Risco de novo vazamento em barragem da Vale aumenta em MG

Barão de Cocais (MG) pode ser atingida com o rompimento da barragem da mina do Gongo Soco
Barão de Cocais (MG) pode ser atingida com o rompimento da barragem da mina do Gongo Soco/ Foto: Denis Castro – Futura Press

O talude da mina de Gongo Soco, da barragem Sul Superior, da mineradora Vale em Barão de Cocais (MG) passou a se movimentar 16 centímetros por dia, quatro vezes mais que medições iniciais, em pontos mais críticos, e 12 centímetros por dia em sua porção inferior, conforme relatório divulgado hoje, 24, pela Agência Nacional de Mineração (ANM).

No último dia 13, a Vale comunicou às autoridades que o talude apresentava movimentação. À época, de quatro centímetros por dia. A previsão feita, depois do anúncio é que o talude desmoronaria entre o último dia 19 e este sábado, 25.

Na segunda-feira, 20, porém, o secretário de Estado de Meio Ambiente, Germano Vieira, afirmou que o talude vai se romper, mas que isso poderia ocorrer também depois do prazo previsto.

O principal risco do desmoronamento do talude é que, ao ruir, para dentro da cava da mina, provoque abalo sísmico com intensidade suficiente para romper a barragem Sul Superior, que está 1,5 quilômetro da mina. A estrutura já passa por problemas de sustentação. Em 22 de abril, teve alerta de estabilidade elevado a 3, o mais alto da escala, que significa rompimento iminente.

Caso se rompa, a lama da barragem atingirá três municípios, conforme estudo de impacto da Vale: Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo. Um muro de contenção está sendo erguido entre a estrutura e Barão de Cocais, para tentar reter a lama, caso a barragem se rompa.

 

Terra