) (Foto: Fred Carvalho/G1)
Ônibus começaram a deixar as garagens às 5h30 desta quinta (4) (Foto: Fred Carvalho/G1)

As tropas chegaram à capital potiguar pela manhã, vindas de Pernambuco e da Paraíba, além da cidade de Caicó, no interior do Estado. Por volta das 20h, alguns deles começaram a atuar nas ruas. A informação foi confirmada pela assessoria do Exército. Aproximadamente 1.200 militares – sendo 920 do Exército, 220 da Marinha e 60 da Força Aérea – participam da chamada Operação Potiguar. De acordo com a assessoria da operação, as tropas atuam nas ruas até o dia 16 de agosto.

De acordo com a assessoria do Exército, 55 homens foram para as ruas nesta quarta para patrulhar os principais corredores da cidade. O restante da tropa vai às ruas nesta quinta (4). O Exército Brasileiro vai realizar uma solenidade de preparação da tropa na manhã desta quinta-feira (4), no 16º Batalhão de Infantaria Motorizado.

Até a noite desta quarta, a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesed) havia registrado 96 ataques em 33 cidades do Rio Grande do Norte nos últimos seis dias. Até às 19h30 desta quarta, 86 pessoas foram presas suspeitas de envolvimento nos ataques.

A instalação de bloqueadores de celular na Penitenciária de Parnamirim, na Grande Natal, é apontada pelo governo como motivo dos atentados.

Motim
Na noite desta quarta, os detentos da Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP), na Grande Natal, fizeram um motim. Os presos empilharam colchões no pé do muro e atearam fogo, segundo o secretário estadual de Justiça e Cidadania, Wallber Virgolino, pois “o objetivo era que as chamas atingissem o transformador ou a própria torre onde foram os instalados os bloqueadores de celular”. O Corpo de Bombeiros apagou o fogo.

Não houve registro de feridos e o motim foi controlado, e a Polícia Militar não soube informar se os bloqueadores foram danificados. Os aparelhos serão avaliados nesta quinta (4).

Em Mossoró, um ônibus foi destruído pelas chamas no bairro Santa Delmira (Foto: Alcivan Vilar/Fim da Linha)
Em Mossoró, um ônibus foi destruído pelas chamas no bairro Santa Delmira (Foto: Alcivan Vilar/Fim da Linha)
Edson Cardoso Bezerra (Gato), Anderson Mendonça da Silva (Sancinho), Cosme Wendel Rodrigues Gomes (Cego), Alex Barros de Medeiros e Marcos Paulo Ferreira (Cabeça do Acre) foram transferidos de parnamirim para Mossoró (Foto: G1/RN)
Presos que foram transferidos

Transferências
Nesta segunda-feira (1º), cinco detentos apontados pelo Governo do Rio Grande do Norte como chefes da facção criminosa que reivindica os ataques foram transferidos para a penitenciária federal de Mossoró.

De acordo com o governador Robinson Faria, os presos transferidos foram identificados pelo setor de inteligência da polícia potiguar após terem celulares monitorados. Ainda de acordo com o governador, outros vinte detentos serão transferidos para presídios federais em breve.

Na manhã desta terça, a polícia potiguar anunciou a prisão de Daniel Silva de Carvalho,apontado como sendo o “número 2” da facção que reivindica os ataques criminosos que vêm sendo registrados. Além dele, foi presa Islania de Abreu Lima, que também seria uma das chefes da quadrilha. Os dois foram presos em cumprimento a mandados de prisão.