Detento com tornozeleira eletrônica é preso suspeito de homicídio em Natal

tonr

G1 – A Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) prendeu em flagrante, na manhã deste domingo (29), um casal suspeito de ter baleado Francisco Eduardo da Silva Malaquias, de 18 anos. O crime aconteceu no sábado (28) no bairro de Igapó, na Zona Norte de Natal. A vítima morreu no hospital. De acordo com a polícia, o suspeito usava tornozeleira eletrônica.

Francisco foi baleado quando estava na esquina da travessa Marcílio Dias com a rua São Pedro, no bairro de Igapó, acompanhado pela mãe, namorada e um amigo. Segundo a polícia, o casal chegou em uma motocicleta, perguntou se Francisco fazia parte de uma facção criminosa e, em seguida, atirou. Um dos disparos atingiu o amigo da vítima, que foi socorrido e passa bem. Francisco Eduardo ainda chegou a ser levado para o Hospital Santa Catarina, mas não resistiu ao ferimento. “Logo após a morte do rapaz, uma equipe nossa foi até o hospital e começou a investigação”, disse Ben-Hur Medeiros, diretor da DHPP.

A equipe de investigação contou com a colaboração do soldado Figueiredo da Polícia Militar, que descobriu que o autor dos disparos usava tornozeleira eletrônica. “Ele buscou, junto ao sistema prisional, o necessário para identificar o suspeito. Com base nas informações, encontramos Bruno Araújo da Costa, de 22 anos, conhecido como Bruninho, e sua namorada, que tem 19 anos”, afirmou Luciano Costa Chaves de Almeida, delegado responsável pelo caso.

Com base na investigação, a Polícia Civil descobriu que o casal, suspeito do crime, estava em casa no bairro Vale Dourado, também na Zona Norte da cidade. No local, os policiais civis encontraram a motocicleta que teria sido usada no momento do crime. Eles foram até a casa da mãe de Bruninho e lá encontraram um revólver calibre 38, com numeração adulterada, carregado com munições. Bruno Araújo e namorada foram presos em flagrante.

Candidatos podem consultar vagas disponíveis no Sisu; inscrições começam amanhã

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706Os candidatos a entrar no ensino superior público já podem consultar as vagas disponíveis no portal do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A consulta pode ser feita por instituição, por cidade ou por curso no site do Sisu.  Nesta edição, são ofertadas 56.422 vagas em 65 instituições públicas de ensino superior para o segundo semestre deste ano.

As inscrições poderão ser feitas de segunda-feira (30) a 2 de junho. O número de vagas aumentou 1,5% em relação às cerca de 55,6 mil ofertadas no segundo semestre do ano passado. Podem participar do Sisu os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015 e não tiraram zero na redação.

O resultado será divulgado no dia 6 de junho e a matrícula deverá ser feita entre os dias 10 e 14. Aqueles que não forem selecionados poderão participar da lista de espera, entre 6 e 17 de junho.  Os candidatos na lista começarão a ser convocados a partir do dia 23 de junho.

‘Temer terá de se ajoelhar para Cunha’, diz Dilma

BBtBbyQ.imgNa primeira entrevista concedida 18 dias depois de ser afastada, a presidente afastada Dilma Rousseff fez duros ataques ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a quem, segundo ela, “Temer terá de se ajoelhar”. A entrevista foi concedida na última quinta-feira ao jornal “Folha de S. Paulo”, e publicada na edição antecipada deste domingo.

“O Eduardo Cunha é a pessoa central do governo Temer. Isso ficou claríssimo agora, com a indicação do André Moura (para líder do governo na Câmara). Cunha não só manda, ele é o governo Temer. E não há governo possível nos termos do Eduardo Cunha” disse ela, completando: “Vão ter de se ajoelhar”.

Dilma disse ter sido traída por Michel Temer. Perguntada se seu vice tinha lhe traído, respondeu: “Óbvio. E não foi no dia do impeachment, foi antes, em março. Quando as coisas ficaram claríssimas”, disse ela, emendando: “Você sempre acha que as pessoas têm caráter”.

Sobre as conversas vazadas entre o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, e líderes do PMDB, como ex-ministro Romero Jucá e o presidente do Senado, Renan Calheiros, a presidente disse que os áudios revelam que o partido de Michel Temer pretendia, ao assumir o governo, barrar as investigações da Lava-Jato.

“Eles (os áudios) mostram que a causa real para o meu impeachment era a tentativa de obstrução da operação Lava-Jato por parte de quem achava que, sem mudar o governo, a sangria continuaria”, disse ela, referindo-se principalmente à Jucá, que perdeu o cargo após ser flagrado tratando do que eloe chamou de “delimitar” as investigações.

Dilma diz ainda acreditar que poderá voltar à Presidência. “Nós podemos reverter isso. Vários senadores, quando votaram pela admissibilidade, disseram que não estavam declarando (posição) pelo mérito (das acusações). Então eu acredito”.

Dilma voltou classificar de golpe o processo que levou ao seu afastamento. “Sinto muito, sabe, sinto muuuuuito se uma das características do golpe é detestar ser chamado de golpe”. Dilma, reforçou a tese de que não houve crime de responsabilidade na sua gestão.

Sobre as medidas na economia tomadas pelo novo governo, Dilma foi irônica: “O pato tá calado, sumido. O pato está impactado. Nós vamos pagar o pato do pato, é?”. Sobre a emoção quando deixou o Palácio do Planalto, disse: “Eu não choro, não. Nas dores intensas, eu não choro. Cada um é cada um, né?”.

Secretário de Segurança do RN vai a local de morte após guerra de facções

Secretário de Segurança do RN desceu as escadarias e caminhou entre becos e vielas da 'Favela do Japão', na Zona Oeste de Natal (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)
Secretário de Segurança do RN desceu as escadarias e caminhou entre becos e vielas da ‘Favela do Japão’, na Zona Oeste de Natal (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)

O secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Norte, Ronaldo Lundgren, desceu as escadarias e caminhou entre becos e vielas da comunidade Novo Horizonte, mais conhecida como ‘Favela do Japão’, na Zona Oeste de Natal. Foi na noite desta sexta-feira (27), logo após uma intensa troca de tiros envolvendo facções criminosas que disputam o tráfico de drogas na região. Um homem morreu.

'Missão Japão': imagem com várias armas foi divulgada nas redes sociais logo após o confronto na comunidade (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
“Missão Japão” divulgada nas redes sociais

Usando colete à prova de balas e escoltado por policiais militares, Lundgren foi até onde estava o corpo e falou sobre o conflito. “Ela (a PM) entrou no local, conseguiu interromper a disputa entre duas facções e está controlando a área. Então esse é o nosso trabalho. É o trabalho que a polícia vem fazendo todo dia. Então a população fique tranquila que a polícia está agindo e vai continuar agindo para manter a paz”, afirmou o secretário.

Ainda na noite desta sexta, logo após o confronto, uma fotografia que mostra sete armas de fogo começou a circular nas redes sociais. A imagem foi atribuída ao conflito ocorrido na ‘Favela do Japão’. Com carregadores de pistola e munições, foram formadas palavras que pode-se entender como: ‘RN MISSÃO JAPÃO’.

General de Brigada do Exército brasileiro, Ronaldo Pierre Cavalcanti Lundgren assumiu a Sesed no dia 13 deste mês. Ao tomar posse, disse que a segurança pública no Rio Grande do Norte passou um período sem receber a atenção devida. Apesar disso, afirmou que encara com otimismo a nova missão. “Eu vejo que as forças policiais do RN vêm cumprindo a missão e o cidadão que mora aqui deve ter um orgulho muito grande”, ressaltou. Foi ele quem comandou, em 2014, a ocupação do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

Capitão Styvenson faz declarações indevidas contra a PM e Polícia Civil

sty_1G1 – Causou revolta, indignação e decepção, principalmente a agentes e delegados da Polícia Civil potiguar, um comentário que se espalhou pelas redes sociais neste sábado (28) feito pelo capitão da Polícia Militar Styvenson Valentim, coordenador da Operação Lei Seca no Rio Grande do Norte. “Policial civil ganha muito bem para não fazer nada. Delegado ganha 23 mil reais para não fazer nada”, disse o capitão.

A declaração está em um áudio de quase dois minutos que vazou de um grupo de WhatsApp. Nela, Styvenson fala com uma mulher sobre como proceder após ela ter se envolvido numa determinada ocorrência de trânsito. O G1 tentou falar com Styvenson logo no início da manhã, mas os telefones do capitão estavam desligados. Novas ligações foram feitas por volta das 8h, mas ainda permaneciam sem sinal.

Em nota, divulgada na noite do sábado, o Sindicato dos Policiais Civis e Servidores da Segurança Pública do RN (Sinpol/RN) disse que a declaração do capitão “é despropositada e, principalmente, desrespeitosa para com uma categoria que tanto faz pela segurança pública doRio Grande do Norte”. E que “ao contrário do que pensa e declara o capitão Styvenson, os policiais civis trabalham duro diariamente, mesmo sem muitas vezes disporem de condições e estrutura adequada”. E complementa:  “Acontece que, ao contrário do próprio capitão Styvenson, os policiais civis não usam a mídia para promoção pessoal e nem para expor o trabalho que é feito diariamente. Os policiais civis trabalham de maneira silenciosa, usando de inteligência e ferramentas investigativas (ver nota completa abaixo)”.

Já a Associação dos Delegados de Polícia Civil do Rio Grande do Norte (Adepol/RN), disse que “o referido oficial desqualifica, afronta e agride a categoria e a instituição Polícia Civil”, e que “o capitão Styvenson atacou, de forma grosseira, a honra de uma categoria que é reconhecida pela sociedade potiguar pelo seu profissionalismo e comprometimento, atributos que devem ser preservados, sob pena de comprometer a própria ordem pública”. Ainda de acordo com a associação, “generalizar e colocar na vala comum todos os integrantes de uma instituição é uma medida arrogante e presunçosa (ver nota completa abaixo)”.

Nem a Polícia Militar nem a Secretaria Estadual de Segurança Pública se manifestaram sobre o assunto.

O capitão Styvenson Valentim começou a ganhar notoriedade em 2014, quando recebeu a missão de comandar a Operação Lei Seca no estado. Considerado um policial extremamente honesto em razão do pulso firme, rigidez e correção na forma de conduzir o trabalho que desenvolve, logo virou notícia. Nas ruas, é tratado como celebridade.

Transcrição do áudio que se espalhou pelas redes sociais
“Pois vou esclarecer uma coisinha para a senhora: policial civil ganha muito bem para não fazer nada. Delegado ganha 23 mil reais para não fazer nada. Delegado acha que tem poder sobrenatural, entendeu?… para não fazer nada. Ontem mesmo eu denunciei as delegacias que não querem trabalhar, só isso. Preguiça. Preguiça. Se a senhora quiser colocar isso pra frente, segunda-feira eu vou estar no Detran, a gente senta e eu vou dizer passo a passo o que a senhora tem que fazer, porque isso é um absurdo. Isso é um crime. Sabe por que? Porque se tivesse vítima fatal, se fosse alguém que tivesse morrido, e aí? ia ficar como? Aí ia ser preso? Ia colocar filmagem de Midway? Iam no posto de gasolina pra saber onde estava bebendo? Que dizer, que porra de lei é essa nesse país de merda que as coisas só funcionam para um lado, para o outro não? Então estou revoltado. E só revendo o seu questionamento sobre a Operação Lei Seca, a que eu comando não pertence a este estirpe de gente, não. Não pertence a este nipe de pessoas, não. Entendeu? O policiamento que eu faço depende de mim e só de mim mesmo. É por isso que a coisa é bem feita. Entendeu? Não sou vinculado a CPRE, mal sou vinculado à Polícia Militar e Detran. Então, as coisas que eu faço não é por instituição não, é por mim mesmo. Então, separo, porque quando faço uma coisa faço muito bem feita. Eu teria ido até o final nessa situação aí. Dona STTU? deve sim ir para a delegacia. Os agentes? Devem ir para a delegacia. Deveria ter ido todo mundo para a delegacia. Todos os envolvidos. Todo mundo é testemunha do fato. Todos deveriam ter ido, não era só a STTU, não. Todos deveriam ser ouvidos. Todos. Porque o código de trânsito prevê, não é só a questão do agente fiscalizador presenciar o fato. Mas, na verdade, vocês iriam entrar era como testemunha da ocorrência”.

Nota do Sinpol/RN
O Sinpol/RN vem a público expressar seu total repúdio a recente declaração dada pelo capitão Styvenson Valentim a respeito dos policiais civis do Rio Grande do Norte. Em áudio divulgado nas redes sociais, o oficial da PM potiguar ataca policiais civis dizendo que estes “ganham muito bem para não fazer nada”.

Tal declaração é despropositada e, principalmente, desrespeitosa para com uma categoria que tanto faz pela segurança pública do Rio Grande do Norte. Ao contrário do que pensa e declara o capitão Styvenson, os policiais civis trabalham duro diariamente, mesmo sem muitas vezes disporem de condições e estrutura adequada.

Acontece que, ao contrário do próprio capitão Styvenson, os policiais civis não usam a mídia para promoção pessoal e nem para expor o trabalho que é feito diariamente. Os policiais civis trabalham de maneira silenciosa, usando de inteligência e ferramentas investigativas.

O Sinpol/RN respeita o trabalho desenvolvido pela equipe do capitão Styvenson na Lei Seca, mas ressalta que a opinião dele sobre a categoria policial civil não condiz com a realidade. Reforçamos que se o referido oficial teve qualquer problema com algum integrante da Polícia Civil que procure as esferas competentes para tentar solucionar tal problema, ao invés de usar redes sociais para atacar toda uma classe profissional.

Reiteramos nossa estima a todas as instituições que fazem a Segurança Pública do Rio Grande do Norte com a certeza de que o posicionamento e comportamento do capitão Styvenson não é uma regra dentro da Polícia Militar. Os policiais civis, assim como militares, federais ou rodoviários merecem respeito do capitão Styvenson e de todos os cidadãos.

Por fim, frisamos que em nome de todos os policiais civis iremos tomar medidas cabíveis para exigir, no mínimo, uma retratação por parte do capitão Styvenso.

Nota da Adepol/RN
A Associação dos Delegados de Polícia Civil do Rio Grande do Norte (Adepol/RN) vem a público manifestar total repúdio às graves declarações imputadas ao capitão PM Styvenson Valentim, coordenador da Lei Seca no Estado, que ganharam repercussão nas redes sociais da internet hoje, 28 de maio de 2016, quando o referido oficial desqualifica, afronta e agride a categoria e a instituição Polícia Civil.

O capitão Styvenson atacou, de forma grosseira, a honra de uma categoria que é reconhecida pela sociedade potiguar pelo seu profissionalismo e comprometimento, atributos que devem ser preservados, sob pena de comprometer a própria ordem pública. Generalizar e colocar na vala comum todos os integrantes de uma instituição é uma medida arrogante e presunçosa.

Surpreendem as declarações, posto que a Polícia Judiciária, apesar dos parcos recursos disponíveis, se esforça ao máximo, ao longo dos anos, para proporcionar maior segurança à sociedade potiguar. Muitos são os profissionais que trabalham diuturnamente, com risco à própria vida, para diminuir os altos índices de criminalidade que assolam o estado potiguar. Este esforço e dedicação não podem ser jogados à lama por questões alheias aos interesses coletivos.

Existe toda uma ordem jurídica e legal a ser seguida nas ocorrências policiais, não podendo o Delegado de Polícia exercer suas atividades ao arrepio da Lei, apenas para atender pretensão individual de quem quer que seja. Vivemos em um Estado Democrático de Direito!!!

A Adepol/RN ingressará com as medidas judiciais e administrativas contra o agressor, por entender que ele, além de praticar uma transgressão disciplinar, maculou, de forma injusta, a honra dos Delegados de Polícia, categoria centenária no sistema jurídico brasileiro, exercendo atribuição essencial à justiça e exclusiva de Estado, e, não por outro motivo, é considerada a primeira garantidora dos direitos fundamentais do cidadão.

O aparelho da segurança pública é formado por instituições que devem agir entre si com ética, respeito e profissionalismo, buscando sempre o aprimoramento do trabalho e melhor resposta ao anseio popular e ao cumprimento da Justiça.

Por fim, a Adepol/RN acredita que a manifestação do referido capitão não é compartilhada pela Polícia Militar, instituição que, cotidianamente, anda ao lado dos Delegados de Polícia no combate à criminalidade e na manutenção da ordem pública e defesa do cidadão.

MAIS COMPROVAÇÕES DE QUE HÁ DOCUMENTOS FALSOS QUE PROMOVEU A ELEIÇÃO NA IEADERN EM 2012

Documentações comprovam que Ata da Assembleia Geral Ordinária, que dizem que ocorreu no dia 23 de dezembro de 2011, é falsa.

O segundo secretário, o pastor Adelmo Ribeiro fez declaração, que já se encontra nos autos, de que não fez a referida Ata, acima citada, e que tampouco assinou. Além de a assinatura  do então presidente Raimundo João de Santana (in memoria) não ser compatível com a do mesmo.

Desta forma ficando devidamente comprovado a falsificação de documento que findou promovendo de forma ilegitima a eleição do atual presidente, o pastor Martim Alves da Silva.

Isso não tem nada haver com questões pessoais em desfavor do atual presidente, já que no período, em 2012, ele era apenas um candidato. Se o eleito tivesse sido o pastor Ivan Gonçalves, com certeza nossa luta em favor da verdade seria a mesma, caso tal documento tivesse sido confeccionado. Já que a Escritura Sagrada diz: “Escrevo-te estas coisas, esperando ir ver-te bem depressa; Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade. (1 Timóteo 3:14,15)

Em sua defesa a Diretoria da igreja disse que o pastor Adelmo Ribeiro, havia se esquecido de assinar a Ata em questão, o que não é verdade.

Até quando vocês cultuarão a Deus com uma mentira entre os senhores? Vocês tem certeza de que, se Jesus vier agora, como pregam, vocês serão de fato arrebatados para estarem com o Senhor? O que os senhores irão dizer a seus filhos e netos sobre a honestidade? Como ser Cristão tomando lucro com a mentira.

Não acreditar em mim; faz bem!

Mas vejam abaixo documentação que está nos autos que comprovam que estamos em defesa da verdade, e da igreja que está na IEADERN.

Esta luta é de Deus, e desde o início desta, Deus tem  me orientado como proceder em favor da verdade.

Laurivan de Sousa

Diácono da IEADERN

Parte da Ata (falsa) da AGO do dia 23/12/2012 que diz que os pastor Adelmo Ribeiro assinou sem ter feito.
Parte da Ata (falsa) da AGO do dia 23/12/2012 que diz que os pastor Adelmo Ribeiro assinou sem ter feito.
A diferença da assinatura do pastor Raimundo João de santana é nítida. Essa é a verdadeira de uma Ata anterior.
A diferença das assinaturas do pastor Raimundo João de Santana nos dois documentos acima é notória. Doc. de 2010 com assinatura verdadeira.
IMG_20160222_135252524
Declaração voluntária do pastor Adelmo Ribeiro confirmando a verdade defendida por este diácono.

“As facções não nos intimidam, a ordem é ir para cima deles”, diz secretário de Segurança

noticia_141656

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), Ronaldo Lundgren, falou na manhã de hoje (28) sobre o confronto ocorrido ontem entre as principais facções criminosas do Estado e acerca da atuação das forças de segurança. “Essas facções não nos intimidam, eles não irão mudar nossa forma de agir diante dos fatos e a nossa ordem é ir para cima deles”, disse.

Ele comentou que essas facções não intimidam as forças policiais e que elas não vão mudar sua forma de agir diante desses fatos e que a ordem é ir pra cima.

Ronaldo Lundgren esteve ontem na Favela do Japão, onde aconteceu uma troca de tiros entre membros das facções criminosas: Sindicato do Crime do Rio Grande do Norte e Primeiro Comando da Capital (PCC). Para o secretário, a ida ao local foi necessária para conhecer a região e traçar estratégias de segurança.

“Eu quis ir ao local para ver o que estava acontecendo, verificar a situação da PM e conhecer aquela área, que é uma região de incidência criminal. Essa visita foi importante para conhecer a comunidade e construir uma política de segurança eficaz para a região”, revelou.

Áudios provam o golpe… do PT contra o erário

ManifestacaoMarcoLulaAndreTambucciFotosPublicas

Os historiadores fascinarão os brasileiros do futuro quando puderem se pronunciar sobre os dias atuais sem se preocupar em saber o que vai sobrar depois que a turma da Odebrecht começar a suar o dedo. O relato sobre o apocalipse do PT no poder encontrará a exatidão no exagero. Buscará paralelos na dramaturgia grega ao relatar como o petismo saiu da História para cair na vida.

No início desta semana, o PT imaginou que poderia reescrever a história a partir da gravação de uma conversa em que Romero Jucá insinua para Sérgio Machado que a queda de Dilma e a ascensão de Temer poderia resultar num “pacto” para “estancar a sangria” da Lava Jato. Está confirmado o golpe, alardearam Dilma e os petistas.

Passaram-se os dias. Sobrevieram as gravações dos diálogos que Machado travou com Renan Calheiros e José Sarney. Veio à luz a delação do ex-deputado Pedro Corrêa, do PP. Antes que pudesse comemorar uma mudança dos ventos, o PT viu-se enredado num redemoinho que o devolveu rapidamente à defensiva.

Numa das conversas colecionadas por Machado, Sarney declarou que a própria Dilma pediu dinheiro à Odebrecht para nutrir a caixa registradora de sua campanha e remunerar o marqueteiro João Santana. Previu que madame será abatida numa confissão da turma da empreiteira, “metralhadora ponto 100”.

Em sua delação, Corrêa iluminou o submundo em que Lula se meteu para comprar apoio congressual com dinheiro roubado da Petrobras. Estilhaçou a retórica do “eu não sabia” ao relatar reuniões em que o morubixaba do PT apartou brigas dos aliados por dinheiro ilegal e ordenou a nomeação de diretores larápios para a estatal petroleira.

Quando puder relatar à posteridade tudo o que sucedeu, a História descreverá uma fantástica sequência de fatos extraordinários acontecidos com pessoas ordinárias —em todos os sentidos. E concluirá que houve, de fato, um golpe no Brasil. Um golpe do PT e da quadrilha que gravitou ao seu redor contra o erário.

Resposta em comum em Brasília: “Eu não conheço esse homem, nunca estive com ele”.

Ex-deputado federal Pedro Correia causa amnésia em boa parte dos políticos em Brasília
Ex-deputado federal Pedro Correia causa amnésia em boa parte dos políticos em Brasília

Essa é uma das respostas em comum dada por todos os denunciados pelo ex-deputado federal, Pedro Correia, do PP,  preso pela Lava Jato.

Dilma diz: nunca esteve com esse homem

Michel diz: nunca estive com ele em lugar inadequado

Renan diz: não fiz sugestão nem uma a ele

Cunha diz: nunca estive em reunião com ele

Aécio diz: eu? Nunca estive com ele

Mercadante diz: não sei nem quem é ele

Sarney diz: não sabia que estava sendo gravado. Disse coisa com objetivo apenas para tentar acalmá-lo.

Tiririca diz em Jô: não sei o que está acontecendo lá em Brasília.

É pra sorrir…

Ninguém viu, ninguém sabe quem é, não sabem o que está acontecendo…

O Brasil precisa seguir em frente.

Com a palavra: a justiça brasileira.

Que a justiça seja feita.

Câncer de tireoide atinge principalmente mulheres entre 30 e 50 anos

tire

Cada dia mais comum, principalmente entre as mulheres, o câncer de tireoide ainda não tem uma causa bem determinada na literatura médica. Alguns estudos, no entanto, apontam que fatores hormonais e alimentares estão ligados ao desenvolvimento desse tipo de tumor. “A síntese dos hormônios produzidos pela tireoide necessita da presença do iodo. A deficiência ou o excesso dele na dieta pode estar associado a um maior risco de desenvolvimento do câncer de tireoide”, explica Mariana Laloni, oncologista e coordenadora do Centro de Oncologia do Hospital 9 de Julho.

O câncer de tireoide se manifesta, inicialmente, como um nódulo que aparece no pescoço e pode ser detectado pelo médico em um exame clínico. Na maior parte das vezes, ele é assintomático e somente o nódulo vai indicar a presença de alguma doença. No entanto, 90% desses nódulos são benignos e o diagnóstico do câncer só é possível a partir de uma biópsia feita diretamente nele.

São considerados fatores de risco para a doença histórico familiar de câncer de tireoide e tratamentos prévios com radiação para cabeça, pescoço e tórax. Também já é comprovado que há maior incidência em mulheres entre 30 e 50 anos. De acordo com informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de tireoide já é o quinto mais comum em mulheres.

Tratamentos

O tratamento do câncer de tireoide envolve, necessariamente, a cirurgia. Nela, é retirada a glândula e todos os nódulos considerados anormais. Dependendo da avaliação médica, o tratamento é estendido com terapias contendo iodo radioativo. “Nesse caso o paciente passa a ingerir uma pequena quantidade de iodo radioativo para destruir o tecido tireoidiano não removido na cirurgia”, explica a Mariana.

Para pacientes em que a cirurgia e a iodoterapia não são efetivos ainda existe a opção do uso do inibidores da tirosina quinase, como o sorafenibe, medicamento aprovado pela Anvisa em 2015 para o tratamento do câncer de tireoide, que atua como inibidor do crescimento do câncer. Na falha dessa alternativa de tratamento ainda pode ser usada a quimioterapia convencional.

Simone Gutierrez quer contar em livro como emagreceu 42kg

simone4

Prestes a voltar à TV em “Xilindró”, série do Multishow, Simone Gutierrez está cheia de planos. A atriz, que emagreceu 42 kg sem recorrer a remédios nem a cirurgias, quer contar sua experiência em um blog e pretende, no futuro, lançar uma linha de refeições light com seu nome.

– Quero ajudar as pessoas com a minha experiência. Recebo muitas mensagens de gente que quer saber como eu consegui perder tanto – conta a atriz, que chegou aos 56 kg e agora está na fase de manutenção.

Ela também vai acrescentar sua história ao livro do movimento Gordelícia, formado ainda por Fabiana Karla, Cacau Protásio e Mariana Xavier. Em 2014, as atrizes lançaram uma campanha nas redes sociais contra a ditadura da magreza e a ação virou filme (do qual Simone não participará) e uma publicação.

A atriz faz questão de frisar que mudou seus hábitos alimentares não por estética, mas por questões de saúde. Há um ano e oito meses, sentindo-se cansada com frequência, ela procurou um endocrinologista e descobriu que tinha dois cistos na tireóide. A única alternativa à cirurgia era o emagrecimento.

– Tenho casos de câncer na família e fiquei assustada. Como sou cantora, tinha medo de fazer a operação e perder a voz. Então, fui na força de vontade mesmo, fazendo tudo no meu tempo. Com a ajuda de uma especialista, cheguei à dieta que era a mais adequada ao meu estilo de vida – lembra.

Simone, que sempre sofreu com o efeito sanfona, não queria fazer uma dieta restritiva, com proibições. Então, a solução foi malhar diariamente, por uma hora e meia, e comer tudo o que comia antes, só que pela metade:

– Comprei uma esteira e aquele outro aparelho que simula uma escada e os coloquei no meu apartamento. Comecei a malhar de segunda a segunda. Como eu sempre dancei, tinha consciência do meu corpo e fui fazendo os exercícios, as abdominais. Não tem mistério: comeu, precisa queimar. E o mais positivo foi que, ao longo do processo, eu ganhei sete quilos de massa magra – comemora a atriz, que trocou o manequim 46 pelo 38. – Agora a meta é sair na capa de uma revista dessas com o abdômen trincado de fora – brinca.

Gravando a série do Multishow de segunda a sábado, Simone diz que leva sua lancheira para onde vai, com tudo o que precisa e pode comer dentro. Além disso, mantém a rotina de exercícios. Agora, seu foco é a musculação: a perda de peso teve como consequência a flacidez, sua maior “inimiga” no momento.

Ao ser questionada se há alguma parte específica que gosta mais em seu novo corpo, Simone é taxativa: não. Ela gosta do conjunto e só consegue apontar o que lhe causa estranheza:

– Eu sempre gostei de mim do jeito que era, gordinha. Agora, quando me olho no espelho, me acho despeitada. Não é nada que me incomode, mas talvez, no futuro, eu faça uma cirurgia para aumentar os seios.

Solteira, ela diz ainda que o assédio não aumentou com a nova aparência:

– Quando era gordinha eu namorava até mais – diverte-se. – Na verdade, isso não tem nada a ver com o peso. Quando a pessoa se gosta, quando ela está de bem consigo mesmo, a paquera acontece. No momento, meu foco é outro. Eu não quero ninguém, estou me namorando.

Simone Gutierrez (Foto: Reprodução)

Temer vai criar departamento na PF para combater violência contra a mulhe

temer_givaldo1

O presidente da República em exercício, Michel Temer, anunciou nesta sexta-feira (27) a criação de um departamento na Polícia Federal para coordenar o combate a crimes contra a mulher.

Por meio de sua conta no Twitter, ele repudiou “com a mais absoluta veemência” o estupro coletivo da adolescente de 16 anos, cometido por 33 homens.

“Vamos criar um departamento na Polícia Federal tal como fiz com a delegacia da mulher na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Ela vai agrupar informações estaduais e coordenar ações em todo país”, escreveu o presidente em exercício.

De acordo com a assessoria de Temer, ele pretende contar com a atuação de mulheres nesse trabalho. Além disso, o presidente em exercício está verificando como será o formato da área, que terá uma estrutura dentro do Ministério da Justiça para coordenar o combate ao crime contra a mulher.

Assembleia promove eventos em alusão ao Dia da Enfermagem

unnamed (15)

Propostos pelo deputado estadual Carlos Augusto Maia (PSD), eventos na Assembleia homenageiam o Dia da Enfermagem, comemorado no dia 12 de maio. Nesta segunda-feira (30), às 9h, acontece uma sessão solene em alusão à data. No mesmo dia, ás 14h, audiência pública discute o ensino à distância na área no auditório da Casa.

“A área da saúde sempre foi uma das nossas bandeiras de luta. Temos trabalhado para melhorar a estrutura do Hospital Deoclécio Marques em Parnamirim, que recebe demandas de diversos municípios do Estado, mas não basta apenas equipar sem pensar nos recursos humanos. Por isso, nesse momento destacamos os profissionais de enfermagem”, disse Carlos Augusto.

No dia 16 de maio, o parlamentar promoveu discussão sobre a valorização do profissional da enfermagem. O debate, que aconteceu na Assembleia, reuniu sindicalistas, enfermeiros, estudantes e gestores públicos e levantou questões como a busca de uma carga horária de 30 horas, melhores condições de trabalho e o pagamento do piso salarial nacional.

Assessoria

Homem é executado a tiros dentro de carro de frete em Felipe Camarão.

frete

Um homem foi assassinado a tiros na manhã desta sexta-feira (27) no bairro de Felipe Camarão, na Zona Oeste de Natal. Francisco Gonçalo de Macedo Júnior, de 21 anos, estava dentro de um carro de frete quando foi baleado. Segundo a PM, ele trabalhava em uma granja na cidade de Macaíba, região Metropolitana da capital potiguar. Um outro homem que também estava no carro foi ferido, mas fugiu.

Segundo o tenente Eduardo Roberto, do 9º Batalhão da PM, o crime aconteceu por volta das 10h30 na rua Manoel Machado, que é pararela à 14ª Delegacia de Polícia. “Os criminosos se aproximaram em uma motocicleta e atiraram. O homem foi atingido por mais de dez tiros”, disse o tenente.

A polícia faz buscas, mas até o momento ninguém foi preso. Ainda não se sabe a motivação do crime.

Projeto de Márcia Maia visa alertar jovens e adolescentes sobre cyberbullying

unnamed (14)

Alertar jovens e adolescentes em relação ao assédio moral e sexual, bem como o cyberbullying, é o objetivo de Projeto de Lei apresentado pela deputada Márcia Maia (PSDB) instituindo o Programa de Prevenção e Conscientização da Prática de Assédio Moral e Sexual, Cyberbullying, através da internet, nas escolas públicas e privadas do Estado.

“O assédio moral, a pornografia, o abuso, o programa e a exploração comercial estão tipificados na legislação penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Entretanto, não amedrontam os criminosos cibernéticos. Basta um click para que todo o acesso de conteúdo impróprio e agressivo chegue a qualquer pessoa e possa tomá-la vítima em potencial”, justifica a deputada.

Márcia lembra, no encaminhamento do seu Projeto, que desde o Império Romano até a colonização das Américas a exploração da infância e da juventude sempre se fez presente. Segundo justifica, com o advento da internet no mundo, bilhões de pessoas acessam informações e outros conteúdos com grande facilidade, fazendo uso tanto de conteúdos positivos quanto perniciosos. É nesse ambiente nocivo que pessoas inescrupulosas agem, principalmente com crianças e adolescentes.

“A proposição visa prevenir e inibir o avanço das modalidades criminosas, trazendo à baila a necessidade dos estabelecimentos de ensino informarem através de reuniões e palestras programadas, não só o perigo iminente destas ações, como também conscientizar da utilização moderada das redes sociais”, afirma Márcia Maia.

De acordo com um dos artigos do Projeto, haverá sempre que possível a participação, orientação e suporte das secretarias de Segurança, Educação, do Conselho Tutelar, da Vara da Infância e Juventude e demais órgãos de interesse e preservação da criança e do adolescente.