Onze anos depois, Brasil recebe bronze do 4x100m masculino da Olimpíada de Pequim 2008

Foto: Reprodução/Twitter

Foram onze anos de uma espera que chegou ao fim nesta quinta-feira. O Brasil recebeu a medalha de bronze do revezamento 4x100m rasos masculino da Olimpíada de Pequim 2008, herdada após o doping do jamaicano Nesta Carter. Em cerimônia na sede do Comitê Olímpico Internacional, na cidade suíça de Lausanne, José Carlos “Codó” Moreira, Sandro Viana e Bruno Lins entraram para o seleto grupo de brasileiros medalhistas olímpicos, e Vicente Lenílson colocou no peito sua segunda medalha – ele foi prata também no 4x100m de Sydney 2000.

– Pra vocês entenderem a dor de tanto tempo sem essa medalha, é como se a gente tivesse um filho e só o conhecesse 11 anos depois. Foi muito difícil e ainda está sendo passar por tudo isso – disse Sandro Viana.

– Passou o vídeo da final. Eu ainda garotão, magrinho. É surreal, magnífico. Foi muito engraçado, porque naquela hora não veio na cabeça apenas o momento do pódio, veio tudo o que fiz para estar ali. Foram quatro anos de muita ralação, muita dedicação, muito empenho, ausência da família, viagem, estresse com colega de trabalho. Foram onze anos de espera. Eu tive um prejuízo financeiro grande. A gente tinha um clube grande, que tinha uma premiação alta. Isso não volta mais. O mais importante é que o erro foi corrigido e voltamos para casa com nossa medalha – completou Vicente Lenílson.

José Carlos “Codó” Moreira, Sandro Viana, Bruno Lins e Vicente Lenílson recebem bronze do revezamento 4x100m de Pequim 2008 — Foto: Marcelo Courrege
José Carlos “Codó” Moreira, Sandro Viana, Bruno Lins e Vicente Lenílson recebem bronze do revezamento 4x100m de Pequim 2008 — Foto: Marcelo Courrege

Campeã na China, a Jamaica perdeu o ouro em 2017 após reanálise do exame antidoping de Nesta Carter apontar o uso de substância proibida metilhexaneamina, um estimulante encontrado em alguns suplementos alimentares e descongestionantes nasais – o time caribenho também contava com Usain Bolt, Michael Fraser e Asafa Powell. Carter chegou a entrar com um recurso no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), mas teve negado o seu pedido de desconsideração da punição. Com a reclassificação, o ouro ficou Trinidad e Tobago e a prata com o Japão. Quarto colocado em 2008, o Brasil subiu para o pódio.

– Tem uma foto que eu estava olhando para o telão e senti que havia alguma coisa errada. Não consegui acreditar. Hoje se concretizou esse erro. O Nestar cometeu um erro muito grande, machucou nosso trabalho, por ambição acabou não se lembrando do espírito olímpico – disse Vicente Lenílson.

– Prefiro olhar para o agora. Do que ficou para trás, prefiro ver o que aprendi. Se eu não fui medalhista naquele momento, cresci como homem. Foram anos que eu pude crescer mentalmente e também fisicamente. Prefiro pensar que hoje sou medalhista e faço parte da história do atletismo e dos Jogos Olímpicos, em especial de Pequim 2008 – completou Bruno Lins.

O bronze do revezamento 4x100m rasos masculino é a 17ª medalha olímpica da história do atletismo brasileiro, ficando atrás apenas do Judô (22 medalhas) e da vela (18). É também a 129ª do país nos Jogos. Agora o Brasil conta com 372 atletas medalhistas olímpicos em quase cem anos de participação em Olimpíadas.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/

Leave a Comment