Recordista na redação do Enem não poderá cursar Medicina no RN

fred

O Ministério da Educação (MEC) divulgou na terça-feira (8) a pontuação obtida pelos alunos que ainda não concluíram o ensino médio, os chamados ‘treineiros’ no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2015. A medida, estratégia adotada pelo MEC, permite que apenas alunos da terceira série do ensino médio tenham acesso ao ensino superior. O potiguar Frederico Andrade Monteiro Filho, de 17 anos, está entre os que só descobriram agora a colocação no Enem. Ele é um dos 105 alunos de todo o país que tiraram nota máxima na redação, mas mesmo recorrendo à Justiça, não conquistou a vaga.

Frederico estuda no Over Colégio e Curso, em Natal. Quando fez o Enem 2015 cursava a segunda série. Ele comenta que foi com tristeza que recebeu a notícia de que não poderia usar a nota para conquistar a tão sonhada vaga no curso de Medicina da UFRN. “Pra mim foi uma situação super triste. Passei anos estudando muito, me dedicando ao máximo. E, por causa dessa medida do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira),pessoas que tinham capacidade para cursar uma universidade não conseguiram”, lamentou.

Quando soube que sua nota só seria divulgada quase dois meses depois, Frederico Andrade deu entrada em um processo na Justiça para tentar garantir o direito de ver a sua pontuação antes do prazo. O estudante diz ter conseguido reunir todos os documentos necessários que atestavam sua maturidade para cursar uma universidade e sua competência acadêmica para ser merecedor de uma cadeira no curso de Medicina.

Além da redação, Frederico teve uma pontuação excelente nas demais provas do Enem. “Se minha nota tivesse sido liberada junto com a dos demais candidatos, eu teria ficado entre os primeiros lugares de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte”, afirma. “Pela correção que fiz dos meus gabaritos, sabia que tinha conseguido uma nota muito boa. As possibilidades eram grandes de eu passar. Entrei com um processo para ver a nota e depois abriria um novo processo para tentar poder usar a nota. Mas já não consegui no primeiro. Mostrei minhas notas, minhas boas colocações em olimpíadas que participei, mas o processou caiu”, acrescentou.

Para o estudante, a medida de não permitir que ´treineiros’ usem o Enem como porta de entrada para uma universidade é arbitrária. “O embasamento é muito fraco. Alegar questão de maturidade é arbitrário. Maturidade é muito relativo. E pela minha idade, já era pra estar no Pré. Então, isso já acaba com o argumento deles de que eu não tenho maturidade. Até porque, isso depende muito da cabeça da pessoa. Eu consegui mostrar que eu tenho maturidade. Se eu me consultar com um psicólogo e ele disser que eu tenho capacidade e maturidade para cursar Medicina, quem são eles pra dizer que não tenho?”, questionou.

Sem querer desistir do sonho de ser um Médico, Frederico Andrade agora se dedica a tentar ingressar em uma universidade fora do país. “Está sendo super desgastante esse processo todo, mas quero muito entrar em Medicina. Depois disso, mudei minha meta. Quero ir pra fora do país. Estou estudando novamente o conteúdo do Enem porque vou fazer a prova de novo esse ano e usar a nota para tentar entrar em uma universidade lá fora”, afirmou.