RN tem 170 barragens ‘sem dono’, segundo relatório; 9 delas têm alto potencial de dano e risco

Barragens "sem dono" estão em fase de fiscalização  — Foto: Anderson Barbosa/G1
Barragens “sem dono” estão em fase de fiscalização — Foto: Anderson Barbosa/G1

G1 – O Rio Grande do Norte tem 170 barragens sem donos identificados, segundo o relatório da Agência Nacional de Águas (ANA), divulgado no ano passado. Entre elas, existem pelo menos nove estruturas com alto potencial de dano e alto risco. O órgão afirma que no caso de rompimento dessas barragens sem dono, a responsabilidade é do fiscalizador estadual, o Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).

“O Igarn está realizando o cadastro das barragens do Estado e algumas ainda estão identificadas apenas pelas coordenadas geográficas, através de geoprocessamento. As atividades de cadastramento continuam e na sequência serão realizadas as visitas presenciais, quando serão identificados os proprietários”, informou o instituto, em nota.

As 9 listadas abaixo têm risco e potencial de dano altos:

  • Angicos II / Paraú
    Tipo: Dessedentação animal
    Capacidade: 413.000 m³
  • Barragem Baixio II / Jurucutu
    Tipo: Dessedentação animal
    Capacidade: 1.374.000 m³
  • Barragem Gavião / Lajes
    Tipo: abastecimento de água
    Capacidade: 300.000 m³
  • Barragem Walter Magno / Serrinha dos Pintos
    Tipo: Dessedentação animal
    Capacidade: 382.000 m³
  • Barra do Tapuia, em Sítio Novo
    Tipo: Dessedentação animal
    Capacidade: 2.116.000 m³
  • Barragem dos Tanques, em Campo Grande
    Tipo: Dessedentação animal
    Capacidade: 476.000 m³
  • Barragem do Escondido, em Patu
    Tipo: Abastecimento de água
    Capacidade: 119.000m³
  • Barragem Ferreira de Baixo, em Jardim de Piranhas
    Tipo: dessedentação animal
    Capacidade: 983.000 m³
  • Barragem Francisco Cardoso, em Currais Novos
    Tipo: Irrigação​
    Capacidade: 1.618.000 m³