RN quer instalar bloqueadores de celular nos presídios em 30 dias

Robinson Faria, governador do Rio Grande do Norte (Foto: Divulgação/Governo do RN)
Robinson Faria, governador do Rio Grande do Norte (Foto: Divulgação/Governo do RN)

O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, declarou que pretende instalar bloqueadores de celular nos principais presídios potiguares nos próximos 30 dias. Além disso, ele também afirmou que já solicitou a presença da Força Nacional para suprir a ausência das Forças Armadas, que devem deixar o estado na terça-feira (23). A instalação de bloqueadores de celular na Penitenciária de Parnamirim, feita no dia 28 de julho, é apontada pelo próprio governo como a principal motivação para ataques criminosos que vêm ocorrendo no estado desde o dia 29.

Robinson Faria concedeu entrevista ao Jornal das Seis, da 96FM, na noite desta terça-feira (16). O G1 tentou entrevistar o governador na manhã da terça sobre o mesmo tema, mas a reportagem foi informada pela assessoria de imprensa do Governo do Estado que ele não comentaria o assunto.

O governador afirmou que o processo já está em andamento. “Estamos tratando da questão legal, de apressar a tramitação. Temos toda boa vontade do Ministério Público Estadual e do Tribunal de Contas. Nossa intenção é de, no máximo 30 dias, concluir [a instalação] nos principais presídios”. Ele também disse que não vai recuar. “Foi uma decisão inédita, ao mesmo tempo que era fundamental para ter um Estado com padrão de segurança que o povo deseja e tem direito. Está comprovado que a violência parte de dentro dos presídios. Os líderes das facções criminosas, através dos celulares, comandam o crime aqui fora. Quando você tira esse instrumento, você passa a ter um maior padrão de segurança”.

Faria também declarou que já solicitou o retorno da Força Nacional para suprir a ausência das Forças Armadas, que devem deixar o estado na próxima terça. “Já falei com o ministro [interino da Casa Civil] Eliseu Padilha para que, quando acabar as Olimpíadas, a Força Nacional venha porque vamos precisar de um reforço em nossas polícias. Também falei com o ministro Raul Jungmann, [interino da Defesa]. Já solicitei e já está sendo tratado”.

Tropas federais iniciam 'operação Potiguar' em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)
Tropas federais na ‘Operação Potiguar’ em Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/ G1)

Nesta terça, o presidente da República em exercício, Michel Temer, autorizou que as tropas federais permaneçam na região Metropolitana de Natal por mais 8 dias, ou seja, até a próxima terça (23). Na segunda, o governador havia solicitado a prorrogação da permanência dos militares por mais 30 dias. Conforme o governador, apesar de a situação na região de Natal ter apresentado “significativa melhora, persistem indicativos de rebeliões a serem deflagrados em unidades do Sistema Penitenciário”. Além disso, Faria pediu a liberação de efetivo extra para atuar na cidade de Mossoró, no Oeste potiguar. Contudo, o pedido não foi atendido.

Em Currais Novos, no Seridó potiguar, quatro carros da Secretaria de Saúde foram incendiados (Foto: PM/Divulgação)
Atentados começaram no dia 29 de julho (Foto: PM/Divulgação)

Ataques
Os ataques mais recentes aconteceram na madrugada desta segunda-feira (15). Foram dois casos na Zona Oeste de Natal e outro no interior do estado. Primeiro, um caminhão foi incendiado em frente a uma oficina no bairro Felipe Camarão. Em seguida, um carro foi queimado no bairro Bom Pastor. Em Venha-Ver, no Alto Oeste potiguar, um ônibus escolar foi incendiado no conjunto Santo Expedito. O veículo era antigo e havia sido arrematado em um leilão. O dono disse que o objetivo era transformar o ônibus em uma lanchonete no estilo food truck.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesed), até esta segunda-feira (15) já haviam sido contabilizados 118 atos criminosos em 42 cidades potiguares. Ainda segundo a Sesed, 112 pessoas já foram presas suspeitas de envolvimento nos crimes.

Bloqueadores de celular foram instalados nesta quinta-feira (28) na Penitenciária Estadual de Parnamirim; fotos foram feitas pelos próprios presos, que espalharam as imagens pelas redes sociais (Foto: Reprodução)
Bloqueadores de celular foram instalados na Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP); fotos foram feitas pelos próprios presos, que espalharam as imagens pelas redes sociais (Foto: Reprodução)

Uma facção, formada dentro dos presídios, reivindica os ataques. O primeiro aconteceu na tarde de 29 de julho, quando um micro-ônibus foi incendiado em Macaíba, também na Grande Natal. Desde então, as forças de segurança vêm registrados atentados a ônibus, carros, prédios da administração pública e bases policiais em todo estado. Um dos acessos ao Aeroporto Internacional Aluízio Alves, e até mesmo a vegetação do Morro do Careca – um dos principais cartões-postais do RN – também foram alvos dos atentados.

Avião da Polícia Federal decolou com 21 presos; destinos são presídios federais no Paraná, Mato Grosso do Sul e Rondônia (Foto: Clayton Carvalho/Inter TV Cabugi)
Avião da Polícia Federal decolou com 21 presos; destinos são presídios federais no Paraná, Mato Grosso do Sul e Rondônia (Foto: Clayton Carvalho/Inter TV Cabugi)

Transferências
Apontados como chefes da facção, 21 detentos foram transferidos para as penitenciárias federais de Catanduvas (PR), Campo Grande (MS) e Porto Velho (RO). Outros cinco presos, também apontados como chefes da facção, foram transferidos no início do mês para a Penitenciária Federal de Mossoró.