Maioria quer impeachment, mas rejeita Michel Temer governando

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706

Pesquisa Datafolha realizada entre os dias 17 e 18 de março aponta cenários curiosos no tumultuado momentopolítico nacional. Ao mesmo tempo em que o apoio ao impeachment da presidente Dilma Rousseff cresce, apenas 16% querem o vice-presidente Michel Temer governando o país. E ao mesmo tempo que a rejeição ao ex-presidente Lula aumenta, ele continua a ser apontado como o melhor presidente que o país já teve.

A pesquisa aponta que 68% dos entrevistados são favoráveis ao pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O percentual cresceu oito pontos desde fevereiro. Ainda segundo o levantamento, 65%, acham que Dilma deveria renunciar à Presidência. Em fevereiro, 33% dos entrevistados eram contra o impeachment. Agora, eles somam 27%. A reprovação ao governo é de  69%.

Do Datafolha

Varizes exigem tratamento adequado para evitar complicações, alerta médico

estabelece-tratamento-angiologista-Carlos-Peixoto_ACRIMA20160319_0015_15

Ao contrário do que muita gente acredita, varizes não são apenas um problema estético, mas também de saúde, e exigem tratamento correto para evitar riscos.

O tratamento adequado das varizes é um dos temas em debate no 30º Encontro de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro, que termina neste sábado (19).

De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV-RJ), Carlos Peixoto, o tratamento depende das características das varizes de cada paciente.

“Tem vários tipos de veias, que são determinadas de acordo com seu calibre. De acordo com os sintomas do paciente e o calibre da veia, você estabelece um tipo de tratamento”, explicou.

Tratamento

Para as veias mais finas, normalmente são usadas aplicações em consultório, com agulhas e seringas, “utilizadas há mais de 50 anos, com bons resultados”. O tratamento evoluiu para a utilização do laser, menos invasivo e sem agulhas. O tratamento para as veias de médio calibre inclui a radiofrequência ou o endolaser, em que um cateter especial é inserido na veia afetada.

No caso na safena, veia de maior calibre, a indicação é cirurgia de forma direta ou por meio de técnicas de radiofrequência ou endolaser que efetuam o tratamento por meio de punções. “Com isso, você agride menos o paciente, que tem uma recuperação mais rápida”, disse.

A tendência atual dos tratamentos, segundo Peixoto, é minimizar intervenções invasivas e cortes. “Habitualmente, se faz com anestesia local e sedação. O paciente vai para casa e retorna à sua vida profissional em dois ou três dias. É isso que todos querem”, explicou.

Complicações

Se o tratamento não for feito de modo correto, pode trazer complicações, como úlceras venosas, ou feridas, e insuficiência venosa crônica, ou ainda queimaduras, no caso do laser. Para reduzir riscos, o médico diz que a avaliação clínica é fundamental, seguida de exames como o eco color doopler.

No encontro no Rio, os angiologistas discutiram e atualizaram os pontos principais do diagnóstico e tratamento das doenças vasculares. “Não só as doenças venosas, que são as varizes, as úlceras de pernas, mas também as doenças arteriais, que determinam o acidente vascular cerebral, que é o derrame, os aneurismas de aorta que podem romper e ter uma mortalidade muito alta, a falta de circulação nas pernas, chamado isquemia das artérias das pernas, que podem determinar a gangrena”, listou Peixoto.

Além do tratamento, o médico destacou a importância da prevenção de doenças vasculares. “A gente cuida muito do coração, mas não cuida dos vasos sanguíneos”, alertou.

Ezequiel aciona bancada federal em defesa do produtor rural do RN

3ebe6cc4-1d0b-4f09-b252-b4444b6b74c8

Desde a sexta-feira (18) que a Medida Provisória 707/2015 que trata do endividamento rural para produtores da região Nordeste, começou a trancar a pauta de votações na Câmara dos Deputados e Senado Federal. Com isto o tema passa a ter prioridade nas discussões em Brasília. Diante disso o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), tem dialogado com deputados e senadores da bancada do Rio Grande do Norte pleiteando a modificação na MP 707 ampliando o benefício da renegociação das dívidas para quem está com ação tramitando na justiça desde 2006. Pleito inclusive dos integrantes do movimento ´Grito da Seca´ que recentemente esteve visitando a Assembleia.

“Deste modo a MP 707 vai beneficiar 95% dos produtores rurais do Estado. Do modo que foi editada em dezembro de 2015 só atende 5% dos produtores. As discussões para reformar a Medida Provisória serão decisivas na próxima semana e espero que São José, padroeiro dos agricultores e festejado neste 19 de março, ilumine deputados e senadores a atendam o pleito dos produtores rurais”, acrescentou Ezequiel Ferreira.

Na quarta-feira (16), a Comissão Especial formada por deputados e senadores realizou audiência pública para discutir o assunto com representantes do governo. Segundo o relator, deputado Marx Beltrão (PMDB-AL), tanto o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), quanto o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) defenderam uma nova renegociação com o setor rural no Nordeste. Pelos dados dos ministérios, houve estiagem e perda de safra que justifiquem um benefício.

“O clima não contribuiu em nada na região Nordeste nos últimos anos e todos os dados de produção apontam queda”, pontua Ezequiel Ferreira, salientando que os produtores querem pagar suas dívidas mas precisam ter mais prazo para isto tendo vista a queda de suas receitas e o cenário nada favorável durante este ano, pois os meteorologistas ainda têm previsão favorável para nossa estação chuvosa.

Pauta trancada – O coordenador da bancada do Nordeste, deputado Júlio Cesar (PSD-PI), fez um apelo para que essa nova renegociação seja bem sucedida. Ele quer participar da reunião com a área econômica, porque “ninguém vai fazer nada sem a participação deles [da bancada]”, afirmou.

A pauta do Plenário é trancada por medidas provisórias e projetos de lei do presidente da República em regime de urgência que não tenham sido votados no prazo de 45 dias. Enquanto essas propostas não forem votadas, não pode haver votações em sessões ordinárias – apenas em extraordinárias.

Assessoria

Joelma estreia carreira solo, agita fãs e alfineta: ‘Tomei as rédeas de tudo’

 

joelma

A cantora Joelma iniciou sua carreira solo com um show na madrugada deste sábado (19), em Goiânia. Os fãs foram à loucura com a primeira apresentação dela depois da separação do ex-marido, o guitarrista Ximbinha, e consequente dissolução da Banda Calypso. Entre novos e antigos sucessos, a artista, antes de subir ao palco – com 3 horas de atraso -, acabou alfinetando o ex-companhanheiro, ainda que sem citar o seu nome.

Questionada pelo G1 no camarim, pouco antes do show começar, sobre o que iria marcar a nova fase de sua carreira solo após vários anos integrando a Calypso, ela disse que estava “acomodada” e que pretende tomar um caminho diferente.

“É complicado falar porque eu acho que estava acomodada com aquilo tudo, sempre todo mundo dirigindo meu trabalho e minha vida. Agora tomei as rédeas de tudo. Isso mudou completamente tudo. Renasceu uma Joelma que eu pensei que não existia mais, aquela lá do início. Levantar e fazer tudo com muita energia e muita garra, sem pensar no amanhã. Vamos que vai dar certo. Me surpreendi até comigo mesma”, afirmou.

Joelma salientou ainda que a maneira de cantar, dançar e se vestir sempre foi uma criação dela e que não vai abandonar, mas apenas dar uma “repaginada”. No entanto, prometeu mudanças mais drásticas em relação à carreira artística. “Musicalmente falando, os arranjos e tudo mais, era 40% meu e agora é 100% parecido comigo. Sou 100% eu”, diz.

A artista também afirmou que se surpreendeu com a aceitação dos fãs depois que resolveu tocar sua carreira sozinha. “99% dos fã-clubes da Calypso migraram para Joelma. Foi uma surpresa muito boa, não esperava, fiquei muito feliz porque isso me levantou mais rápido, me fez esquecer o passado”, calcula.

Público vai ao delírio
Em cima do palco, Joelma demonstrou que seu trabalho ainda carrega muito do que foi construído na Calypso. Grande parte do repertório era composto de grandes e antigos sucessos da banda, como “Cavalo Manco” (veja vídeo acima), que abriu o show, “Dudu” e “Imagino”, mesclado com novas canções do seu CD que será lançado em breve, como “Aí coração”, que fez vários presentes chorarem.

dO g1

 

Juíza condena ex-prefeito por desviar verba de construção de creche no RN

pf2

A Justiça Federal do Rio Grande do Norte condenou o ex-prefeito de Patu Possidônio Queiroga da Silva Neto e outras três pessoas por desviarem dinheiro público que seria usado na construção de uma creche na cidade, que fica na região Oeste potiguar. A sentença foi proferida no último dia 11 pela juíza Moniky Mayara Costa Fonseca Dantas. Possidônio Queiroga foi condenado a 11 anos e 4 meses de reclusão em regime fechado pelos crimes de supressão de documentos públicos, desvio de verbas públicas, lavagem de dinheiro, fraude a licitações e falsidade ideológica.

A fraude foi descoberta em novembro de 2010 pela Polícia Federal do RN, que deflagrou a operação Deus dos Mares. Segundo a sentença, a materialidade do crime pode ser comprovada a partir dos extratos bancários obtidos pela PF. Esses extratos monstram o crédito de R$ 700 mil no dia 7 de julho de 2008 na conta da prefeitura de Patu. De acordo com a investigação da Polícia Federal, esse dinheiro foi sacado nos últimos três meses do mandato do então prefeito Possidônio Queiroga da Silva. A construção de creche-modelo, que deveria ser concluída em 8 meses, ficou inacabada.

Operação da PF foi realizada em 2010 e comprovou desvio de dinheiro (Foto: Divulgação/PF)

Investigação
De acordo com a Polícia Federal, o ex-prefeito, contando com a colaboração de alguns funcionários da prefeitura de Patu e de seguidores políticos, dentre os quais os supostos sócios de uma construtora, orquestrou um esquema voltado ao desvio de todos os recursos que seriam destinados à construção de uma creche-modelo.

Para a PF, ficaram provadas a materialidade e a autoria do crime de lavagem de dinheiro a partir dos extratos bancários, cheques e fitas de auditoria que compuseram o inquérito. POssidônio Queiroga emitiu cheques nominais a uma construtora e, em seguida, determinou o saque das quantias, depositando o dinheiro em conta de terceiros. Para a Polícia Federal, o objetivo disso foi dificultar o rastreamento da verba oriunda do desvio de recursos públicos.

Foram ainda condenados pelo crime de desvio de verbas públicas: Athayde Mahatma Fernandes Dantas (4 anos e 8 meses anos de reclusão, a ser cumprida, inicialmente no regime semiaberto);  Jocelito de Oliveira Bento (4 anos e 6 meses de reclusão, a ser cumprida inicialmente no regime semiaberto) e Renato Leno de Oliveira (3 anos e 8  meses de reclusão, a ser cumprida inicialmente no regime aberto). Todos podem recorrer da sentença em liberdade.

Do G1

Basta! Razões pelas quais Dilma não consegue mais se sustentar no cargo

bastaA presidente Dilma Rousseff perdeu as condições de permanecer na cadeira de presidente da República. Desde a semana passada, o terceiro andar do Palácio do Planalto abriga uma mandatária indigna do cargo para o qual fora eleita pelos brasileiros por duas ocasiões. Em seu juramento de posse, Dilma prometeu manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis e promover o bem geral do povo brasileiro. No discurso subsequente, comprometeu-se a lutar para que “o braço da justiça alcançasse a todos de forma igualitária”.

Na última semana, os diálogos divulgados pela força-tarefa da Lava Jato, obtidos a partir de grampos telefônicos realizados no aparelho celular do ex-presidente Lula e de outros investigados, comprovaram o desprezo da presidente da República às leis, à Constituição e aos interesses da sociedade. As escutas mostraram ainda de maneira inequívoca que, ao contrário da retórica inaugural do seu mandato, Dilma pouco se importa com o princípio constitucional da igualdade – ainda mais perante a Justiça.

Nas conversas, ficou claro que Dilma agiu pessoalmente, ao lado de Lula, na tentativa de obstruir a Justiça. As armações, muitas delas engendradas no interior do gabinete presidencial, tinham o único propósito de evitar a prisão preventiva de Lula, já encaminhada, assegurando-lhe o privilégio de foro. Não seria a primeira, nem a segunda ou a terceira vez que o governo – e Dilma – atuariam com o objetivo de interferir nas investigações, conforme revelou o conteúdo extraído da delação do ex-líder do governo, Delcídio do Amaral (MS), antecipada há duas semanas por ISTOÉ.

Mas os áudios, contendo o peso das palavras e das vozes inconfundíveis dos mais altos hierarcas da República, conferiram publicidade e materialidade à trama – o que é indiscutivelmente fortíssimo e grave tanto do ponto de vista político como jurídico. Nos últimos dias, a Procuradoria-Geral da República estudava abrir investigação contra a presidente.

Independentemente da decisão do MP, a manutenção de Dilma na Presidência é insustentável. Se um gesto de grandeza – inerente aos estadistas – lhe escapar, ou seja, a renúncia, onde a presidente pela primeira vez desde a eleição colocaria os interesses nacionais acima das conveniências pessoais e políticas, a trilha do impeachment no Congresso será uma realidade.

Na última quinta-feira 17, a Comissão foi instalada. Em 45 dias, o assunto deve estar liquidado – muito provavelmente em desfavor de Dilma. Como se já não fossem suficientes para apeá-la do poder as fortes evidências de abuso de poder político e econômico na campanha à reeleição e as comprovadas pedaladas fiscais, as conversas divulgadas na semana passada expuseram o cometimento de outro crime: o de responsabilidade – por atentar contra as decisões judiciais e o livre exercício do Poder Judiciário.

Na Constituição, está tipificado no artigo 85 incisos II e VII. No principal diálogo, mantido entre a presidente e o antecessor na quarta-feira 16, Dilma disse a Lula que enviaria a ele um “termo de posse” de ministro para ser utilizado “em caso de necessidade”. Numa espécie de corrida contra o relógio, a presidente trabalhava ali para impedir que Lula fosse preso antes de sua nomeação para a Casa Civil. Segundo apurou ISTOÉ, àquela altura, o Planalto já tinha informações seguras de que o Ministério Público, em Curitiba, estava de prontidão para pedir a preventiva do petista.

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706(Robson Pires)

Protesto em favor de Lula e Dilma aconteceu em 55 cidades do Brasil

Até as 21h30 desta sexta-feira, 55 cidades do Brasil registraram atos pelo Brasil em defesa do ex-presidente Lula e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Somando todas as cidades, os organizadores estimaram em 1 milhão e 300 mil pessoas. Já a Polícia Militar calculou 275 mil.

Abaixo as estimativas dos organizadores e da polícia em algumas capitais:

São Paulo:

Organizadores – 380 mil

PM – 80 mil


*

Brasília:

Organizadores – 50 mil

PM – 6 mil


*

Rio de Janeiro:

Organizadores – 70 mil

PM – Não informou


*

Salvador:

Organizadores – 100 mil

PM – 60 mil


*

Recife:

Organizadores – 200 mil

PM – 15 mil


*

Fortaleza:

Organizadores – 50 mil

PM – 6 mil


*

Belo Horizonte:

Organizadores – 100 mil

PM – 18 mil


*

Porto Alegre:

Organizadores – 60 mil

PM – 10 mil


*

Curitiba:

Organizadores – 30 mil

PM – 5 mil


*

Natal:

Organizadores – 30 mil

PM – 17 mil

img_6989

(Tg)

Entrevista à Veja: Delcídio diz que Lula ‘comandou o esquema’ que Dilma ‘herdou e se beneficiou’

 Da Veja, parte da entrevista com o senador Delcídio do Amaral, que teve o acordo de delação premiada homogado:


Delcídio: “Lula comandava o esquema”

Delcídio do Amaral, ex-líder do governo, diz que tanto Lula como Dilma tinham pleno conhecimento da corrupção na Petrobras — e, juntos, tramaram para sabotar as investigações, inclusive vazando informações sigilosas para os investigados

  



O senador Delcídio do Amaral participou do maior ato político da história do país. No domingo 13, ele pegou uma moto Harley-Davidson, emprestada do irmão, e rumou para a Avenida Paulista, onde protestou contra a corrupção e o governo do qual já foi líder. Delcídio se juntou à multidão sem tirar o capacete. Temia ser reconhecido e hostilizado.

Com medo de ser obrigado pela polícia a remover o disfarce, ficou pouco tempo entre os manifestantes, o suficiente para perceber que tomara a decisão correta ao colaborar para as investigações.

“Errei, mas não roubei nem sou corrupto. Posso não ser santo, mas não sou bandido.”

Na semana passada, Delcídio conversou com VEJA por mais de três horas. Emocionou-se ao falar da família e ao revisitar as agruras dos três meses de prisão. Licenciado do mandato por questões médicas, destacou o papel de comando de Lula no petrolão, o de Dilma como herdeira e beneficiária do esquema e a trama do governo para tentar obstruir as investigações da Lava-Jato.

O ex-líder do governo quer acertar suas contas com a sociedade ajudando as autoridades a unir os poucos e decisivos pontos que ainda faltam para expor todo o enredo do mais audacioso caso de corrupção da história.

A seguir, suas principais revelações.

Por que delatar o governo do qual o senhor foi líder?
Eu errei ao participar de uma operação destinada a calar uma testemunha, mas errei a mando do Lula. Ele e a presidente Dilma é que tentam de forma sistemática obstruir os trabalhos da Justiça, como ficou claro com a divulgação das conversas gravadas entre os dois. O Lula negociou diretamente com as bancadas as indicações para as diretorias da Petrobras e tinha pleno conhecimento do uso que os partidos faziam das diretorias, principalmente no que diz respeito ao financiamento de campanhas. O Lula comandava o esquema.


Qual é o grau de envolvimento da presidente Dilma?

A Dilma herdou e se beneficiou diretamente do esquema, que financiou as campanhas eleitorais dela. A Dilma também sabia de tudo. A diferença é que ela fingia não ter nada a ver com o caso.


Lula e Dilma atuam em sintonia para abafar as investigações?

Nem sempre foi assim. O Lula tinha a certeza de que a Dilma e o José Eduardo Cardozo (ex-ministro da Justiça, o atual titular da Advocacia-Geral da União) tinham um acordo cujo objetivo era blindá-la contra as investigações. A condenação dele seria a redenção dela, que poderia, então, posar de defensora intransigente do combate à corrupção. O governo poderia não ir bem em outras frentes, mas ela seria lembrada como a presidente que lutou contra a corrupção.


Como o ex-presidente reagia a essa estratégia de Dilma?

Com pragmatismo. O Lula sabia que eu tinha acesso aos servidores da Petrobras e a executivos de empreiteiras que tinham contratos com a estatal. Ele me consultava para saber o que esses personagens ameaçavam contar e os riscos que ele, Lula, enfrentaria nas próximas etapas da investigação. Mas sempre alegava que estava preocupado com a possibilidade de fulano ou beltrano serem alcançados pela Lava-Jato. O Lula queria parecer solidário, mas estava mesmo era cuidando dos próprios interesses. Tanto que me pediu que eu procurasse e acalmasse o Nestor Cerveró, o José Carlos Bumlai e o Renato Duque. Na primeira vez em que o Lula me procurou, eu nem era líder do governo. Foi logo depois da prisão do Paulo Roberto Costa (ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, preso em março de 2014). Ele estava muito preocupado. Sabia do tamanho do Paulo Roberto na operação, da profusão de negócios fechados por ele e do amplo leque de partidos e políticos que ele atendia. O Lula me disse assim: “É bom a gente acompanhar isso aí. Tem muita gente pendurada lá, inclusive do PT”. Na época, ninguém imaginava aonde isso ia chegar.


Quem mais ajudava o ex-presidente na Lava-Jato?

O cara da confiança do Lula é o ex-deputado Sigmaringa Seixas (advogado do ex-presidente e da OAS), que participou ativamente da escolha de integrantes da cúpula do Poder Judiciário e tem relação de proximidade com ministros dos tribunais superiores.


Quando Lula e Dilma passam a trabalhar juntos contra a Lava-Jato?

A presidente sempre mantinha a visão de que nada tinha a ver com o petrolão. Ela era convencida disso pelo Aloizio Mercadante (o atual ministro da Educação), para quem a investigação só atingiria o governo anterior e a cúpula do Congresso. Para Mercadante, Dilma escaparia ilesa, fortalecida e pronta para imprimir sua marca no país. Lula sabia da influência do Mercadante. Uma vez me disse que, se ele continuasse atrapalhando, revelaria como o ministro se safou do caso dos aloprados (em setembro de 2006, assessores de Mercadante, então candidato ao governo de São Paulo, tentaram comprar um dossiê fajuto contra o tucano José Serra). O Lula me disse uma vez bem assim: “Esse Mercadante… Ele não sabe o que eu fiz para salvar a pele dele”.

O que fez a presidente mudar de postura?
O cerco da Lava-­Jato ao Palácio do Planalto. O petrolão financiou a reeleição da Dilma. O ministro Edinho Silva, tesoureiro da campanha em 2014, adotou o achaque como estratégia de arrecadação. Procurava os empresários sempre com o mesmo discurso: “Você está com a gente ou não está? Você quer ou não quer manter seus contratos?”. A extorsão foi mais ostensiva no segundo turno. O Edinho pressionou Ricardo Pessoa, da UTC, José Antunes, da Engevix, e Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez. Acho que Lula e Dilma começaram a ajustar os ponteiros em meados do ano passado. Foi quando surgiu a ideia de nomeá-lo ministro.

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706

(Tg)

Prefeito afastado de Macau teria atentado contra sua própria vida!

kerginaldomacau

Segundo as primeiras informações, o prefeito afastado de Macau – RN, Kerginaldo Pinto, teria tentado se matar após mais de cem dias na prisão. O fato teria o ocorrido no final da tarde de hoje (18), mas Kerginaldo Pinto  foi socorrido a tempo para  uma unidade de Saúde da capital.
Kerginaldo Pinto,  foi detido por suposta interferência na operação Maresia, que aponta um desvio de R$ 2,5 milhões dos cofres públicos da cidade de Macau – RN . Ele estava detido no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar por ser portador de diploma de graduação superior.

Gilmar Mendes suspende nomeação de Lula como ministro da Casa Civil

b86894eabb5193d980339d680f3b2ee1-e1454021395706

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes suspendeu nesta sexta-feira (17) a nomeação para a Casa Civil do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tomou posse nesta quinta (16). A decisão foi proferida em ação apresentada pelo PSDB e pelo PPS.

Na decisão, o ministro afirma ter visto intenção de Lula em fraudar as investigações sobre ele na Operação Lava Jato. O petista ainda pode recorrer da decisão ao plenário do Supremo.

Além de suspender a nomeação de Lula, Gilmar Mendes também determinou, na mesma decisão, que a investigação do ex-presidente seja mantida com o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância judicial.

O ex-presidente Lula tomou posse nesta quinta-feira (17), pouco antes de 10h40, como novo ministro-chefe da Casa Civil em cerimônia no Palácio do Planalto, ao lado da presidente Dilma Rousseff. Cerca de uma hora depois, o juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara do Distrito Federal, suspendeu a posse por meio de uma decisão liminar (provisória).

Vigilante derruba assaltantes e impede roubo a banco em Mossoró

banco

Três homens foram presos na tarde desta sexta-feira (18) ao tentarem roubar malotes do Banco do Nordeste, agência que fica no Centro da cidade de Mossoró, na região Oeste potiguar. Um dos vigilantes se agarrou com os criminosos e derrubou dois deles. O terceiro foi preso em seguida, após ser identificado pelas imagens das câmeras de segurança.

Em contato com o G1, o sargento Valdo Caetano, do 2º Batalhão da PM, contou que os três homens entraram na agência desarmados. “Aconteceu por volta das 16h, quando a agência estava encerrando o atendimento. Naquele momento, os seguranças do banco estavam saindo com alguns malotes. Foi quando um dos assaltantes tentou tomar a arma de um dos vigilantes. O segurança, que estava esperto e percebeu a ação do bandido, conseguiu jogá-lo no chão. Um segundo ladrão foi pra cima, mas foi dominado e também jogado no chão. Na queda, um dos assaltantes cortou a cabela a bater no chão. Ele foi atendido e passa bem”, contou o policial.

Ainda de acordo com o PM, o terceiro suspeito foi preso minutos depois, quando a equipe de segurança analisou as imagens do circuito interno da agência. “Pelas imagens eles viram que havia um terceiro indivíduo, que também estava dentro do banco. Ele foi identificado e também foi preso”, acrescentou o sargento Valdo.

O policial disse ainda que um carro estava do lado de fora dando apoio ao trio, mas o motorista fugiu quando começou a confusão. A PM ainda fez buscas pela região, mas nenhum outro suspeito foi encontrado.

Do G1

Em Natal, grupo faz ato em defesa do governo Dilma e em apoio a Lula

natal7

Manifestantes fizeram um ato a favor do governo Dilma Rousseff (PT) e em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na tarde desta sexta-feira (18) em Natal. O grupo de concentrou em frente ao shopping Midway Mall, na Zona Sul de Natal, e seguiu até a praça da Árvore de natal, em Mirassol, bairro também da Zona Sul. O protesto começou às 15h e foi encerrado às 19h.

Às 17h15, representantes da Frente Brasil Popular disseram que 30 mil pessoas estão presentes no evento. A Polícia Militar informou às 19h que eram 17 mil pessoas.

Ezequiel diz que bancada de cinco deputados estaduais chega para fortalecer o PSDB no Estado

185feb92-4d54-470e-a456-359482866b7f

f4bc803c-554b-40bb-a9da-28edd2292d18

d943b993-bbb3-4f1e-bb4c-da9a039d6916
Crédito das fotos: Laurivan de Sousa

Ao recepcionar a formação da maior bancada da Assembleia Legislativa no Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), o presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza, lembrou o ex-governador Cortez Pereira, seu tio: “Quem se encanta com a beleza da árvore se perde por não conhecer a beleza da floresta” e enalteceu o valor de cada um dos deputados que assim como ele passam a fortalecer o partido.

Ezequiel chamou a atenção de prefeitos, vereadores e lideranças para o futuro que o PSDB tem pela frente, e que todos ampliem seus horizontes e não pensem no imediatismo e sim na grandiosidade dos desafios que estão por vir nos municípios, aqui no Estado e nacionalmente.

Foi na sede do PSDB, no bairro de Lagoa Seca, em Natal, que ocorreu a filiação dos deputados estaduais Raimundo Fernandes e Márcia Maia. Estes se juntam aos deputados Ezequiel Ferreira de Souza, Gustavo Carvalho e José Dias, que formam agora a maior bancada de deputados estaduais da Assembleia.

“Acredito que o mandato político é para trabalhar pelo bem comum. Mais que a quantidade, a filiação do grupo de deputados chama a atenção pela qualidade e a experiência dos nomes que chegam para somar e engrandecer o PSDB”, salientou Ezequiel Ferreira que frisou: “Agradeço o gesto do deputado federal Rogério Marinho, do presidente do PSDB no RN, Valério Marinho e da executiva nacional, pelo convite para nossa filiação partidária”.

Ao saudar a chegada dos cinco deputados estaduais, o presidente de honra do PSDB, Rogério Marinho, disse que este fato era especialmente importante e externou sua gratidão a vinda de Ezequiel para o PSDB.

“É uma liderança nova, de importante envergadura e presidente da Assembleia Legislativa. E ele se coloca com muita humildade. Vem para somar, assim como os demais vem para ampliar e fortalecer o PSDB. Mas o PSDB não é um cartório. O partido precisa se oxigenar. E a vinda de Ezequiel Ferreira dará total condição para renovar nosso diretório e assumir a presidência do nosso partido”, disse Rogério Marinho.

O deputado estadual José Dias se mostrou surpreso com a acolhida que um tucano de pouca plumagem recebeu num dia de filiação de novos companheiros. O deputado Raimundo Fernandes destacou a envergadura que o partido passa a ter no tabuleiro político do Estado e o deputado Gustavo Carvalho foi enfático ao dizer: “O PSDB é hoje o vetor da mudança no cenário político local e Nacional”.

A deputada estadual Márcia Maia agradeceu ao convite do deputado Ezequiel Ferreira para ingressar no PSDB e deixou claro que estava feliz de reencontrar antigos companheiros de luta. “E em breve, logo poderemos contar com a ex-governadora Wilma de Faria que ainda tem tempo para decidir seu caminho partidário”.  E salientou: “Ezequiel eu posso dizer que tive a máxima convicção de que fiz a escolha certa. O PSDB é um partido de vanguarda e posso citar três grandes realizações: a estabilidade política, a política de distribuição de renda e a Lei de Responsabilidade Fiscal. Por isto vamos somar e engradecer este partido”, disse a deputada.

Assessoria

Assembleia concede título de cidadão norte-riograndense a Marcos Formiga

unnamed (25)

O economista Marcos César Formiga recebeu na manhã desta sexta-feira (18), em sessão solene realizada no plenário da Assembleia Legislativa, o título de cidadão norte-riograndense.

“Todos que aqui estão fazem parte de algum momento importante da minha vida”, destacou. Emocionado, narrou a sua trajetória desde a juventude até os cargos que ocupou nas esferas municipal, estadual e federal.

“É preciso que tenhamos regras e saibamos para onde vamos”, enfatizou.

O paraibano Marcos Formiga foi ex-prefeito de Natal, ex-secretário estadual de Planejamento (Cortez Pereira e Tarcísio Maia), diretor da Empresa Brasileira de Transportes Urbanos (EBTU) e ex-deputado federal. Atualmente coordena o Projeto Mais RN, na Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte no mais amplo estudo e planejamento do Estado para os próximos 20 anos.

O propositor da honraria, deputado estadual Hermano Morais (PMDB), destacou a importância da homenagem. “Esse título faz justiça a um grande homem que, como poucos, merece essa distinção”.

Assessoria

Brasileiros buscam meios alternativos para viajar

dc3ba59c-f71f-450a-96f1-b7728a159a5b

Estudo do Ministério do Turismo revela que a intenção de viajar utilizando transportes alternativos mais do que dobrou nos últimos doze meses

Os viajantes brasileiros têm optado cada vez mais por meios de transporte alternativos na hora de embarcar para uma nova viagem. De acordo com o estudo Sondagem do Consumidor – Intenção de viagem, do Ministério do Turismo, a preferência por meios de transporte alternativos, como vans e micro-ônibus, mais do que dobrou nos últimos doze meses entre os brasileiros que manifestaram intenção de viajar, passando de 2,6% em fevereiro de 2015 para 7,9% no mesmo período em 2016.

A mudança de hábito está refletindo diretamente na escolha do destino do turista. O estudo revela que 29,2% dos brasileiros que desejam viajar nos próximos seis meses pretendem visitar destinos turísticos dentro do próprio estado. Em comparação com o índice registrado em fevereiro de 2014, houve um crescimento de 6,1%.

“O turista brasileiro está se planejando cada vez mais, o que amplia as possibilidades de hospedagem e de escolha de meio de transporte. E esse estudo do Ministério do Turismo mostra que o brasileiro está disposto a conhecer cada vez mais a belezas nacionais e também do seu estado”, avaliou o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves.

O estudo também revela que o desejo por meios de hospedagem alternativos, como residências alugadas e albergues, atingiu o maior índice da série histórica. Entre os brasileiros que manifestaram intenção de viajar na pesquisa de fevereiro de 2016, 13,1% revelaram a preferência por hospedagem em albergues e imóveis alugados. Este índice representa um crescimento de 65,8% em comparação com o índice registrado no ano anterior.

No âmbito nacional, o boletim de intenção de viagem revela que 76,3% dos potenciais turistas brasileiros desejam viajar pelo Brasil nos próximos seis meses. O Nordeste segue como a região mais desejada pelos viajantes, com 43,5% das preferências. Já o desejo de viajar para o Sudeste do país foi manifestado por 30,5% dos entrevistados, representado um crescimento de 39,2% em relação ao mês de fevereiro de 2013. A região Sul foi apontada como possível destino para 12,5%, seguida do Norte (8,8%) e Centro-Oeste (4,7%).

ESTUDO – A Sondagem do Consumidor – Intenção de Viagem é realizada todos os meses com duas mil pessoas em Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Juntas, as sete capitais brasileiras monitoradas representam 70% do fluxo turístico do Brasil.

Assessoria