Moradores de Heliópolis acusam polícia de alterar cena de morte; PM diz que vazamento de água ‘arrastou vestígios’

Fotos feitas por moradores mostram viela onde homem foi baleado no dia 1º em Heliópolis — Foto: Arquivo pessoal
Fotos feitas por moradores mostram viela onde homem foi baleado no dia 1º em Heliópolis — Foto: Arquivo pessoal

Moradores de Heliópolis, na Zona Sul de São Paulo, contestam a versão da Polícia Militar sobre a ação do último domingo (1º) durante um baile funk que terminou com um homem morto a tiros. Para eles, a PM limpou a cena do crime.

A morte do homem de 38 anos em Heliópolis se deu em decorrência de choque hemorrágico, após ele ser atingido de frente por dois tiros, um no peito e outro na barriga. No mesmo dia, nove jovens morreram após uma ação da PM em outro baile de Paraisópolis.

No boletim de ocorrência do DHPP sobre o caso de Heliópolis consta que “o local foi totalmente prejudicado em razão de um cano furado provavelmente por um disparo, que provocou um grande vazamento de água que arrastou vestígios”. O documento também diz que um sargento “desarmou o indivíduo e guardou o armamento consigo”, apresentando a arma posteriormente na delegacia.

Moradores de Heliópolis ouvidos pelo G1, no entanto, afirmam que o homem foi levado para o beco pelos policias e que não houve troca de tiros. Ainda segundo os moradores, nenhum cano foi estourado na viela, mas os policiais teriam alterado a cena do crime limpando o local.

“Tiraram o menino da viatura, levaram para o beco e atiraram no menino. Depois lavaram o beco antes da perícia chegar”, disse um morador que não quis se identificar por questão de segurança.

Os policiais militares afirmaram que entraram em Heliópolis na Rua do Pacificador ao perseguirem um rapaz em uma motocicleta que tentou fugir para o interior da comunidade. Segundo eles, quando se aproximaram da rua onde acontecia o “pancadão” teriam sido “hostilizados e atacados com pedradas e garrafadas” e por isso utilizaram “munições químicas para dispersar a multidão e fazer cessar as agressões.”

Ainda de acordo com os policiais, outra equipe da PM que estava posicionada em outra rua teria entrado na Viela São Jorge, onde se depararam com um indivíduo com uma arma em punho. Segundo o relato dos agentes, houve troca de tiros e o suspeito acabou sendo baleado. Ele foi identificado no IML como Alberto Gois, de 38 anos.

Ele teria sido socorrido com vida e encaminhado para o pronto socorro do Hospital Heliópolis, segundo os policias.

Outra moradora afirma que houve uma execução. “Eu vi quando realizaram a execução, eles tiraram a vítima de dentro da viatura ainda com vida e levaram pro beco, efetuaram um disparo de bomba de efeito moral e em seguida efetuaram um disparo com arma de fogo, que era pra ninguém ouvir o barulho do tiro e não ter como provar, eles lavaram o beco antes da perícia chegar.”

Outra mulher já havia relatado para a TV Globo que o corpo do homem ficou no mesmo local até a manhã de domingo, não tendo sido levado ao hospital com vida.

Veja mais no G1

Leave a Comment