UFRN participa da descoberta de planeta parecido com Saturno feita pelo telescópio TESS da Nasa

Satélite Tess, da Nasa, observa mais de 200 mil estrelas brilhantes em busca de planetas fora do sistema solar — Foto: Nasa

Um planeta do tamanho aproximado e formação parecida com a de Saturno, que orbita em torno de uma estrela de massa pouco maior que o Sol. Essa é uma das novas descobertas feitas pelo satélite caçador de planetas da Nasa, o Tess – Transiting Exoplanet Survey Satellite, que começou sua viagem há cerca de um ano na órbita da Terra. A pesquisa que envolve mais de uma centena de estudiosos, conta com a participação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O satélite foi lançado com o foguete SpaceX Falcon 9 do complexo de lançamento 40 no Cabo Canaveral Air Force Station, na Florida, em abril de 2018. Em órbita, o Tess começou sua jornada de dois anos observando mais de duzentas mil estrelas brilhantes em busca de planetas fora do nosso sistema solar (os exoplanetas).

A descoberta gerou um artigo com mais de 140 autores, entre eles, o professor José Dias do Nascimento Júnior, líder do grupo de pesquisas em Astrofísica, Estrutura e Evolução Estelar da UFRN.

De acordo com ele, a descoberta deste exoplaneta do tipo Saturno (que é um gigante gasoso) se destaca por ser a primeira na qual foi possível fazer um estudo preciso da estrutura interna da estrela hospedeira (estrela na qual ele orbita), através de uma técnica chamada de astero-sismologia.

Neste estudo, a estrela hospedeira tem seu interior desvendado de modo similar às pesquisas de sismologia, que já revelaram o interior da Terra e de outros planetas sólidos através do uso de oscilações sísmicas. “Dessa forma, foi possível fazer uma caracterização de raio, massa, idade da estrela, entre outras informações”, explica.

O planeta fica a uma distância aproximada de 300 quilômetros-luz da Terra. Ou seja, para chegar lá, seria preciso viajar por 300 anos na velocidade da luz. O exoplaneta tem cerca de 60 vezes a massa terráquea e 9 vezes o raio da terra. O que chama atenção é o seu “ano”, de apenas 14 dias.

Esse exoplaneta orbita a estrela TOI-197 (HIP116158), que é uma subgigante brilhante que tem a massa pouco maior que a solar (1,2 massas solares), porém um raio quase três vezes maior que a do nosso sol (2,943). Outra semelhança é a idade. Ela tem cerca de 4,9 bilhões de anos, enquanto o nosso Sol é um pouco mais novo, com cerca de 4,5 bilhões anos.

“A análise demonstra que a estrela começou uma evolução de ascensão para a fase das gigantes vermelhas, que representa o futuro do Sol”, aponta o professor.

Para o pesquisador, esse é um dos planetas do tamanho de Saturno com a melhor caracterização de todos os tempos.

“Este objeto descoberto contribui para a seleta lista de exoplanetas conhecidos com um grande nível de precisão e que orbitam estrelas bem caracterizadas, demonstrando assim o grande poder do satélite Tess em detectar exoplanetas em estrelas hospedeiras parecidas com o Sol”, considerou.

Fonte:https://g1.globo.com