SEM ADIAMENTO: ENEM acontecerá nas datas marcadas

Foto da Internet

A Justiça Federal negou, nesta terça-feira (12/1), o pedido de adiamento das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A solicitação foi feita na última sexta-feira (8/1), pela Defensoria Pública da União e pelo Ministério Público Federal.

Na ação, o defensor João Paulo Dorini alegava que o recente pico de infecções por Covid-19 era um risco aos estudantes.

“Temos agora uma prova agendada exatamente no pico da segunda onda de infecções, sem que haja clareza sobre as providências adotadas para evitar a contaminação dos participantes da prova, estudantes e funcionários que a aplicarão”, assinalou Dorini.
Em decisão divulgada durante a manhã desta terça, a Justiça afirmou que as medidas de segurança contra a Covid-19, anunciadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), são suficientes para garantir a segurança dos participantes durante as provas.

Portanto, as datas seguem as mesmas: 17 e 24 de janeiro para as provas impressas e 31 de janeiro e 7 de fevereiro para o exame digital. Aproximadamente 5,78 milhões de pessoas confirmaram a participação no Enem.

Medidas de biossegurança:


O Inep respondeu à Justiça alegando que tomou uma série de medidas para evitar a contaminação dos participantes, garantindo que a aplicação será “perfeitamente possível e segura para todos os envolvidos”. Entre as ações, estão o distanciamento social, a redução da capacidade máxima das salas, a higienização dos ambientes e a exigência de máscaras de proteção facial.

Na decisão desta terça-feira, a Justiça entendeu que o Inep comprovou, por meio de documentos anexados à ação e publicados no site do instituto, “que há informações suficientes sobre as medidas de biossegurança para a realização da edição 2020 do Enem”.

“Há informações quanto à necessidade de utilização de máscaras que cubram o nariz e a boca, a obrigatoriedade de o candidato levar mais de uma máscara para a troca ao longo do dia, a orientação para higienização das mãos com álcool em gel antes de entrar na sala de provas, a disponibilização de álcool em gel nas salas de provas e nos banheiros, as regras para lanches, a necessidade de distanciamento entre os participantes e os procedimentos de ida ao banheiro e vistoria de materiais”, consta na decisão.

Além disso, foi observado que pessoas com sintomas da doença ou infectadas pela Covid-19 poderão fazer a prova em outras datas, e que o Inep investiu 25% a mais em recursos para a segurança, em relação ao Enem anterior. “Portanto, não há como acolher a alegação de falta de clareza quanto os procedimentos de biossegurança”, afirmou a Justiça.

Ministro Tarcísio diz que 1° trecho da Reta Tabajara será inaugurada em março

Tarcísio Freitas também anunciou que o ministério conclui em junho desse ano todas as melhorias da BR-101. — Foto: Stênio Dantas/Portal Grande Ponto

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, anunciou que os primeiros seis quilômetros da duplicação da Reta Tabajara (BR-304) serão liberados em março desse ano. Ele também anunciou uma série de obras e a conclusão de outras que já estão em andamento no Rio Grande do Norte.

O anúncio foi feito nesta segunda-feira (11), quando o ministro inaugurou a parte superior do Viaduto do Gancho de Igapó, na Zona Norte de Natal.

Ele também anunciou que o ministério conclui em junho desse ano todas as melhorias da BR-101.

Além disso, Tarcísio afirmou que encontra-se na fase de projetos a pavimentação da BR-104 e da BR-437 (Estrada do Cajueiro).

Fonte: Portal Grande Ponto

Motores de Taubaté para o mundo: reveja a trajetória da fábrica da Ford na cidade

Inauguração da planta da Ford em Taubaté — Foto: Reprodução/Facebook - Página Resgatando Taubaté, Ontem, Hoje e Sempre
Inauguração da planta da Ford em Taubaté — Foto: Reprodução/Facebook – Página Resgatando Taubaté, Ontem, Hoje e Sempre

Foram 52 anos de história em Taubaté. O último capítulo, entretanto, foi escrito nesta segunda-feira (11): a Ford anunciou o fechamento da unidade no município do Vale do Paraíba. Com a decisão da empresa, 830 funcionários da planta serão demitidos, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos.

Os capítulos anteriores já indicam um possível encerramento da história. A montadora vinha passando por dificuldades diante do cenário econômico e adotou algumas medidas na fábrica em Taubaté, como paralisação da produção, redução de salários e jornadas e demissões. Diante da crise gerada pela pandemia do coronavírus, a montadora norte-americana optou pelo encerramento da produção no Brasil (veja vídeo abaixo).

É o fim de uma planta inaugurada em 1974 e que produziu mais de oito milhões de motores e sete milhões de transmissões para o Brasil e para o exterior. A história da planta tem esses números de produção, mas também é recheada de histórias dos funcionários que passaram por ela ao longo desses 52 anos.

Benedito José de Andrade trabalhando na Ford — Foto: Reprodução/YouTube

Benedito José de Andrade trabalhando na Ford — Foto: Reprodução/YouTube

Chão de terra batida

Benedito José de Andrade, de 66 anos e um dos funcionários da inauguração, é um dos que ajudaram a construir essa história. O ano era 1974. Benedito foi jogar futebol em um campo ao lado onde seria implantada a fábrica da Ford em Taubaté e, logo após o jogo, diz ter recebido o convite para preencher uma ficha de recrutamento para trabalhar na montadora. Ficha preenchida, entrevista feita e a admissão não demorou a vir.

“Foi fácil a entrada [na empresa]. Acho que como estava começando a industrialização, era mais fácil. A Ford, nessa época, ainda era chão de terra batida, algumas áreas já estavam começando até a fazer. O complexo era uma réplica da planta de Ohio [nos EUA]. A fábrica iria fazer motores para o Maveric, no Brasil. Entrei como inspetor de qualidade na empresa e saí como supervisor. Foram 12 anos”, contou Benedito José de Andrade.

Desses 12 anos, Benedito diz guardar boas lembranças. Fato que o faz lamentar o encerramento das operações da fábrica em Taubaté.

“Muito triste essa notícia. A Ford era uma família. Era realmente uma família. Os primeiros americanos que vieram para cá, para implantar a fábrica, foram de uma gentileza total com o povo. A Ford foi como uma família. Estou com 66 anos. Fiquei 12 anos na Ford. Depois de que saí, em 1986, trabalhei em outras 17 empresas. Mas a melhor foi a Ford em todos os sentidos”, disse.

Em 2018, ao completar 50 anos da fábrica em Taubaté, a Ford produziu um vídeo com histórias de funcionários da planta no Vale do Paraíba (veja abaixo).

História

A fábrica de motores e fundição da Ford em Taubaté foi inaugurada oficialmente em 1974. Na solenidade de inauguração, o presidente da empresa na época, Joseph W. O’Neill, anunciou mais de 400 milhões de dólares de novos investimentos na expansão das atividades da empresa no Brasil.

Na década de 1970, a Ford estava em período de expansão no Brasil. O Corcel chegou a 500 mil unidades vendidas em 1976. O Maveric de quatro cilindros, que tinha o motor produzido em Taubaté, também era produzido em São Bernardo do Campo.

Nos anos 1980, o Corcel passou a ser produzido com motor a álcool também. A chegada do Escort também foi um marco para a montadora nessa década. Em 1996, a Ford inaugurou a nova fábrica de transmissões em Taubaté.

Inauguração oficial da Ford em Taubaté em 1974 — Foto: Divulgação/Ford

Inauguração oficial da Ford em Taubaté em 1974 — Foto: Divulgação/Ford

Ainda na década de 1990, no ano de 1999, a fábrica de motores Zetec RoCam foi inaugurada em Taubaté. Foi a primeira do mundo a produzir a nova família de motores.

Em 2004, a fábrica de Taubaté comemorou a produção de um milhão de motores Zetec RoCam. Cinco anos depois, foi inaugurada na planta a linha dos motores Sigma.

A unidade taubateana da Ford atingiu a marca de cinco milhões de motores e quatro milhões de transmissões produzidos em 2011. No ano seguinte, a fábrica chegou ao número de três milhões de motores Zetec Rocam.

Em 2018, quando completou 50 anos, a planta em Taubaté tinha produzido oito milhões de motores e sete milhões de transmissores. Nesses 52 anos de história em Taubaté, destaque para a produção de motores para o Mustang nos Estados Unidos e para o Focus montado na Europa. A planta também produziu peças para vários modelos do Brasil e da América do Sul, como Maverick, F-1000, Escort, Fiesta, Ka, Focus e EcoSport.

G1SP

Preço da cesta básica sobe 19% em 2020 em Natal, diz Dieese

Óleo de cozinha impulsionou aumento no preço da cesta básica — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi
Óleo de cozinha impulsionou aumento no preço da cesta básica — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

O preço da cesta básica subiu 19,55% no ano de 2020 em Natal. É o que aponta a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, que foi divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) nesta segunda-feira (11).

Assim, a cesta básica fechou dezembro de 2020 em Natal custando R$ 458,79. Em dezembro de 2019, um ano antes, ela custava R$ 383,76.

Apesar da alta, Natal foi a terceira capital com o menor aumento entre as 17 federações analisadas pelo órgão. Abaixo, ficaram apenas Recife (19,20%) e Curitiba (17,76%). O maior aumento foi em Salvador: 32,89%.

Mesmo com o aumento e chegando a R$ 458,79 no valor total, Natal fechou o ano passado como a segunda capital com o menor preço da cesta básica. Entre as capitais analisadas, apenas Aracaju tem a cesta mais barata: R$ 453,16.

Entre os produtos da cesta básica, o que teve o maior aumento foi o óleo de cozinha de 900 ml em 2020. Ele custava R$ 4,16 no fim de 2019 e fechou o ano passado custando em média R$ 8,73, um aumento de 109,86%.

O segundo maior aumento foi o do arroz (3,6 quilos), subindo 84,20% em um ano – saindo de R$ 11,20 para R$ 20,63.

Dos 12 produtos da cesta básica, 11 tiveram alta. Além do óleo de cozinha e do arroz, subiram também o açúcar (33,48%), o leite (28,31%), o feijão (27,98%), o pão (20,99%), a carne (18,84%), a farinha (17,92%), o tomate (9,68%), a manteiga (8,57%) e o café (3,39%).

O único produto que caiu de preço foi a banana (-7,51%), saindo de R$ 29,03 para 26,85 (7,5 dúzias).

Banana foi o único produto que teve queda em Natal — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Banana foi o único produto que teve queda em Natal — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Em Natal, o Dieese estima que a jornada de trabalho necessária para comprar a cesta básica, baseado no salário mínimo, é de 96 horas e 35 minutos. O percentual do salário mínimo líquido para compra dos produtos da cesta é 47,46%.

G1RN

Prefeito de Serra Negra do Norte é eleito presidente do Consórcio de Resíduos Sólidos do Seridó

Foto cedida

A nova diretoria do Consórcio Público Regional de Resíduos Sólidos do Seridó foi eleita nesta segunda-feira (11). A reunião virtual aclamou de forma unânime a chapa única encabeçada pelo prefeito da cidade de Serra Negra do Norte, Sérgio Fernandes, para o biênio 2021-2022.

Abrangendo 25 municípios (24 da região do Seridó além de Santana do Matos), o consórcio em 2021 deverá debater pautas importantes, com foco na proteção do meio-ambiente. Além de Serginho como presidente, a nova composição tem como vice-presidente o prefeito de Lagoa Nova, Luciano Santos, que já esteve à frente do órgão; o prefeito de Timbaúba dos Batistas, Ivanildinho, como tesoureiro. Já no conselho fiscal os prefeitos Odon de Currais Novos, Amazan de Jardim do Seridó e Gilson de Carnaúba dos Dantas.

O Consórcio de Resíduos Sólidos do Seridó foi formalizado em 2009 e a grande luta dos gestores é quanto à viabilidade de contar com um aterro regional para destinação adequada dos rejeitos. Para Serginho um grande desafio que abraça e tentará lutar por toda região. “Com o sentimento de unidade e amor ao nosso Seridó, aceitei o desafio, que não será fácil. Mas, com a ajuda de todos os prefeitos, vamos tirar do papel o sonho de construção do aterro sanitário da região do Seridó”.

Fux garante: STF estará vigilante para não ocorrer no Brasil o que ocorreu nos EUA

Foto da Internet

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, garantiu que a Corte, “como guardiã da democracia constitucional, permanecerá vigilante para que a situação registrada nos EUA no último 6 de janeiro jamais ocorra no Brasil”. A afirmação foi feita em artigo publicado no jornal O Globo deste domingo, 10. Segundo ele, o Judiciário tem papel essencial, porque cabe a esse poder ser o garantidor do cumprimento das leis e da Constituição. “Não se pode hesitar em cumprir essa missão”, escreveu Fux.

O presidente do Supremo disse que “não há democracia sem respeito às instituições”, – sendo elas do Judiciário, do Legislativo, do Executivo ou mesmo as privadas -, e afirmou que qualquer líder que busque subjugá-las, “concentrando e abusando do poder a ele concedido pelo voto, deve sofrer imediata reação da imprensa livre, da sociedade crítica e dos demais poderes constituídos”.

“Vitórias eleitorais não representam carta-branca para desígnios individualistas ou decisões arbitrárias. O governo é das leis e não dos homens”, disse o ministro no artigo. “Preservaremos a democracia a qualquer custo”, concluiu.


Com informações de UOL

Deputado Vivaldo Costa apresenta nota de pesar pelo falecimento do Monsenhor Tércio

O deputado Vivaldo Costa (PSD) apresenta, em suas redes sociais, nota de pesar pelo falecimento do Monsenhor Ausônio Tércio, ocorrido neste sábado (9), em Natal. O sacerdote lutava contra complicações a Covid-19, desde o mês de dezembro e estava internado no Hospital São Lucas.

NOTA DE PESAR

“Apresento minhas condolências ao povo seridoense que hoje perdeu uma das suas maiores reservas morais: Monsenhor Ausônio Tércio. Homem sábio e querido de todos. Fica de luto a Diocese de Caicó, a comunicação, a educação e todo povo que conheceu de perto o legado do Monsenhor Tércio. Sua memória permanecerá viva no coração do povo do Seridó. Descanse em paz.”

Vivaldo Costa

Deputado Estadual

HIPOCRISIA REINA: Pode aglomerar na rua e em condomínios, pode fazer farra e reuniões gigantes. Só não pode eventos

Fátima Bezerra diz que prioridade é organizar as contas do RN | Agência  Brasil
Em busca de simpatia Governadora Fátima Bezerra (PT) é contra eventos que gera emprego e faz vista grossa a favor de aglomeração / Foto da Internet

Blog do BG – Vamos falar de hipocrisia mais uma vez.

A beira-mar de Pirangi na noite desta sexta-feira bombou, a juventude aglomerou com força, em vários locais da orla. O papo, a bebida e som rolava numa boa, com respeito zero aos protocolos.

Só próximo as barracas, a galera reunida passava de 400 pessoas, facilmente. A rua principal estava lotada também, passeavam famílias, empresários, promotores, médicos e juízes sem o menor problema.

Nos condomínios, convite para tomar uma não falta, inclusive com presença do pessoal do judiciário, do Ministério Público e até das administrações de município e do Estado.

Tem reuniões e encontros sem parar.

Só para deixar claro, não sou contra nada disso, defendo a responsabilidade de cada um, no cumprimento das normas que são tão conhecidas por todos.

Agora, evento não pode. Inclusive, eventos com participação com quantidade menor de pessoas como várias reuniões em condomínios que tem acontecido, se for num evento, é um CRIME.

A impressão que tenho, é que segmento de evento todinho tem que “se fuder mesmo”, os profissionais que vivem dele, também tem que se foder, a quantidade de pessoas no setor informal que depende deles, também tem que se fuderem, porque eles não podem trabalhar, porque eles “proliferam o vírus”.

Reuniões, festas em condomínio, ruas lotadas em Pirangi, Pipa, Gostoso, Natal, nada disso tem vírus, mas em eventos, meu amigo…..

Nesta sexta, a governadora Fátima Bezerra pediu aos municípios para proibir eventos e festas, mas ela e várias autoridades fazem vista grossa para tantos outros desmantelos.

É brincadeira o que tão fazendo no Brasil com o setor de eventos e entretenimento e com quem depende desses setores.

Atriz Eva Wilma é internada em SP com quadro de pneumonia

Eva Wilma estreia espetáculo que celebra os 65 anos de carreira em Salvador — Foto: João Caldas/ Divulgação
Eva Wilma estreia espetáculo que celebra os 65 anos de carreira em Salvador — Foto: João Caldas/ Divulgação

A atriz Eva Wilma, de 87 anos, foi internada neste domingo (10) na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Vila Nova Star, na Zona Sul de São Paulo, com o quadro leve de pneumonia. Ela foi submetida ao teste de Covid-19, que deu negativo, e está na UTI por precaução, segundo pessoas ligadas à atriz.

De acordo com o boletim médico, o quadro de saúde dela é estável e não apresenta febre.

“A atriz Eva Wilma permanece internada em leito de UTI no Hospital Vila Nova Star da Rede D’Or. A paciente está em tratamento de uma pneumonia. Encontra-se hemodinamicamente estável e sem febre. O quadro respiratório permanece estável com cateter de O2 de alto fluxo”, afirmou o boletim.

Eva Wilma está sob cuidados dos médicos Roberto Zeballos, que é clínico geral, e de Antonio Antonietto, diretor-técnico do hospital.

Eva Wilma é homenageada em noite de premiação no Copacabana Palace
Eva Wilma é homenageada em noite de premiação no Copacabana Palace

Essa não é a primeira internação de Eva Wilma nos últimos anos. Em 2016, a atriz foi hospitalizada na UTI o Hospital Albert Einstein com o diagnóstico leve de embolia pulmonar. Ela ficou três semanas sob tratamento médico e se recuperou bem do problema.

Com 66 anos de carreira, Eva Wilma foi a grande homenageada do Prêmio Cesgranrio de Teatro, que aconteceu em janeiro de 2020 no Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. No evento, ela falou sobre a importância do trabalho dos atores no discurso de agradecimento do prêmio.

“Amo o ator por se emprestar inteiro para expor os aleijões da alma humana com a única finalidade de que o público se compreenda, se fortaleça e caminhe no rumo de um mundo melhor a ser construído pela harmonia e pelo amor”, destacou a atriz.

Aos 86 anos, Eva Wilma relembra momentos marcantes de sua carreira
Aos 86 anos, Eva Wilma relembra momentos marcantes de sua carreira

G1SP

Policial rodoviário federal é baleado e tem pistola roubada em assalto a casa de praia no litoral Sul do RN

Crime aconteceu em casa na praia de Barreta, em Nísia Floresta, no Litoral Sul potiguar — Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi
Crime aconteceu em casa na praia de Barreta, em Nísia Floresta, no Litoral Sul potiguar — Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi

Dois policiais rodoviários federais estavam com as famílias em uma casa na praia de Barreta, no litoral Sul do Rio Grande do Norte, quando dois criminosos armados invadiram a residência para assaltar na madrugada deste domingo (10). Um dos policiais foi rendido e o outro tentou reagir e acabou baleado.

Segundo informações da Polícia Militar, os bandidos fugiram levando uma pistola do PRF. Um dos criminosos teria sido atingido na troca de tiros.

O policial foi ferido por três tiros na região do abdômen e foi socorrido para o hospital de Pirangi do Sul, em Nísia Floresta, e, depois, transferido para um hospital particular em Natal.

De acordo com a assessoria de imprensa da PRF, o estado de saúde do policial é estável. Ninguém foi preso.

G1RN

Governo federal desenvolve Destinos Turístico Inteligentes com divulgação em parceria com a Argentina

DESTINOS INTELIGENTES.jpg

Sem dúvidas o ano de 2021 começou com novidades para o turismo brasileiro. Sendo assim, o Ministério do Turismo firmou parceria com o instituto argentino ICF (Ciudades Del Futuro) e com a SEGITTUR (Sociedade Mercantil Estatal para Gestão da Inovação de Tecnologias Turísticas) para estimular o desenvolvimento de Destinos Turísticos Inteligentes. Logo, a proposta é transformar cidades em locais que proporcionem experiências inovadoras aos visitantes.

Além disso, objetiva a construção de um modelo metodológico que permita o desenvolvimento de Destinos Turísticos Inteligentes no Brasil com vistas à melhoria da gestão e dos níveis de competitividade turística dos destinos.

Associação dos Municípios da Microrregião do Seridó Oriental elege Fernando Antônio, prefeito de Acari, como presidente

Prefeito de Acari Fernando Antônio / Foto cedida

O prefeito da cidade de Acari, Fernando Antônio, foi eleito presidente da Associação dos Municípios da Microrregião do Seridó Oriental-AMSO, em votação unânime. A reunião aconteceu na tarde desta sexta-feira (8), de forma híbrida, na sede da instituição. Fernando recebe do ex-prefeito Isaias Cabral, também de Acari, a presidência da instituição.

Os trabalhos foram presididos pela secretária executiva, Albanita Macedo. A nova composição da diretoria da AMSO para 2021 ficou composta pelo prefeito da cidade de Acari, Fernando Antônio, como presidente; Tiago Almeida de Parelhas, como vice-presidente; segundo vice-presidente Raimundo Marcelino, o Novinho de Cerro Corá.

No Conselho Fiscal, foram eleitos como membros titulares, a prefeita de São Vicente, Jane Maria, como presidente; Joaquim de Medeiros, de Cruzeta como 2º membro; Marcelo Porto, de Bodó como 3º membro; já os membros suplentes são: Luciano Santos  de Lagoa Nova, Saint Clay, o Galo, de Florânia e Cletson Rivaldo de Equador.

O presidente da instituição, Fernando Antônio, agradeceu a todos os associados pela confiança depositada em seu nome e nos demais membros da diretoria, ressaltando a necessidade de cooperação mútua entre os municípios associados para enfrentamento dos problemas. “Minha colaboração é no sentido de fortalecer o movimento municipalista e contribuir para que os assuntos regionais sejam discutidos através da AMSO na busca de soluções”, contou.

Consórcio Intermunicipal de Saúde

Ainda durante da reunião ficou decidido os membros do Consórcio Intermunicipal de Saúde dos Municípios da Microrregião do Seridó Oriental-CIS/AMSO. O prefeito de Carnaúba dos Dantas, Gilson Dantas, foi eleito presidente, Luciano Santos de Lagoa Nova, como vice-presidente e Hudson Pereira de Santana do Seridó como 2º vice-presidente.

Para Gilson um desafio a frente do Consórcio Intermunicipal já que saúde é um assunto que preocupa todos os gestores. “Através de um consenso chegamos a esta definição do meu nome e tenho a missão de fortalecer as políticas públicas direcionadas a oferta de serviço a população de saúde. O consórcio vem somar, junto às prefeituras, para ampliar a oferta de demanda de saúde aos seus cidadãos”.

“Todas as vacinas que estão no Instituto Butantan serão, a partir desse momento, incorporadas ao PNI”, anuncia ministro Eduardo Pazuello

Vacina no Brasil: Pazuello diz AstraZeneca foi melhor opção na época
Foto da Internet

Oministro da Saúde, Eduardo Pazuello, confirmou, nesta quinta-feira (07/01), a assinatura de contrato com o Instituto Butantan que permite a incorporação de mais 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Os esclarecimentos foram dados em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, um dia após a publicação da Medida Provisória (MP) que facilita e agiliza a compra de vacinas, insumos, bens e serviços de logística para a campanha de imunização.

“Hoje nós assinamos com o Butantan o contrato para a entrega das primeiras 46 milhões de doses até abril e de mais 54 milhões no decorrer do ano. Essa aquisição só foi possível dessa forma por causa da MP assinada pelo presidente Jair Bolsonaro”, disse o ministro.

Na sequência, Pazuello falou ainda sobre a distribuição dos imunizantes. “Todas as vacinas que estão no Butantan serão, a partir desse momento, incorporadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Elas serão distribuídas de forma equitativa e proporcional, assim como as vacinas da AstraZeneca”, explicou o ministro, ressaltando o contrato já firmado pelo Governo Federal para a aquisição de doses e transferência de tecnologia da farmacêutica que produz a vacina de Oxford.

O ministro também destacou o adiantamento de 2 milhões de doses da vacina da Astrazeneca, que serão importadas da Índia pela Fiocruz. Ao todo, o Brasil já tem garantidas 254 milhões de doses do imunizante da farmacêutica, que será produzida no país pela Fiocruz.

Pazuello também destacou que a MP vai ampliar o processo de aquisição de vacinas e insumos ao longo de 2021 e ressaltou que a vacinação terá início após o registro definitivo ou para uso emergencial por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A nossa agência reguladora é que vai atestar a eficácia e a segurança para os brasileiros. Não tenho dúvidas de que a Anvisa está empenhada para ser célere e efetiva”, disse.

A coletiva de imprensa também contou com a presença do secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco; do secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros; e do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos, Hélio Angotti Neto, que detalharam as ações do Ministério da Saúde para a aquisição de vacinas e insumos.

VACINAÇÃO

O Ministério da Saúde trabalha com três possibilidades de data para o início da vacinação no Brasil, ressaltadas pelo ministro Eduardo Pazuello: 

-Até 20 de janeiro: melhor hipótese, com o uso das vacinas do Instituto Butantan e as doses da vacina da Astrazeneca importadas da Índia;

-20 janeiro a 10 de fevereiro: hipótese intermediária, já com vacinas produzidas no Brasil pelo Butantan e pela Fiocruz;

-10 de fevereiro até início de março:  hipóteses de vacinação mais tardia.

Sobre as vacinas, atualmente o Brasil possui 354 milhões de doses asseguradas para 2021:

-2 milhões da AstraZeneca importadas pela Fiocruz;

-100,4 milhões da Fiocruz/AstraZeneca até julho (produção nacional com IFA importada);

-110 milhões da Fiocruz/AstraZeneca (produção integral nacional de agosto a dezembro);

-100 milhões de doses do Butantan/Sinovac.

Além disso, o Brasil faz parte do consórcio Covax Facility, iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) com 10 laboratórios para acelerar o desenvolvimento, fabricação e acesso igualitário de vacinas conta a Covid-19 – a aliança prevê 42,5 milhões de doses para a população brasileira.

O Ministério da Saúde também está em processo de negociação com os laboratórios Janssen, Pfizer e Moderna, dos Estados Unidos; Barat Biotech, da Índia; e União Química, produtor da vacina russa Sputinik V.

SERINGAS E AGULHAS

O Brasil já tem disponíveis cerca de 80 milhões de seringas e agulhas nos estados e municípios. O número é suficiente para iniciar a vacinação ainda em janeiro.

A Organização Panamericana de Saúde (OPAS) garantiu reforço de 8 milhões de seringas e agulhas para final de janeiro até início de fevereiro – no total, serão 40 milhões de unidades. Outras 30 milhões já requisitadas pelo Ministério da Saúde à Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO).

O pregão eletrônico feito pelo Ministério da Saúde, ocorrido na forma da lei, com todos as etapas e prazos previstos,

proporcionará a aquisição de cerca de 7 milhões de unidades de seringas e agulhas – um novo pregão está em andamento para aquisição de mais produtos.

Outras ações junto à Abimo e OPAS também irão garantir a aquisição de mais lotes de seringas e agulhas para vacinação da Covid-19.

ENTENDA A MP

Editada pelo presidente Jair Bolsonaro, a Medida Provisória (MP), publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na última quarta-feira (06/01), simplifica os processos de aquisição de vacinas, insumos, logística, tecnologia da informação e comunicação, além de treinamentos destinados à vacinação contra a Covid-19.

Segundo a normativa, que tem força de lei, a aplicação dos imunizantes deverá seguir o Plano Nacional de Operacionalização de Vacinação contra a Covid-19, elaborado pelo Ministério da Saúde. O início da vacinação ocorrerá após a autorização temporária de uso emergencial ou o registro de vacinas concedidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Além disso, o Governo Federal poderá firmar contratos sem licitação para contratação de imunizantes e insumos antes do registro sanitário ou da autorização temporária de uso emergencial pela Anvisa. Também autoriza a contratação de bens e serviços de logística, tecnologia da informação e comunicação, comunicação social e publicitária, treinamentos e outros bens e serviços necessários a implementação da vacinação.

A MP permite que a Anvisa conceda autorização excepcional e temporária para importação e distribuição de vacinas contra a Covid-19, materiais, medicamentos ou insumos, se o material tiver sido registrado e autorizado para distribuição por, no mínimo, uma das seguintes autoridades internacionais, em seus respectivos países:

•        Food and Drug Administration – FDA, dos Estados Unidos da América;

•        European Medicines Agency – EMA, da União Europeia;

•        Pharmaceuticals and Medical Devices Agency – PMDA, do Japão;

•        National Medical Products Administration – NMPA, da República Popular da China; e

•        Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency – MHRA, do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.

O texto orienta que o profissional de saúde responsável pela aplicação da dose informe ao paciente ou seu representante legal que o produto não tem registro definitivo na Anvisa e foi autorizado apenas para uso emergencial – conforme prevê normativa da agência para assinatura de termo de consentimento. Também deverá esclarecer sobre riscos e benefícios e prestar outros esclarecimentos que possam surgir.

Do Ministério da Saúde

EUA: Trump reconhece vitória de Joe Bidin, bolsas de valores têm leve alta

Trump condena ataque feito ao Capitólio/ Fotos da Internet

As declarações “pacificadoras” do presidente americano, Donald Trump, chegaram como um alívio para os investidores após as turbulências dos últimos dois dias. Nesta sexta-feira, os principais índices apresentam leves altas, dando continuidade ao clima de otimismo e a expectativa por novos estímulos com a maioria democrata no Senado. Trump, após um discurso dúbio enquanto seus apoiadores invadiam o Capitólio, mudou de tom e condenou ontem a invasão pela primeira vez, dizendo que o ato foi marcado por “ilegalidade e caos”.

O presidente disse também que fará a transição para a posse de Joe Biden no próximo dia 20. Outro tema no radar dos investidores nesta sexta-feira são os números de desemprego nos EUA: a criação de empregos deve ser a menor desde o início da retomada, em maio, diante da alta de casos de covid-19 no país. 

Exame

Anvisa recebe pedido de uso emergencial da CoronaVac pelo Instituto Butantan

Caixa da Coronavac, vacina contra a Covid-19, em frente à sede do Instituto Butantan em São Paulo. — Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo
Caixa da Coronavac, vacina contra a Covid-19, em frente à sede do Instituto Butantan em São Paulo. — Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu o pedido de uso emergencial da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, na manhã desta sexta-feira (8). A agência pretende fazer a análise do uso emergencial em até 10 dias.

O pedido foi feito durante uma reunião virtual, por causa da pandemia, às 9h34, segundo o Instituto Butantan. A Anvisa diz que já iniciou a triagem da documentação entregue.

“As primeiras 24h serão utilizadas para fazer uma triagem do processo e checar se todos os documentos necessários estão disponíveis. Se houver informação importante faltando, a Anvisa pode pausar o prazo e solicitar as informações adicionais ao laboratório”, afirmou a Anvisa, em nota.

A agência diz que a análise do pedido de uso emergencial é feita por uma equipe multidisciplinar, e envolve especialista das áreas de registro, monitoramento e inspeção.

O resultado final do estudo sobre a eficácia é a última etapa necessária para que a Anvisa analise o pedido de autorização de uso da vacina na população brasileira.

Caso a agência de vigilância identifique a pendência de alguma informação na documentação enviada, o prazo de análise pode ser superior aos 10 dias. “A meta da Anvisa é fazer a análise do uso emergencial em até 10 dias, descontando eventual tempo que o processo possa ficar pendente de informações , a serem apresentadas pelo laboratório”, diz em nota.

A Anvisa afirmou ainda que “atua, conforme os procedimentos científicos e regulatórios, os quais devem ser seguidos por aqueles que buscam o a autorização de vacinas para serem utilizadas na população brasileira.”

De acordo com o governo de São Paulo, a CoronaVac teve eficácia de 78% para casos leves na terceira fase de testes com cerca de 13 mil voluntários no Brasil. Para redução de casos graves e moderados, o governo anunciou índice de eficácia de 100%, ou seja, não houve casos graves (incluindo mortes) e moderados entre os vacinados.

No entanto, não foi divulgada a taxa de eficácia global, ou seja, não foi informado quantos voluntários que tomaram a vacina foram contaminados pela Covid-19 e nem quantos ficaram doentes após tomarem o placebo.

O governador João Doria (PSDB) chegou a afirmar que o pedido de registro emergencial já havia sido feito na quinta (7) durante coletiva de imprensa, mas depois a informação foi corrigida.

CoronaVac tem eficácia de 78% em testes feitos no Brasil, diz governo de SP

Segundo Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, o pedido de registro definitivo da vacina será feito posteriormente pelo laboratório chinês Sinovac, mas não informou a data exata.

“O pedido de registro da vacina será feito pela Sinovac. A Sinovac recolhe os dados dos estudos da vacina e é ela que submete o pedido oficialmente lá, na NMPA, que é a Anvisa chinesa, e imediatamente o mesmo pedido se estende ao Brasil e a outros países”, afirmou nesta quinta (7).

Segundo a Anvisa, o prazo para a análise do registro definitivo é feita em até 60 dias.

Em meados de dezembro, a Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou as regras para a autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas contra a Covid-19.

Os principais pontos do uso emergencial das vacinas são seguintes:

  • Cada pedido deve ser feito pela empresa desenvolvedora e será analisado de forma independente;
  • Decisão será tomada pela Diretoria Colegiada da Anvisa;
  • Serão considerados estudos não-clínicos e clínicos (em humanos);
  • Serão itens avaliados: qualidade, boas práticas de fabricação, estratégias de monitoramento e controle, e resultados provisórios de ensaios clínicos;
  • Empresa interessada deverá comprovar que a fabricação e a estabilidade do produto garantem a qualidade da vacina;
  • Estudo clínico na fase 3 – última etapa de testes – deve estar em andamento e conduzido também no Brasil;
  • Vacina com uso emergencial liberado não pode ser comercializada, ela só pode ser distribuída no sistema público de saúde;
  • Liberação de uso emergencial pode ser revogada pela Anvisa a qualquer momento.

A concessão estabelecida pela Anvisa segue o modelo de autorizações emergenciais adotadas em outros países, como Reino Unido, Estados Unidos e Canadá, e vale apenas para o período de pandemia e até a vacina receber o registro definitivo.

G1SP