Votação na Câmara hoje decide futuro de Dilma

1460418951881

Pouco mais de quatro meses após o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ter aceitado o pedido de impeachment da oposição contra a presidente Dilma Rousseff (PT), o processo passará pela votação dos 513 deputados federais em sessão marcada para a tarde deste domingo (17) na Câmara dos Deputados. O UOL transmitirá a votação ao vivo.

O governo tenta, na reta final, conseguir os 172 votos para barrar o impedimento, enquanto a oposição joga suas fichas para chegar a 342 votos entre os 513 deputados.

Se houver 342 votos favoráveis (dois terços do total de deputados), a Câmara autoriza o Senado a abrir um processo de julgamento da presidente pelos supostos crimes de responsabilidade, tipo de infração política que pode levar ao impeachment.

Após uma eventual aprovação do impeachment na Câmara, a presidente só será afastada do cargo se o Senado também decidir pela continuação do processo. É preciso o voto de 41 dos 81 senadores (maioria simples). Seria, então, formada uma comissão de senadores para analisar o caso, num processo que poderá levar até 180 dias.

GLOBO E BAND NÃO TRANSMITIRÃO VASCO X FLUMINENSE POR IMPEACHMENT

Foto: Nelson Perez/ Fluminense F.C
Foto: Nelson Perez/ Fluminense F.C

Os canais de TV Aberta que detém os direitos de transmissão do futebol brasileiro não transmitirão a partida decisiva da Taça Guanabara entre Vasco e Fluminense. Rede Globo e TV Bandeirantes não mostram em sua grade o duelo e a tendência é que sua programação seja voltada para a votação do Impeachment contra a Presidenta Dilma Rousseff que acontece na tarde deste domingo (17) na Câmera dos Deputados, em Brasília.

Vasco x Fluminense se enfrentam na tarde deste domingo, às 16h, na Arena Amazônia, pela última rodada da Taça Guanabara do Campeonato Carioca. Jogando longe do Rio de Janeiro, o Fluminense tem a vantagem do empate, já que está na frente do Gigante da Colina pelo saldo de gols (8 a 5).

Sem perder desde 1ª de novembro de 2015, o Vasco tem a maior invencibilidade do futebol brasileiro e não quer perdê-la para um rival. O Fluminense, após uma semana turbulenta, conseguiu colocar panos quentes na briga entre o capitão Fred e o treinador Levir Culpi, o que pode ser positivo para o duelo decisivo.

Em ‘conversa tranquila’, secretário de Saúde do RN põe cargo à disposição

16/04/2016 13h06 - Atualizado em 16/04/2016 13h09 Em 'conversa tranquila', secretário de Saúde do RN põe cargo à disposição Assessoria diz que Lagreca deve ficar até o governador nomear substituto. 'Prevaleceu o entendimento e o reconhecimento ao trabalho realizado', diz. Do G1 RN FACEBOOK Ricardo Lagreca concedeu entrevista nesta quinta em Natal (Foto: Divulgação/Sesap) Ricardo Lagreca colocou cargo à disposição do governador Robinson Faria (Foto: Divulgação/Sesap)

O secretário de Saúde do Rio Grande do Norte, médico José Ricardo Lagreca, colocou o cargo à disposição do governador Robinson Faria. Segundo a assessoria de comunicação do governo, o fato aconteceu em meio a uma “conversa tranquila, em que prevaleceu o entendimento e o reconhecimento ao trabalho realizado”.

Segundo nota enviada à imprensa neste sábado (16), a assessoria afirma que o secretário assegurou que permanecerá à frente da pasta, ainda na condução da Saúde estadual, “até que seja definido um novo nome”. O motivo da saída, no entanto, não foi revelado.

A assessoria complementa que o governador deverá anunciar o substituto de Lagreca nos próximos dias.

Governo confia em novo fôlego contra impeachment

Dilma Rousseff: aliados do governo afirmam que foi possível virar quase duas dezenas de votos
Dilma Rousseff: aliados do governo afirmam que foi possível virar quase duas dezenas de votos

Exame – Brasília – O Palácio do Planalto se transformou em um centro de romaria de deputados e governadores nesta sexta-feira, em um movimento de última hora que pode ter dado ao governo fôlego extra para barrar a aprovação do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados.

O clima fúnebre da noite de quinta-feira, quando o governo reconheceu que não alcançaria mais votos suficientes na Câmara, foi substituído no final desta sexta por um otimismo cauteloso. Dilma passou o dia em contato com deputados, pessoalmente e por telefone, e aliados do governo afirmam que foi possível virar quase duas dezenas de votos, aproximando de novo o Planalto de 190 a 200 votos.

“Ultrapassamos os 172 votos que precisamos e temos ainda uma coluna a trabalhar de 36. Estamos bem acima da margem de erro”, afirmou o vice-líder do governo, Sílvio Costa (PTdoB-CE), que afirma ter mostrado à presidente Estado por Estado quantos votos estão garantidos.

“Ela ficou hiper feliz”, garantiu. Durante o dia, a presidente recebeu seis governadores – Maranhão, Ceará, Bahia, Amapá, Paraíba e Piauí  – e parte das bancadas da Bahia e Ceará, além de diversos grupos de deputados. Entre eles, o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, e os ministros peemedebistas Kátia Abreu, da Agricultura, Celso Pansera, da Ciência e Tecnologia, e Marcelo Castro, da Saúde. A maior virada teria vindo do PP, que decidiu nesta semana abandonar o governo e interromper as negociações para ocupar espaços que pertenciam antes ao PMDB.

O vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (MA), afirmou à presidente que votaria com o governo e traria com ele outros 11 deputados do partido. A posição do deputado, que divulgou um vídeo contrário ao impeachment, contudo, levou a executiva do PP a fechar questão nesta sexta-feira a favor do impeachment.

De acordo com um parlamentar que participou dos encontros com a presidente, a “onda favorável” está sim crescendo. O PSD, por exemplo, que também declarou que sairia do governo e encaminharia pelo impeachment, entregaria cerca de 12 votos ao Planalto, segundo o parlamentar. Mas noite desta sexta, devido à pressão do partido, o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, pediu demissão do cargo em caráter irrevogável, segundo disseram à Reuters fontes do Palácio do Planalto.

REUNIÕES

A presidente passou o dia em reuniões, mas também falou com parlamentares por telefone. De acordo com uma fonte palaciana, há um convencimento político de que não haveria uma pacificação com sua saída do governo. “Mas claro, não vamos negar, que existe sim a negociação de cargos”, diz a fonte.

“O clima melhorou muito. Há um entendimento claro que a suposta avalanche (a favor do impeachment) não se verificou. Houve uma reversão de expectativas”, disse o governador do Maranhão, Flávio Dino, um dos que vieram a Brasília para tentar ajudar o governo a reverter votos. Parlamentares citam, ainda, a ação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que passou os últimos dias recebendo dezenas de deputados. Lula, que voltaria a São Paulo na noite de quinta-feira, ficou em Brasília para continuar negociando voto a voto. “O ex-presidente é sem dúvida o fiador de todos os acordos que estão sendo feitos”, disse à Reuters a fonte parlamentar.

Dizer que acabarei com Bolsa Família é “mentira rasteira”, rebate Temer

o-vice-presidente-michel-temer-1460722009167_615x300

Uol – O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), afirmou na manhã deste sábado (16) em sua conta no Twitter (@MichelTemer) que manterá “todos os programas sociais”, incluindo o Bolsa Família.

Foi uma resposta direta do vice-presidente ao vídeo divulgado na noite de sexta-feira (16) pela presidente Dilma Rousseff (PT), em que ela acusou: “Os golpistas já disseram que, se conseguirem usurpar o poder, querem revogar direitos e cortar programas sociais, como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida. Ameaçam, até, a educação”.

Nos tweets publicados esta manhã, Temer também falou da Operação Lava Jato e indicou ser favorável a sua continuidade e evolução: “A Lava Jato tem prestado importantes serviços ao país. Sou jurista e sei do papel fundamental da Justiça e do MP (Ministério Público) para o avanço das instituições”. O vice falou ainda em conciliação, dizendo que defende “a unificação e pacificação dos brasileiros. Não o caos, o ódio e a guerra”. E concluiu: “Só sairemos da crise se todos trabalharem pelo Brasil, não pelos seus interesses pessoais”.

Em vídeo gravado para ir ao ar na noite desta nesta sexta-feira (15), a presidente Dilma Rousseff (PT) diz que “os golpistas querem revogar direitos como Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida”. A divulgação em rede nacional de rádio e TV foi vetada pela Justiça, mas o pronunciamento foi ao ar na internet.

Na gravação, a presidente chama o processo de impeachment de “aventura golpista” e afirma que os programas sociais implantados por seu governo e o de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) estarão sob risco no caso de “os golpistas” que desejam tirá-la do poder terem sucesso em seu objetivo. Veja o vídeo abaixo.

De novo: Dilma diz em vídeo que opositores vão acabar com programas sociais

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou que seus opositores querem revogar direitos como o Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida, em vídeo (veja abaixo) publicado na noite desta sexta-feira (15). A divulgação foi feita apenas na internet e a gravação, postada no Facebook oficial da presidente. “Ameaçam até a educação pública”, diz.

A petista pediu para que os brasileiros “não se deixem enganar” e vejam quem “está liderando esse processo”. Ela chamou, ainda, o processo de impeachment de “aventura golpista”.

No decorrer do vídeo, que tem duração de 6m39, Dilma ataca os opositores: “eles querem derrotar, a qualquer custo, o que represento: o projeto de desenvolvimento e inclusão social pelo qual estamos trabalhando todos os dias nos últimos 13 anos”.

Ela declara, ainda, ser inocente das acusações. “Não há contra mim qualquer denúncia de corrupção ou desvio de dinheiro. Jamais impedi investigação contra quem quer fosse. A denúncia contra mim em análise no Congresso Nacional não passa de uma fraude, a maior fraude jurídica da história do País”, afirma.

Assista:

Mortes causadas por H1N1 chegam a 91 em SP; vacinação atinge 1/3 da meta

9rwdz5llqf_2yd9j1vuwl_file

Notícias R7 – Em uma semana, o número de mortes confirmadas por gripe H1N1 no Estado de São Paulo subiu de 70 para 91, alta de 30%, conforme balanço divulgado nesta sexta-feira (15), pela Secretaria Estadual da Saúde. O número é nove vezes maior do que o registrado em todo o ano passado, quando dez pessoas morreram pela doença. O medo do surto precoce nas cidades paulistas teve reflexo na adesão à campanha de vacinação contra a gripe, iniciada no dia 4 para profissionais de saúde e no dia 11 para idosos, gestantes, crianças e indígenas da capital e da região metropolitana. Em duas semanas de imunização, 36% do público-alvo já foi vacinado.

O balanço mais recente da secretaria mostra ainda que já foram notificados 715 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causados pelo H1N1 neste ano, ante 33 registrados em todo o ano de 2015. Tratam-se dos relatos graves da doença, que exigem internação. Somados todos os tipos de gripe, o Estado já acumula 886 casos de SRAG e 96 óbitos.

Também ontem a secretaria divulgou que 1,6 milhão já recebeu a vacina contra a gripe no Estado de São Paulo, somados os públicos-alvo da capital, da Grande São Paulo e de 67 municípios da região de São José do Rio Preto, onde o surto teve início. O número é 74% maior do que o público vacinado na primeira semana da campanha do ano passado, quando o produto já estava disponível para todos os grupos de risco e em todo o Estado. Na ocasião, 916 mil pessoas foram imunizadas.

Neste ano, ainda não foi iniciada a vacinação para doentes crônicos e puérperas (mulheres que deram à luz há menos de 45 dias) da capital e da Grande São Paulo, que começarão a ser imunizados na próxima segunda-feira, e para o restante dos paulistas que fazem parte dos grupos de risco mas que não moram em nenhuma das regiões onde o imunizante foi oferecido de forma antecipada. Estes só poderão imunizar-se a partir do dia 30, quando a campanha nacional será iniciada.

Comparando os balanços da primeira semana de campanha de 2015 e 2016, é possível ver que o maior crescimento na adesão aconteceu nos grupos dos profissionais de saúde e das crianças. No ano passado, foram 70,8 mil trabalhadores e 123,9 mil crianças imunizadas. Neste ano, já são 402,3 mil e 396,2 mil, respectivamente. Podem ser vacinados maiores de 6 meses até 5 anos incompletos.

Já entre os idosos, o número de imunizados passou de 576 mil para 779 mil no período analisado. No grupo de gestantes, a adesão cresceu de 46,7 mil para 65,2 mil, mesmo com os números do ano passado incluindo também puérperas.

Boa notícia

Para Renato Kfouri, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a alta adesão à campanha já era esperada com o aumento de casos da doença e deve ser comemorada. “É bastante prudente essa procura antecipada porque, depois de aplicada, a vacina ainda demora cerca de três semanas para fazer efeito, então, quanto antes os grupos de risco se imunizarem, mais cedo teremos a população protegida.”

O especialista afirma que a expectativa é de que a meta governamental de vacinar 80% do público-alvo seja atingida daqui a duas semanas no Estado de São Paulo. “No ano passado, só chegamos a esse índice no fim de junho. Infelizmente, nossa cultura é de se preocupar com um problema somente depois que ele aparece”, diz. Conforme o Estado mostrou no fim de março, o índice de paulistas vacinados contra a gripe em 2015 foi o menor dos últimos três anos.

Eunício Oliveira rejeita relatoria do impeachment no Senado

O líder do PMDB do Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou, nesta quinta-feira, 14, que não pretende ser relator do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff se o caso for aprovado na Câmara. O nome de Eunício foi defendido pelo senador Romero Jucá (RR), presidente em exercício do PMDB e um dos principais articuladores do afastamento da presidente. “Qualquer nome do partido está apto para relatar o caso. Eu sou líder. Vou indicar a pessoa no momento certo”, ele disse.

vidjlchtn_18gilp03lk_file

Com trânsito em todos os partidos, Eunício é virtual candidato à Presidência do Senado em fevereiro de 2017, quando se encerra o mandato de Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele não quer que o processo de impeachment contamine seu projeto futuro. Conforme a reportagem apurou, a senadora Marta Suplicy (SP), recém-filiada ao PMDB, pediu para relatar o caso. Contudo, ela não deve ser indicada porque vai disputar a Prefeitura de São Paulo.

Eunício sempre teve bom relacionamento com a presidente Dilma Rousseff e com o ex-presidente Lula, do qual foi ministro das Comunicações. Em 2014, porém, foi candidato a governador do Ceará contra o petista Camilo Santana, que foi apoiado pelos irmãos Cid e Ciro Gomes (PDT). Apesar de ter perdido a eleição para o PT, ele não rompeu com o governo federal.

Mais recentemente, porém, Eunício não aceitou um convite para se reunir com o ex-presidente Lula. Apesar de sua ligação com Renan Calheiros no Senado, Eunício foi deputado federal e, portanto, ainda mantém bons laços com o grupo da Câmara. Atualmente, ele tem mediado as conversas entre Renan e o vice-presidente Michel Temer. Até agora, os dois estiveram em lados opostos em relação ao impeachment. Renan sempre foi contra.

Com a perda de votos, oposição não teria mais número para impeachment

Jornal do Brasil – Na tarde desta sexta-feira (15), a  oposição deixou de contar com dois votos a favor da abertura de processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Grávida de 36 semanas, a deputada federal Clarissa Garotinho (PR-RJ) solicitou licença-maternidade. Ela iria votar a favor do afastamento. No final da tarde, o vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), anunciou que mudaria seu voto de pró para contra o impeachment.

Deputada federal do Rio de Janeiro, pelo PR.
Deputada federal do Rio de Janeiro, pelo PR.

São necessários 342 votos para que o processo seja aprovado perla Câmara. Com a mudança dos dois parlamentares, a conta, que já era apertada, agora tende para Dilma.

Assessores próximos à presidente afirmam que a oposição não tem a folga que alega ter, e que Dilma “não jogou a toalha”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva gravou nesta sexta-feira (15), em Brasília, uma mensagem ao país e aos deputados sobre a votação do pedido de abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados, no domingo (17). Em sua mensagem, ele reafirma a confiança na vitória: “Vamos derrotar o impeachment e encerrar de vez essa crise”.

Representantes de movimentos sociais e entidades sindicais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), de partidos políticos e frentes, como Brasil Popular e Povo Sem Medo, participaram na noite desta sexta-feira (15), na Praça Castro Alves, no centro da capital baiana, de uma passeata de protesto contra o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, cuja admissibilidade está sendo discutida na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Segundo a Polícia Militar da Bahia, 20 mil pessoas se concentraram na Praça Dois de Julho, no Campo Grande, e de lá caminharam em direção à  Praça Castro Alves, onde finalizam a manifestação.

Calamidade na segurança: Direção da maior penitenciária do RN confirma nova fuga

Saída do túnel foi encontrada na manhã deste sábado (16) por policiais militares da Força Nacional (Foto: Divulgação/Força Nacional)
Saída do túnel foi encontrada na manhã deste sábado (16) por policiais militares da Força Nacional (Foto: Divulgação/Força Nacional)

G1 – A direção da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, maior presídio do Rio Grande do Norte, informou na manhã deste sábado (16) que houve uma nova fuga na unidade. Policiais militares da Força Nacional encontraram um túnel aberto do lado de fora. A quantidade de fugitivos, no entanto, ainda não foi confirmada.

Vice-diretor de Alcaçuz, Juciélio Barbosa da Silva disse ao G1 que a fuga aconteceu por um túnel escavado a partir do pavilhão 1. Uma recontagem deve ser feita ainda nesta manhã. Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal. Atualmente, a unidade possui 1.100 detentos. A capacidade, no entanto, é para 620.

Fugas
O sistemal prisional potiguar passa por uma grave crise. Sem contar com a fuga deste sábado em Alcaçuz, 153 detentos já conseguiram escapar de unidades prisionais do estado somente este ano. Na última segunda (11), quatro presos fizeram uma ‘pirâmide humana’ e fugiram da CadeiaPúblia de Mossoró, na região Oeste do estado.

Calamidade
O governo do Rio Grande do Norte renovou por mais seis meses o decreto de calamidade no sistema prisional potiguar. A renovação, assinada pelo governador Robinson Faria, foi publicada na edição do dia 17 de março do Diário Oficial do Estado (DOE). O documento diz que a renovação tem por objetivo “legitimar a adoção e execução de medidas emergenciais que se mostrarem necessárias ao restabelecimento do seu normal funcionamento”.

Pestista acreditam na sua propria mentira: teremos mais de 200 votos contra impeachment

2015-795889962-2015030345176.jpg_20150303

O líder do Governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou nesta sexta-feira, 15, que tem um levantamento com mais de 200 votos contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Não teremos menos de 200 votos na disputa no plenário”, disse.

Em discurso na tribuna, Guimarães afirmou que o “golpe travestido de impeachment” não tem causa nem fundamento.

“Podemos até ter eleições gerais, mas jamais brotar uma eleição indireta aqui dentro para governar o Brasil”, disse, criticando a postura do vice-presidente Michel Temer, que, segundo ele, já estaria articulando um governo ainda incerto. “Temer presidente e Cunha vice é a saída para o Brasil? Não me parece.” Disse Guimarães.

Justiça rejeita ação para barrar pronunciamento de Dilma

size_810_16_9_dilma-rousseff

Exame – A Justiça Federal negou hoje (15) pedido do Solidariedade para impedir a veiculação do pronunciamento da presidente Dilma Rousseff, que seria transmitido esta noite em cadeia nacional de rádio e televisão.

A decisão foi tomada após a confirmação de que Dilma cancelou o pronunciamento.

Na decisão, a juíza Ivani Silva da Luz, da 6ª Vara Federal no Distrito Federal, entendeu que o partido não tem legitimidade para entrar com uma ação civil pública, de acordo com a Lei 7.347/1985.

“Os partidos políticos não estão incluídos no Art. 5º, cujo rol é taxativo, razão pela qual não têm legitimidade ativa para o ajuizamento da ação civil pública”, decidiu.

De acordo com a norma, podem entrar com a ação o Ministério Público, a Defensoria Pública, a União e os estados e municípios.

Ao cancelar o pronunciamento, o Palácio do Planalto preferiu não criar conflitos antes da votação do processo de impeachment pela Câmara dos Deputados, no próximo domingo (17).

No pronunciamento, Dilma dirigiria mensagem à população na qual condenaria o processo em curso contra ela e diria que não cometeu crime de responsabilidade.

Ainda não há uma decisão se a mensagem vai ser veiculada nas redes sociais de hoje (15) para amanhã (16), mas não está descartada a possibilidade de o pronunciamento ir ao ar neste sábado.

O vídeo teria sido gravado pela presidente na manhã de hoje, no Palácio da Alvorada, sua residência oficial.

Seis homens armados assaltam loja de eletrônicos em Natal

Assalto aconteceu na tarde desta sexta-feira na Zona Leste de Natal (Foto: Kléber Teixeira/Inter TV Cabugi)
Assalto aconteceu na tarde desta sexta-feira na Zona Leste de Natal (Foto: Kléber Teixeira/Inter TV Cabugi)

Um loja de móveis e eletrônicos foi assaltada na tarde desta sexta-feira (15) no Barro Vermelho, na Zona Leste de Natal. Seis homens armados invadiram o estabelecimento comercial que fica na Avenida Prudente de Moraes e roubaram pelo menos 80 celulares, segundo a gerência do local.

De acordo com a Polícia Militar, testemunhas contaram que os seis homens entraram na loja armados, dois ficaram no salão se passando por clientes enquanto outros quatro foram para o depósito. Eles roubaram os celulares novos e fugiram em seguida. A polícia fez diligências na região, mas ninguém foi preso.

G1

Dilma deve fazer pronunciamento na TV nesta sexta contra impeachment

Dilma pode ser a segunda presidente do Brasil a ser impedida.
Dilma pode ser a segunda presidente do Brasil a ser impedida.

A presidente Dilma Rousseff deve fazer um pronunciamento na TV na noite desta sexta-feira (15) contra o processo de impeachment que enfrenta na Câmara dos Deputados.

Na manhã desta sexta, a Câmara deu início à sessão para partidos e parlamentares se pronunciarem sobre o processo de afastamento da presidente. A votação para decidir se a Casa abrirá ou não o processo de afastamento ocorrerá no domingo (17) à tarde.

Dilma tem participado desde as últimas semanas de atos com grupos contrários ao impeachment, como juristas, artistas, intelectuais, mulheres, educadores e movimentos sociais.

Nesses encontros, ela tem enfatizado que o seu pedido de afastamento não tem base jurídica, é uma “farsa” e, por isso, é um “golpe”. Ela também tem dito que “jamais” renunciará ao cargo.

Na estratégia de mostrar que, mesmo diante de um cenário de turbulência política ainda tem apoio de setores da sociedade, Dilma deverá participar neste sábado (16) do ato “Movimentos Populares pela Democracia e Contra o Golpe”, em Brasília.

Para o domingo, há a expectativa entre assessores do Planalto de que a presidente se posicione após o resultado da votação do impeachment na Câmara.