‘Paz será recuperada’, diz Jungmann no RN; governador pede mais apoio

img_7847

G1 – O ministro da Defesa, Raul Jungmann, iniciou na manhã desta quinta-feira (4) a Operação Potiguar, que tem por objetivo combater a onda de ataques criminosos que que vem ocorrendo no Rio Grande do Norte desde a sexta-feira (29). Ao todo, cerca de 1.200 homens do Exército, Marinha e Aeronáutica vão se integrar às forças de segurança pública estadual. Os militares – provenientes de Pernambuco, Ceará e Paraíba e do interior do RN – devem ficar em Natal e na região metropolitana da capital até o próximo dia 16. Na solenidade de lançamento, o governador Robinson Faria quebrou o protocolo e apelou para que esse prazo seja estendido.

“Nós vamos recuperar a paz. O que estamos fazendo aqui no Rio Grande do Norte é um trabalho de integração, o que mostra a preocupação do governo federal com a situação desse Estado. Essa GLO (Garantia da Lei e da Ordem) tem amparo legal e visa ajudar o Governo do Estado a restabelecer a tranquilidade da população”, disse Jungmann.

Os 1.200 homens, segundo o ministro, serão empregados no patrulhamento das ruas e na ocupação de corredores de ônibus, pontos turísticos, acesso ao aeroporto e na principais vias de Natal e da Grande Natal. Os militares podem fazer prisões em flagrante. “O objetivo é auxiliar no patrulhamento e, com isso, poder liberar os policiais que antes estavam nesses locais para ocupar outras áreas, inclusive cidades do interior do Estado”. Os militares nâo têm poder para fazer incursões na periferia das cidades e também não irão ajudar nas investigações dos crimes.

Protocolo quebrado
Em entrevista coletiva, o governador Robinson Faria quebrou o protocolo e fez um apelo ao ministro Raul Jungmann. “Apelo em nome do povo do Rio Grande do Norte. Peço que seja feito um aditamento desse prazo de permanência das tropas aqui no nosso Estado. O ideal é que esses bravos homens fiquem conosco até o Governo do Estado conseguir implantar bloqueadores de celular em todas as unidades prisionais”, pediu o governador. De acordo com Faria, o prazo para conseguir intalar os bloqueadores é de cerca de dois meses.

Após o pedido do governador, Raul Jungmann disse que irá analisar a solicitação. “Há a maior boa vontade do governo federal para ajudar o Rio Grande do Norte. Mas temos que estudar esse pedido. Se for possível, iremos atender esse pleito”.

Tropas federais iniciam 'operação Potiguar' em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)
Tropas federais iniciam operação Potiguar em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)

Operação Potiguar
A vinda de Jungmann a Natal marcou o início da Operação Potiguar. Os 1.200 militares que irão atuar na ação chegaram a Natal na manhã desta quarta. Já à noite, 55 deles foram às ruas e ocuparam alguns dos principais cruzamentos da capital.

O Rio Grande do Norte vem sendo alvo de ataques criminosos desde a sexta (29). Pelo menos 106 ataques criminosos foram registrados em 36 cidades. Foi o que informou o mais recente boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesed). O primeiro ataque aconteceu na tarde da sexta, quando um micro-ônibus foi incendiado na BR-304, em Macaíba, cidade da Grande Natal. A instalação de bloqueadores de celular na Penitenciária Estadual de Parnamirim, que também fica na região Metropolitana da capital potiguar, é apontada pelo governo como motivo dos atentados. O equipamento foi instalado no dia anterior.

Os principais alvos dos criminosos são ônibus, carros, prédios da administração pública e bases policiais. Um dos acessos ao aeroporto Internacional Aluízio Alves, e até mesmo a vegetação do Morro do Careca – um dos principais cartões-postais do estado – também foram alvos dos atentados.

Tropas federais iniciam 'operação Potiguar' em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)
Tropas federais iniciam operação Potiguar em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)

Ainda segundo a Sesed, do total de 106 ocorrências contabilizadas até agora, 61 delas são incêndios, 30 atentados a fogo, 7 disparos contra prédios públicos e proximidades, 4 ataques envolvendo artefatos explosivos e 4 depredações. Os veículos incendiados (ônibus e micro-ônibus) são 32.

As ocorrências foram registradas nas cidades de Natal, Parnamirim, Macaíba, São José de Mipibu, Caicó, Currais Novos, Caiçara do Norte, Santa Cruz, Mossoró, João Câmara, Jardim de Piranhas, Assu, Tangará, São Gonçalo do Amarante, Touros, Maxaranguape, São Paulo do Potengi, Goianinha, Florânia, São José de Campestre, Canguaretama, Cruzeta, São Vicente, Tenente Laurentino, Jardim do Seridó, Pedro Avelino, Montanhas, Lagoa Nova, São Tomé, Pendências, São Fernando, Rio do Fogo, Itajá, Extremoz, Dix Sept Rosado e Parelhas.

Tropas federais iniciam 'operação Potiguar' em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)
Tropas federais iniciam operação Potiguar em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)

Prisões
A Secretaria de Segurança confirmou também que 100 pessoas já foram presas, todas suspeitas de participação direta ou de envolvimento com os atentados.

Os suspeitos conduzidos para averiguação foram detidos em Monte Alegre, Macaíba, Parnamirim, Parelhas, Santa Cruz, Natal, Currais Novos, São Paulo do Potengi, Patu, Nova Cruz, Canguaretama, São Tomé e Goianinha. Com eles, a PM apreendeu motos roubadas, armas, cartuchos, munições, chumbo, pólvora e dezenas recipientes de combustíveis, dinheiro, explosivos e colete balísitico. Todos os detidos estão sendo apresentados à Polícia Civil, que está realizando os procedimentos necessários para elucidar cada caso.